• 26e14d287bd9c5f49b36990e398601d0
    Comportamento

    Um recado para o Instagram

    ver post
  • space love xx Scott Brian Madeiras
    Amor, Reflexão

    Antítese

    ver post
  • 71e0db6e93ee0415f7c0c0cb28e2027c
    Looks, Moda

    Looks para o verão

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: A Quimica Que Há Entre Nós

    ver post
  • July 27, 2014
    postado por

    Feminismo é uma palavra que todo mundo anda ouvindo bastante nos últimos anos. Principalmente com o sucesso dos blogs, do Instagram, das redes sociais em geral. E a cada dia, mais garotas e mulheres começaram a se unir ao movimento. E ele tomou proporções ainda maiores quando algumas celebridades legais, como a Lorde e a Jennifer Lawrence começaram a quebrar alguns estigmas na mídia, aquele de que a mulher deveria aparecer sempre impecável, linda, magra, e com maquiagem em frente das câmeras e para o mundo. Por quê? Com o objetivo de agradar alguém que não ela mesma? Onde nasceu essa história de que a mulher precisa aparentar ser perfeita? Eu achei que todo mundo já tinha entendido que perfeição não existe.

    De vez em quando eu ouço alguém falar que machismo não existe mais. Como assim não existe? Eu aposto que todo ser humano do sexo feminino já presenciou uma cena de machismo pelo menos uma vez na sua semana. Mesmo que você não perceba, ela está lá. São as piadinhas feitas para garotas que praticam esportes que seriam, supostamente, só para homens, são os julgamentos por você dizer que não tem planos em aprender a  cozinhar (“você sabe que não se arranja homem e não se casa sem saber lavar a louça, fazer comida e limpar a casa, né? Nenhuma sogra vai te querer assim!”), os rótulos de vadia e puta para meninas que ficaram com mais de algum garoto na última balada. São pequenas atitudes que você não nota, mas elas estão muito presentes na nossa rotina. E é triste quando a gente começa a achar isso normal. Isso não pode se tornar lugar comum!

    Eu sou um pouco quieta, tímida e confesso que não consigo entrar na onda do tão famoso “pego e não me apego.” Porque isso faz parte da minha personalidade. Mas outro dia me peguei pensando e refletindo comigo mesma… Por quê diabos eu deveria julgar garotas que ficam com vários meninos da mesma turma, por exemplo, ou que já tiveram diversos ficantes, namorados e afins? Ué, mas eu não conheço um monte de homens que fazem a mesma coisa e não são zoados? Então porque as mulheres não podem ser tratadas igualmente? É injusto todo mundo detonar numa rodinha alguma garota que já ficou com muitos, fez o que ela estava a fim, e o cara que faz o mesmo ser ovacionado de pé: “Nossa, ele é o bom, ele pega várias.” A mulher tem direito sobre o próprio o corpo. Eu demorei para aprender, foi preciso maturidade, mas hoje eu chego a conclusão de que o corpo, a boca e a decisão é da própria garota. E não dos outros. Ela faz o que quiser, e eu não tenho absolutamente nada a ver com isso.

    Vocês já ouviram falar da campanha #TerçaSemMake? O intuito dela é que as garotas, na Terça-Feira, se libertem do uso da maquiagem, mostrem a sua pele do jeito que ela é, e batam uma selfie e coloquem no Insta com a hashtag. A ideia aqui não é ser contra a maquiagem, não! E sim usá-la por diversão mas não por obrigação. Confesse: você já não se sentiu na obrigação de passar maquiagem pra ficar bonita (para os outros), de querer agradar? É difícil colocar na nossa cabeça que não precisamos de uma base da MAC para nos sentirmos bonitas. Ainda mais quando você é adolescente, sofre com acne e infelizmente a imagem e a beleza são supervalorizadas. Porém, eu confesso que faço a minha parte tentando, aos poucos, me libertar disso. Não é simples, mas há dias em que eu tomo coragem e vou para a escola de cara limpa mesmo. Sem medo.

    Quando você tem só 16 anos e lida com inseguranças, opiniões alheias e diversas outras questões, se torna complicado bater de frente e dizer que os estereótipos não definem você. Mas é preciso fazer isso sim. É preciso ser corajosa! E nós temos que aprender a aceitar mais nossas colegas, amigas, companheiras, do jeito que elas são. Você com certeza já deve ter visto o termo slut-shaming por aí. Na teoria, ele consiste em xingar, julgar ou ter preconceito com uma mulher por causa do seu comportamento sexual. E é isso mesmo, mas a palavra abrange outras coisas, como o eterno culto da mulher de falar mal da outra, fofocar e brigar. Óbvio que sabemos que o respeito existe sim (quem disse que não podemos ser amigas?) porém infelizmente é fato que ainda rola muita briga no sexo feminino, quando nós deveríamos nos apoiar. Lembra quando eu falei no inicio do post que julgávamos (até eu já julguei!) garotas que ficavam com muito caras? Então. Elas tem o direito. Qualquer uma tem o direito. E se queremos respeito, nós devemos nos respeitar também.

    P.S: E gente, por favor, não usem mais esse argumento que feministas “odeiam os homens.” Feminismo não significa odiar ninguém. Significa apenas querer igualdade e direitos iguais.

    [+] Links incríveis sobre feminismo na internet:
    Think Olga
    Girls With Style
    Cronicamente Carioca
    Nathali Macedo

    1. Julie Jul 28, 2014

      Adorei o texto! Vou conferir os links 😉
      Beijos,
      Julie
      http://www.juliechagas.com/

    2. Miguel Alexandre Pereira Jul 28, 2014

      Está aqui um bom ponto de vista, acho sempre interessante ver como as mulheres pensam :)

      http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    3. Camila Faria Jul 28, 2014

      Maravilhoso Ana Beatriz! Você tinha razão lá no comentário do blog, eu adorei o texto!!! E adorei saber que você usa o caderninho também, fiquei super feliz. <3

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA