• large-2
    Comportamento, Textos

    O que fazer em tempos de ódio?

    ver post
  • large-2
    Playlist

    Playlist: Agosto

    ver post
  • large
    Amor, Textos

    Ser sensível é corajoso

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: Siga Os Balões

    ver post
  • November 30, 2011
    postado por

    Quem me conhece sabe que eu adoro a atriz Kaya Scodelario, protagonista da terceira e quarta temporada da série Skins. Já comentei o estilo da sua personagem, a Effy Stonem, e da atriz neste post no site, que é para quem curte um estilo mais rocker, com sobreposições, acessórios, meias rasgadas e jaquetas de couro. Mas vamos ao look do dia: a Kaya usou esse lindo vestido azul mais básico no Venice Film Festival, em Setembro desse ano, que na minha opinião combinou muito com ela. Lindo, clássico e sem exageros. Ela não precisa de muita coisa para se destacar, já que tem um cabelo cacheado natural e olhos azuis lindos. Ela não usou acessórios, apenas um relógio no pulso, e na minha opinião uma das melhores partes do look: o sapato alto com estampa colorida, que deu o toque final.

    O make é super básico, quase sem nada, no estilo natural, para evidenciar a beleza da atriz. Blush rosa nas bochechas, máscara para cílios para deixar o olhar mais bonito, iluminador leve no canto dos olhos, uma pele bem preparada e perfeita, e um batom cor de boca. O segredo para quem quer fazer uma maquiagem nesse estilo “saí-sem-nada”, é preparar a pele (base para quem tem pele normal e primer para quem prefere que o make dure mais, e tem a pele mais oleosa) assim, todas as imperfeição são corrigidas.

    November 30, 2011
    postado por
    E hoje eu sou só restos.
    Restos obscuros… Restos indefinidos. Não sei o que me resta, ou do que resta. Isso me assusta, entende? Só sei que sobra. Sobra, sobra, sobra, sobra, sobra, e resta, resta, resta, resta, e eu sou o resultado disso tudo. E sobra sentimento e sobra amor e sobra carinho e sobra vontade de ser feliz e resta só essa tristeza e essa solidão e essa mesmice e todos esses “e”s tão horríveis que tanto me martirizam.
    Entende? Odeio ser restos. Odeio saber que fui destruída ao ponto de não ter o suficiente para me considerar inteira. Odeio saber que não consigo me reconstruir; pelo menos, não sozinha. E que eu posso fazer, se afasto as pessoas dispostas a me reconstuir? Que devo fazer, meu Deus, se meu coração anseia pela presença de pessoas que só me destroem? Se só relaxo quando escuto a sua voz rouca? Que faço se não sei mais ser completa sem aqueles braços me rodeando? Que eu faço se aqueles braços também rodeiam outras pessoas? (…)
    O amor é um sentimento muito bonito. Entende? Pois não importa o quanto ele me destrua, eu o quero e apenas ele. Será que você é capaz de entender ou eu não estou explicando direito? Eu o amo. Eu o quero bem mais do que quero a mim mesma, embora ele… Ele não dê uma merda por mim. E por mais que isso me parta o coração, ficar sem ele me dói ainda mais.
    Será que você entende o quão bonito isso é? Sou partida, mas sou dele. E é um bonito triste… Melancólico. E eu, melancolicamente, te amo com todos os pedacinhos do meu resto. Dos meus restos indefinidos de menina que sabia o que queria. Com meus restos indefinidos de quem tinha sempre um sorriso no rosto.
    Não sei quem sou, só sei que sou tua. Acho que se não fosse tua, não era quem sou hoje.
    Resta decidir se é bom ou se é ruim.
    Só sei que sou restos. E se sou restos, sou restos por ti. Teus restos.

    Colaboradora: Letícia Sales tem 14 anos e já postou outros textos aqui no site. Além de ser uma autora famosa do Tumblr, escrevendo no seu, que leva o título de “The Puzzle” ela também tem várias ideias criativas para histórias, do qual posta na internet e tem vários leitores. Ela mora no Recife e adora viajar, já tendo ido para vários lugares do exterior. Seus textos são sentimentais e com uma ótima escrita.

    November 30, 2011
    postado por

    “Eu nunca aceitei a simplicidade do sentimento. Eu sempre quis entender de onde vinha tanta loucura, tanta emoção. Eu nunca respeitei sua banalidade, nunca entendi como pude ser tão escrava de uma vida que não me dizia nada, não me aquietava em nada, não me preenchia, não me planejava, não me findava. Nós éramos sem começo, sem meio, sem fim, sem solução, sem motivo. Não sinto saudades do seu amor, ele nunca existiu, nem sei que cara ele teria, nem sei que cheiro ele teria. Não existiu morte para o que nunca nasceu….

    Sinto falta da perdição involuntária que era congelar na sua presença tão insignificante. Era a vida se mostrando mais poderosa do que eu e minhas listas de certo e errado. Era a natureza me provando ser mais óbvia do que todas as minhas crenças. Eu não mandava no que sentia por você, eu não aceitava, não queria e, ainda assim, era inundada diariamente por uma vida trezentas vezes maior que a minha. Eu te amava por causa da vida e não por minha causa. E isso era lindo. Você era lindo. Simplesmente isso. Você, a pessoa que eu ainda vejo passando no corredor e me levando embora, responsável por todas as minhas manhãs sem esperança, noites sem aconchego, tardes sem beleza.

    Sinto falta de quando a imensa distância ainda me deixava te ver do outro lado da rua, passando apressado com seus ombros perfeitos. Sinto falta de lembrar que você me via tanto, que preferia fazer que não via nada. Sinta falta da sua tristeza, disfarçada em arrogância, em não dar conta, em não ter nem amor, nem vida, nem saco, nem músculos, nem medo, nem alma suficientes para me reter.”

    Tati Bernardi é uma autora e cronista brasileira, que escreve a mini série da Globo “Aline”, dentre outros tantos programas da emissora e é colunista de variadas revistas famosas brasileiras. Jovem, com uma escrita acessível, Tati é adorada pelas jovens pelo simples motivo de que seus textos transparecem sentimentos, o que os torna mais fácil de serem identificados. Saiba mais sobre ela no seu site.

    November 29, 2011
    postado por

    Foto: Justlia

    Quem ainda não viu a nova coleção de chinelos do verão da Ipanema, que leva o nome de “Ipanema Sem Igual”? Ela já está a venda nas lojas e eu me apaixonei por todos os modelos! São coloridos, divertidos, com várias estampas diferentes e combinam com várias roupas. Com a temporada do verão chegando (já comentamos as tendências da estação) é impossível não querer deixar os sapatos quentes de lado e apostar em looks mais leves.

    E a proposta dessa nova linha da Ipanema é ousar com vários modelos diferentes, para todos os estilos. Tem chinelos de cores rosas para as românticas, os brancos e lilás para as mais básicas e os pretos com listras de zebra para as mais estilosas. Os preços variam em cada cidade, mas geralmente são R$19,90. E o melhor: ainda dá para comprar pela internet por R$22,90! Garanta o seu aqui.

    E aí, o que vocês acharam? Eu adorei 😉

    November 29, 2011
    postado por

    Nós já comentamos bastante sobre a Automutilação aqui no site, que é definido como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intensão consciente de se machucar, porém é feita por quem passa por problemas psicológicos tentando “aliviar a dor”, que é desencadeada também ao transtorno de borderline, conhecido por quem não tem um humor estável, chamado no Brasil de bipolaridade. O fato vem envolvendo vários jovens atualmente, confirmando segundo pesquisas que pelo menos 17% dos jovens já praticaram a Automutilação, tentando aliviar sofrimentos ou colocar para fora a dor que sente. Porém, a doença se torna cada vez mais perigosa, quando sua propagação se torna maior e os avisos do perigo da Automutilação são poucos. Confira os outros posts sobre como lidar com o assunto aqui.

    Por que os jovens praticam o Cutting?

    Por que eles acreditam que podem substituir uma dor psicológica muito grande, por um machucado físico. A tristeza que os pacientes do Cutting (ou a Automutilação) sentem, não é a mesma que todas as outras pessoas sentem, e sim um quadro mais grave, desencadeado de vários problemas e sentimentos do qual eles não acham formas de lidar. A maioria das pessoas que se corta apresenta distúrbios psicológicos (que podem ser tratados) como a depressão ou o transtorno de borderline. O perigo é que os cortes causam uma sensação no cébero: quando a pessoa se corta, bloqueia no cérebro, por alguns instantes, a capacidade de assimilar outros tipos de pensamentos além da dor física. Existe a ilusão que a pessoa está sob o controle dos seus pensamentos, mas passa em pouco tempo. E esse é um dos maiores riscos: achar que a solução dos seus problemas está no Cutting.

    Os riscos que a doença apresenta

    No ato de se cortar, a pele fica ainda mais exposta e o jovem está sujeito a uma série de infecções e doenças transmissíveis pelo ar, que vão entrar no seu organismo muito mais facilmente. Um dos riscos também é a morte. Mesmo que o paciente não se fira intencionalmente, ele não tem controle dos riscos, pois um machucado profundo pode atingir vasos sanguíneos importantes, comprometer movimentos do corpo e levar a morte.

    Solucione o problema

    O primeiro passo é sempre admitir que você está com um problema para poder aprender a lidar com ele. Depois, é importante descobrir formas de aliviar a pressão que sente, fazendo coisas de que gosta: ir ao cinema, praticar esportes (que liberam uma sensação de prazer após serem feitos), conversar com os amigos e procurar um especialista, que é o principal. Um psicólogo vai auxiliar a pessoa a tratar o assunto de maneira mais séria e irá te ajudar a superar o problema com um tratamento adequado.

    Um dos exemplos mais famosos de superação do Cutting é a estrela Demi Lovato, que foi forçada a interromper uma turnê internacional e se internar em uma clínica de reabilitação após enfrentar vários problemas (como a depressão, bulimia e a automutilação) e agredir uma de suas colegas de turnê. O motivo não ficou claro, mas já é dito pela própria cantora que, desde a infância, ela sofria com esses problemas de aceitação. Também é conhecido o fato de que Demi sofreu bullying quando criança por estar a cima do peso, o que a fez começar a estudar em casa. Ela revelou que fazia isso porque se sentia insatisfeita consigo mesma. “Era uma maneira de expressar a vergonha em meu próprio corpo.” No começo do ano a cantora foi liberada e iniciou uma série de campanhas de aceitação a si mesma, como a que você vê na foto a cima, do qual Demi foi a principal participante, do “Love Is Louder.” Atualmente, ela está em turnê do novo disco, Unbroken, que representa a sua superação e é colunista da revista Seventeen ajudando garotas a superar seus problemas pessoais.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA