• 26e14d287bd9c5f49b36990e398601d0
    Comportamento

    Um recado para o Instagram

    ver post
  • space love xx Scott Brian Madeiras
    Amor, Reflexão

    Antítese

    ver post
  • 71e0db6e93ee0415f7c0c0cb28e2027c
    Looks, Moda

    Looks para o verão

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: A Quimica Que Há Entre Nós

    ver post
  • June 22, 2014
    postado por

    Hoje vou trazer pra vocês a minha opinião sobre os dois últimos filmes que eu assisti no cinema: A Culpa É Das Estrelas (do qual eu já trouxe a resenha do livro aqui em 2012) e de Malévola, estrelado pela Angelina Jolie e Elle Fanning, que eu estava também bem ansiosa para assistir.

    The Fault In Our Stars

    Acho que todo mundo já ouviu falar 500 vezes do filme e do livro, né? Bom, a minha vontade de assistir era muito grande, principalmente porque eu amo o John Green de paixão e esperava uma ótima adaptação para os cinemas. E minhas expectativas eram altas porque eu adoro o trabalho da Shailene Woodley. Já vi outros filmes dela, e acho a atuação dela incrível, ela parece que entra na pele dos personagens naturalmente. Fui assistir na estréia.

    O filme correspondeu tudo o que eu esperava dele. Possui uma carga emocional forte, que nas telas do cinema ficou ainda maior que no livro, e os personagens te encantam, e acho que justamente por causa dos atores, que estão muito confortáveis no papel. O Ansel É o Gus, não tem jeito. Acho que agora, eu não consigo imaginar outro ator interpretando-o tão bem. O mesmo para o Nat Wolff, que aposto, terá uma carreira notável pela frente (eu amei o fato dele ter sido escolhido para interpretar o Quentin no filme de Cidades de Papel!) e a Hazel ficou exatamente do jeito que eu imaginava.

    Não cheguei a chorar no filme inteiro, mas as lágrimas começaram quando Isaac diz que não quer ver um mundo sem o Gus. Dai, foi choro até o final do longa. Ele é sensível, bonito, e retrata o câncer de forma desmistificada, fugindo dos clichês Hollywoodianos e sem tantos dramas. Destaque para a trilha sonora (você pode fazer o download aqui) eu acho que a escolha das músicas é muito importante e amei todas as que estão no filme e no CD. Imaginem a minha emoção quando começou a tocar Jake Bugg? E Birdy também!

    O único ponto que me irritou, mas que não foi no filme em si, é o fato de que a sessão estava lotada de pessoas que falavam O TEMPO INTEIRO, a menina do meu lado em cinco minutos de filme (é sério!) começou a chorar bem alto, dizendo que “não tava preparada pra isso” como assim gente sem falar naquelas que queriam falar os quotes junto com os atores, não ficavam quietas, e insistiam em fungar em todas as cenas. Em algumas, eu nem consegui prestar muito a atenção, de tanto que era o incômodo. Por isso, quero ver de novo numa sessão bem tarde ou no conforto do meu sofá mesmo pelo computador.

    Malévola

    O grande nome do filme é a Angelina Jolie, obviamente. E logo depois, vem a Elle Fanning, que vem despontando no cenário cinematográfico nos últimos anos e ganhando elogios pela sua atuação. O que me interessou no filme era essa ideia de mudar os padrões da Disney. Em várias críticas, eu li que o longa fazia várias alterações na história e mostrava a história por trás da vilã Malévola. O legal é que aqui eles mostram que o mundo não é dividido em bons e maus especificamente. Todo mundo comete erros, mas também toma boas atitudes.

    Descobrimos por quê a maldição na princesa Aurora foi feita. E também que o rei não era bem o que nós pensávamos. Angelina se dá muito bem no papel e na caracterização dele. Ela convence muito e é quem rouba o espaço em todas as cenas. Elle Fanning também atua bem e passa toda essa ingenuidade extrema da personagem, e o modo delicado dela. Eu só queria ver um pouco mais de atitude na Aurora, mas isso nós vemos de sobra na Malévola.

    Só o que não me convenceu muito foram as três fadas, que cuidam da princesa enquanto ela cresce no filme original também. Elas não ganharam muito a minha simpatia, sabe? Na versão animada elas eram mais divertidas. E eu acho que outros pontos deveriam ter sido explorados, como a Aurora descobrir que o seu pai fez muitas coisas erradas, e a relação dela com o príncipe que ficou rasa, mas eu entendo que a proposta aqui não era colocar um romance.

    No mais, eu gostei bastante e achei que o clima mais dark ficou perfeito. Achei até engraçado ter algumas crianças muito novas na sala, mas é que o nome “Disney” já faz todo mundo pensar que é um filme fofo sobre castelos e contos de fada. É muito legal ver que no cinema, as personagens femininas estão se destacando muito mais, ganhando atenção e o público se cativa com um enredo mais realista. Afinal, essa história do cavalo branco já está muito old.

    1. Miguel Alexandre Pereira Jun 22, 2014

      Dois filmes que quero muito ver, sem dúvidas umas belas recomendações. Estou muito ansioso e curioso :)

      http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    2. Juliana Jun 24, 2014

      AINDA não tive tempo de ver A Culpa é das Estrelas e essa é a primeira resenha que leio sobre o filme. Gostei bastante.
      Inclusive você me lembrou dessa coisa chata de muita gente na sala, gente inconveniente. Quando eu for, vou deixar pra ver na última sessão 😉
      Malévola, falam muito bem e adorei sua resenha, mas é um filme que não me cativou pelo trailer, então creio que nem vou ver quando sair em DVD, talvez quando passar no telecine eu veja xD

      Beijos!!!

    3. Camila Faria Jun 24, 2014

      Ai, eu fico PRA MORRER quando tem gente falando no cinema, imagina uma sessão inteira!!! Mas, se você achar que vale a pena, assiste de novo sim. Tenho certeza que vai ser uma nova experiência, mais introspectiva!

    4. Julie Jun 26, 2014

      Eu vi Malévola e amei!!! Já a culpa é das estrelas, só li o livro mesmo… ainda não vi o filme mas to doida pra ver!
      Beijos,
      Julie | http://www.juliechagas.com/

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA