• large-2
    Comportamento, Séries, TV

    As personagens femininas de Skam

    ver post
  • large
    Música

    Playlist: Junho

    ver post
  • large-2
    Culinária, Diversão

    Os melhores burgers de Florianópolis

    ver post
  • large-2
    Blogs

    O blog está de cara nova!

    ver post
  • September 29, 2013
    postado por

    Texto que eu encontrei numa pasta de arquivos do início de 2012. É bom poder reler seus textos antigos, né? Como gostei muito desse, resolvi postá-lo. Escrevi entre Março e Abril do ano passado.

    Fiz esse texto para te falar muitas coisas. Uma delas é que sua presença é uma das melhores coisas que me aconteceu. A outra é que tenho muitas memórias de coisas que passamos e apagá-las não é e nem nunca vai ser uma das opções que eu espero seguir. Mas eu não posso fingir. Não vou mentir e dizer que quando te vejo eu não perco o que eu sou. Cada parte de mim vai indo, e outras vão se quebrando. E é muito difícil elas voltarem para onde pertencem, entende? Eu não sei o que dizer e sinto que fico presa. Presa num ciclo que nunca acaba e não tem fim.

    Porque uma hora ou outra esperamos que o futuro siga um caminho que a gente não espera e é muito bom vivenciar coisas novas. Mas porque os seus olhos não brilham quando eu conto alguma coisa incrível que me aconteceu? Porque quando eu te questiono de algo você só vira os olhos e eu fico sem resposta, sem nada? Não costumava ser assim. Bem, comigo, pelo menos, nunca foi. Uma das coisas que eu mais valorizo é tratar os outros do jeito que elas merecem. E eu sempre te tratei do melhor jeito possível.

    Mas eu sinto que em muitos momentos isso não é reciproco. E eu perdi as contas das vezes em que entrei numa saia justa, em que fiz de tudo pra te ajudar, que entrei em conflitos gigantes comigo mesma, quebrei meus próprios conceitos, sei lá, pra tentar fazer as suas vontades. Dependi muito de você e me desculpa mas, eu não mereço suas mudanças constantes, não mereço ser deixada de lado e muito menos ser a segunda opção.

    Me cansei da posição de segundo lugar, daquela que sempre vai estar ali quando os outros precisarem mas quando ela precisa, as pessoas não estão; se esquecem simplesmente e voltam dias depois, quando querem alguma coisa. Só que chegou a um ponto em que eu não quero mais estar nesse lugar. Porque os outros não podem me tratar como eu trato eles, ué? Será que é tão complicado reconhecer as coisas boas que alguém faz por ti? Tentar, pelo menos um pouco, fazer o mesmo de vez em quando?

    São pessoas demais que passam pela nossa vida exigindo, cobrando e querendo mais do que podemos oferecer. E eu tentei de todos os meios agradar e me esforçar para preencher essas expectativas mas percebi que essa saída que eu escolhi me deixou infeliz, irritada, vulnerável e com vontade de esfregar muitas caras no asfalto.

    Então é hoje que eu estou escolhendo sair desse lugar. Não se irrite se perceber que eu não sou mais a mesma ou ando com uma cara de brava. É que eu fui por tempo demais aquela que tenta fazer tudo pelos outros e o que recebi em troca? Não recebi nada. Só mais pedidos, e mais coisas que eu precisava fazer, e mais alguns socos pelas costas. E essa posição não é mais pra mim. Não me sinto mais confortável nela. Não quero mais estar nesse lugar que por tanto tempo, foi meu.

    1. Gabi Barbará Sep 29, 2013

      Refletir sobre a nossa situaçao e querer mudar é o primeiro passo. Sinal de maturidade. Coloque seu bem estar sempre em primeiro lugar e preste atenção nos seus sentimentos. Eles funcionam como uma bússola te indicando o caminho.

      Vc é muito madura pra sua idade.

      Bjs de Bangkok,
      Gabi Barbará
      Barbaridades

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA