• large-2
    Comportamento, Séries, TV

    As personagens femininas de Skam

    ver post
  • large
    Música

    Playlist: Junho

    ver post
  • large-2
    Culinária, Diversão

    Os melhores burgers de Florianópolis

    ver post
  • large-2
    Blogs

    O blog está de cara nova!

    ver post
  • January 27, 2013
    postado por

    Paixão platônica. Tá aí um daqueles assuntos que todo mundo já conhece ou sabe o que significa. E eu aposto que pelo menos uma vez na vida qualquer garota vai passar por isso (meninos também) ou conhece um amigo que já teve uma paixão daquelas, super platônica, mas que mesmo assim o faz suspirar todos os dias por uma pessoa que ela não conhece muito bem. Porque o significado de platônico é exatamente esse: você sonhar muito com uma pessoa que pode não estar ao seu alcance. É uma relação idealizada. Ela existe no seu pensamento. E mesmo que o outro nem ao menos saiba quem você é, a questão é que você sim, o conhece muito bem.

    Conhece as músicas que ele (a) gosta de ouvir, as roupas que usa, seus melhores amigos (as), os lugares que frequenta, seus hobbies e álbuns favoritos. E também gosta do jeito que aquela pessoa mexe no cabelo, se veste e vamos confessar, você já até sabe de cor a ordem das fotos do ser humano no Facebook. E o twitter dele (a) também está lá, na barra dos mais visitados. Engraçado, né? Aposto que muita gente se identificou com esse trecho. A internet possibilita, além de uma falsa sensação de conhecimento de alguém, o sentimento de que sabemos tudo da vida dela por meras páginas do computador.

    Ou a pessoa pode ser também da sua escola. Você a vê passando pelo corredor e imaginou na sua cabeça (umas quinze vezes só naquele dia) uma possível abordagem. As palavras estão na língua, prontas para ser ditas, mas na hora “H”, você esquece de tudo, se atrapalha, e a coragem se perde. Pronto. Vocês ainda são completamente estranhos um para o outro.

    Há também casos em que pode ser alguém que você vê todos os dias no ônibus indo para o mesmo lugar, ou aquele amigo que está sempre fazendo tudo contigo. Um conhecido de infância que nunca percebeu seu maior interesse. Enfim, pode ser qualquer um, que de um dia para o outro, acaba se tornando o dono de nossos pensamentos. Mas não se esqueça: você não sabe tudo sobre ele (a). Na verdade, a gente só conhece alguém quando se torna próxima dela de verdade.

    Aparência no fundo pode não significar nada, e sorrisos também não. Dentro da nossa cabeça, existe uma imagem. Uma realidade que pode ser muito diferente daquela que acontece realmente. Você vê alguém todos os dias e de repente, a imagina como se fosse alguém confiável, simpática, etc, que tenha milhões de qualidade. Quase achou que ela é a pessoa mais perfeita que você já conheceu. Mas aí, o choque maior acontece quando você percebe que isso não existe. Ela tem defeitos como todo mundo. Já vi muitos casos em que a paixão platônica acabou de um modo em que ambos os lados não se falaram mais. O apaixonado, porque descobriu que aquela pessoa não era nada que ela imaginava, e o outro, porque se assustou com tudo aquilo.

    Não que paixão platônica seja ruim. Ela tem um lado gostoso também. Aquele do frio na barriga, da imaginação rolar solta, sempre pensando em coisas que possivelmente poderiam acontecer. Para alguns, ela acaba sendo esquecida depois de um tempo. Para outros, se torna realidade. Pode acontecer quando as pessoas realmente buscam por isso. Eu conheço um exemplo em que a pessoa platônica não decepcionou. Ou melhor: foi uma boa surpresa. Procure ganhar o seu objetivo, mas para que isso finalmente aconteça, é preciso por algo na cabeça: não veja ninguém como um ser perfeito. Todos tem defeitos e qualidades.

    Esse texto é feito especialmente para todas as pessoas que já sentiram algo platônico. Conheço algumas por aí que conseguiram tornar algo platônico, em algo muito real. Outras, ainda estão tentando e admiro a coragem deles de saberem que a realidade pode ser melhor que a fantasia. Então, tudo isso é pra você que sentiu, ou ainda está sentindo, tudo isso.

    1. Cynthya Marangon Jan 27, 2013

      Já tive infinitas paixões platônicas… mas é tão ruim quando idealizamos alguém e a pessoa não é o que imaginamos!
      Ótimo texto.
      Beijos, Cyn.
      http://ograndetalvez.blogspot.com.br

    2. Monique Premazzi Jan 27, 2013

      Eu já tive alguns amores platônicos, devo confessar. O primeiro amor platônico que eu tive, eu tinha apenas 9 anos de idade e vi o garoto mais lindo do colégio pela primeira vez, nunca mais consegui tirar ele da cabeça. Eu sabia TUDO sobre ele! Ligava pra casa dele só pra ouvir a voz dele e desligava. Essas coisas de menina doida. Até que um dia eu mandei um carta para ele, dizendo que gostava dele demais e que queria ele pra mim (pois é, mico do mundo!), só que ele era mais velho e gostava de uma menina piriguete, mais bonita que eu. Eu fiquei muito mal… Só que mesmo assim, eu não esqueci ele. Ele mudou de colégio, eu quase nunca esbarrava com ele, mas passava pela casa dele e só ficava pensando se eu poderia ser algo mais e etc. Quando eu tinha 15 anos, foi que eu superei o meu amor por ele e vi que nada ia acontecer, que ele era um babaca e mulherengo. Finalmente! Hoje quando penso nisso, acho que estava louca naquela época. KKKKKKK

      Beijos,
      Monique <3

    3. rebecca Jan 28, 2013

      eu ja tive uma paixao platonica e foi triste visitem o meu blog e nao se esquecam de se inscrever http://www.estilocaprichoo.blogspot.com

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA