• large-2
    Comportamento, Textos

    O que fazer em tempos de ódio?

    ver post
  • large-2
    Playlist

    Playlist: Agosto

    ver post
  • large
    Amor, Textos

    Ser sensível é corajoso

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: Siga Os Balões

    ver post
  • July 16, 2016
    postado por

    Enquanto eu estava dando uma olhada na lista dos últimos livros que eu havia lido lá no Goodreads, percebi que todos eles eram brasileiros! Eu sempre gostei de literatura nacional, mas nos últimos meses os autores brasileiros tem sido o meu foco principal (e não só pela lista do vestibular!). A verdade é que temos autores incríveis e talentosos aqui: alguns já são conhecidos do público, outros nem tanto, e também há os mais novos. E eu acho importante a gente dar o nosso apoio lendo e comprando esses livros para valorar a profissão dos autores e a importância da literatura no país.

    40 dias

    Título: Quarenta Dias

    Autor (a): Maria Valéria Rezende

    Editora: Alfaguara

    Sinopse: “Quarenta dias no deserto, quarenta anos.” É o que diz (ou escreve) Alice, a narradora de Quarenta dias, romance magistral de Maria Valéria Rezende, ao anotar num caderno escolar pautado, com a imagem da boneca Barbie na capa, seu mergulho gradual em dias de desespero, perdida numa periferia empobrecida que ela não conhece, à procura de um rapaz que ela não sabe ao certo se existe. Alice é uma professora aposentada, que mantinha uma vida pacata em João Pessoa até ser obrigada pela filha a deixar tudo para trás e se mudar a Porto Alegre. Mas uma reviravolta familiar a deixa abandonada à própria sorte, numa cidade que lhe é estranha, e impossibilitada de voltar ao antigo lar. Ao saber que Cícero Araújo, filho de uma conhecida da Paraíba, desapareceu em algum lugar dali, ela se lança numa busca frenética, que a levará às raias da insanidade.

    Este livro é o vencedor da categoria “melhor livro de romance” da 57ª edição do Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura brasileira. A autora nos leva para uma jornada com a protagonista da história, a professora Alice, que levava uma vida confortável em João Pessoa. Alcançando a meia-idade, ela é obrigada pela única filha, Norinha, a se mudar para Porto Alegre, para cuidar do futuro neto. Vítima do egoísmo da primogênita, ela se muda para o Sul e tem que deixar tudo o que era dela para trás.

    Em meio a tantos conflitos e tentando se ajustar em uma realidade que não tem nada a ver com o qual ela tinha anteriormente, Alice, após ser enganada pela filha e o genro, decide abandonar o novo apartamento e embarcar em uma busca por Cícero Araújo, o filho desaparecido de uma amiga da Paraíba. Cícero pode ser um pretexto para ela escapar de tudo, mas Alice vai se arriscar a conhecer pessoas e um mundo diferente do qual ela nunca esperaria achar naquela nova cidade. O livro aborda diversos temas, e o foco principal deles é as minorias. Os negros, os pobres e os moradores de rua ganham um espaço fundamental nessa obra, que relaciona também com tudo isso o modo como a sociedade ignora os idosos e os moradores das periferias.

    poética

    Título: Poética

    Autor (a): Ana Cristina Cesar

    Editora: Companhia Das Letras

    Sinopse: Ana Cristina Cesar deixou em sua breve passagem pela literatura brasileira do século XX uma marca indelével. Tornou-se um dos mais importantes representantes da poesia marginal que florescia na década de 1970, justamente pela singularidade que a distanciava das “leis do grupo”. Criou uma dicção muito própria, que conjugava a prosa e a poesia, o pop e a alta literatura, o íntimo e o universal, o masculino e o feminino — pois a mulher moderna e liberta, capaz de falar abertamente de seu corpo e de sua sexualidade, derramava-se numa delicadeza que podia conflitar, na visão dos desavisados, com o feminismo enérgico, característico da época. Entre fragmentos de diário, cartas fictícias, cadernos de viagem, sumários arrojados, textos em prosa e poemas líricos, Ana Cristina fascinava e seduzia seus interlocutores, num permanente jogo de velar e desvelar. Cenas de abril, Correspondência completa, Luvas de pelica, A teus pés, Inéditos e dispersos, Antigos e soltos: livros fora de catálogo há décadas estão agora novamente disponíveis ao público leitor.

    Ana Cristina Cesar é uma das poetas brasileiras mais importantes que o país já teve. Carioca, formada na PUC-RJ e com um mestrado em tradução literária na Universidade de Essex, na Inglaterra, ela produziu boa parte do seu material nos anos 70. Eu conheci o seu trabalho completo por meio dessa edição especial, que traz todas as suas obras, além de críticas importantes sobre os seus trabalhos. Este ano, ela foi escolhida para ser homenageada pela Flip na Festa Literária Internacional de Paraty.

    Quando eu comecei o livro, achei que ele possuía uma compreensão bem difícil. O que é um fato: é bem complicado tentar “decifrar” os poemas da autora, mas depois que você ler mais sobre a vida dela e os temas que ela costumava abordar, vai poder compreendê-los melhor. Ana escreve sobre o amor, desejos, representação feminina e dores de um jeito único que eu nunca havia lido antes. Eu havia conhecido outros poemas dela em 2015 quando li uma coletânea com os poetas marginais, mas só pude realmente ver a sua essência depois da leitura do Poética. É imperdível: o livro divide muitas opiniões, mas ela conseguiu me conquistar.

    1808

    Título: 1808

    Autor (a): Laurentino Gomes

    Editora: Planeta

    Sinopse: Considerada por muitos historiadores como a mais importante decisão tomada pelo príncipe regente e futuro rei Dom João VI durante os treze anos de permanência da corte portuguesa no Rio de Janeiro, a efetivação do Reino Unido colocou um ponto final no período colonial brasileiro e deu início de fato ao processo de Independência do país. “A criação do Reino Unido foi decidida em meados de 2014 no Congresso de Viena, que reuniu na Áustria as potências vencedoras de Napoleão”, explica Laurentino Gomes. “Foi uma decisão tomada praticamente à revelia da corte portuguesa no Rio de Janeiro e anunciada na Europa muito antes de que os próprios brasileiros e portugueses tomassem conhecimento dela.” Lançado originalmente na Bienal do Rio de Janeiro de 2007, 1808 permanece há sete anos consecutivos na lista dos livros mais vendidos, um recorde no mercado editorial brasileiro na categoria não-ficção. Publicado em português e inglês, atualmente suas edições internacionais estão disponíveis em mais de vinte países, incluindo Portugal, Estados Unidos, Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia, Índia e África do Sul.

    Se você, assim como eu, é apaixonado por História, eu super indico a leitura do 1808, um dos livros mais aclamados do país. Escrito pelo jornalista paranaense Laurentino Gomes, o livro conta com detalhes a chegada da família real portuguesa ao Brasil e as suas consequências, que ainda são refletidas na sociedade brasileira até a atualidade. A obra é um aprendizado e tanto para aqueles que desejam saber como era a vida não só da corte, mas sim dos escravos e da população, que não tinha acesso ao mínimo de educação ou hábitos de higiene, e também possuía pouca noção do que estava ocorrendo ao seu redor.

    Além de ajudar a entender muito sobre o desenvolvimento do Brasil, ele também auxilia bastante nos conhecimentos de História do Brasil que vivem caindo no vestibular. Eu já quero ler as duas sequências: 1822 e 1889.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA