• large
    Viagens, Videos

    Vlogs legais de viagens

    ver post
  • 18033802_1425737924156032_8579091541036371031_n
    Música

    Bandas que vale a pena ouvir

    ver post
  • Arte: Juliana Rocha
    Comportamento, feminismo

    #MeuCorpoNãoÉPúblico

    ver post
  • large
    Séries

    Série: The Defenders

    ver post
  • November 29, 2011
    postado por

    Nós já comentamos bastante sobre a Automutilação aqui no site, que é definido como qualquer comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intensão consciente de se machucar, porém é feita por quem passa por problemas psicológicos tentando “aliviar a dor”, que é desencadeada também ao transtorno de borderline, conhecido por quem não tem um humor estável, chamado no Brasil de bipolaridade. O fato vem envolvendo vários jovens atualmente, confirmando segundo pesquisas que pelo menos 17% dos jovens já praticaram a Automutilação, tentando aliviar sofrimentos ou colocar para fora a dor que sente. Porém, a doença se torna cada vez mais perigosa, quando sua propagação se torna maior e os avisos do perigo da Automutilação são poucos. Confira os outros posts sobre como lidar com o assunto aqui.

    Por que os jovens praticam o Cutting?

    Por que eles acreditam que podem substituir uma dor psicológica muito grande, por um machucado físico. A tristeza que os pacientes do Cutting (ou a Automutilação) sentem, não é a mesma que todas as outras pessoas sentem, e sim um quadro mais grave, desencadeado de vários problemas e sentimentos do qual eles não acham formas de lidar. A maioria das pessoas que se corta apresenta distúrbios psicológicos (que podem ser tratados) como a depressão ou o transtorno de borderline. O perigo é que os cortes causam uma sensação no cébero: quando a pessoa se corta, bloqueia no cérebro, por alguns instantes, a capacidade de assimilar outros tipos de pensamentos além da dor física. Existe a ilusão que a pessoa está sob o controle dos seus pensamentos, mas passa em pouco tempo. E esse é um dos maiores riscos: achar que a solução dos seus problemas está no Cutting.

    Os riscos que a doença apresenta

    No ato de se cortar, a pele fica ainda mais exposta e o jovem está sujeito a uma série de infecções e doenças transmissíveis pelo ar, que vão entrar no seu organismo muito mais facilmente. Um dos riscos também é a morte. Mesmo que o paciente não se fira intencionalmente, ele não tem controle dos riscos, pois um machucado profundo pode atingir vasos sanguíneos importantes, comprometer movimentos do corpo e levar a morte.

    Solucione o problema

    O primeiro passo é sempre admitir que você está com um problema para poder aprender a lidar com ele. Depois, é importante descobrir formas de aliviar a pressão que sente, fazendo coisas de que gosta: ir ao cinema, praticar esportes (que liberam uma sensação de prazer após serem feitos), conversar com os amigos e procurar um especialista, que é o principal. Um psicólogo vai auxiliar a pessoa a tratar o assunto de maneira mais séria e irá te ajudar a superar o problema com um tratamento adequado.

    Um dos exemplos mais famosos de superação do Cutting é a estrela Demi Lovato, que foi forçada a interromper uma turnê internacional e se internar em uma clínica de reabilitação após enfrentar vários problemas (como a depressão, bulimia e a automutilação) e agredir uma de suas colegas de turnê. O motivo não ficou claro, mas já é dito pela própria cantora que, desde a infância, ela sofria com esses problemas de aceitação. Também é conhecido o fato de que Demi sofreu bullying quando criança por estar a cima do peso, o que a fez começar a estudar em casa. Ela revelou que fazia isso porque se sentia insatisfeita consigo mesma. “Era uma maneira de expressar a vergonha em meu próprio corpo.” No começo do ano a cantora foi liberada e iniciou uma série de campanhas de aceitação a si mesma, como a que você vê na foto a cima, do qual Demi foi a principal participante, do “Love Is Louder.” Atualmente, ela está em turnê do novo disco, Unbroken, que representa a sua superação e é colunista da revista Seventeen ajudando garotas a superar seus problemas pessoais.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA