• Capa_Angela.indd
    Livros

    Livros que eu li na faculdade #1

    ver post
  • Arte: Henn Kim @henn_kim
    Textos

    Rastros

    ver post
  • 1fa56655-c5d0-492b-ac49-5851d952c741-bccb073f-d38e-47d0-b171-f188697c72f4-hmrr_willian_kate_meghan_harry_ap_89-1
    Filmes, Livros, Música

    O que eu li, assisti e ouvi em Junho

    ver post
  • Garotas sensíveis são fortes. @AmbivalentlyYours
    Textos

    Reconstrução

    ver post
  • Janeiro 15, 2017
    postado por

    Título: Juntando Os Pedaços – Holding Up The Universe

    Autor (a): Jennifer Niven

    Editora: Seguinte

    Sinopse: Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby. Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

    Uma das minhas primeiras leituras de 2017 é o livro da minha nova autora favorita, Jennifer Niven. Os temas escolhidos por ela fizeram eu me apaixonar pelas suas histórias, como aconteceu com “Por Lugares Incríveis.”  E dessa vez eu também consegui me identificar com os personagens. Os dois protagonistas possuem as suas próprias dificuldades: Jack tem 17 anos e sofre de uma doença que o faz não lembrar de nenhum rosto, inclusive o dos familiares e das pessoas que ele mais ama. Mas, apesar de sofrer com isso há um tempo, ele nunca revelou para ninguém, e acaba levando uma vida superficial no ensino médio, com a esperança de agradar a todos para que não descubram a sua doença e ele não seja excluído.

    Libby recebeu o título de “a adolescente mais gorda dos Estados Unidos” quando, após a morte da mãe, atingiu o limite e descontou toda a sua raiva, frustração e tristeza na comida. Ela teve que ser retirada de casa com ajuda médica, pois precisava se tratar. Além dos problemas com ansiedade e depressão, ela sofreu bullying na infância, o que dificultou ainda mais a sua jornada. Mas depois de passar anos se recuperando em casa, ela decide ir para a escola novamente.

    Os dois, mesmo sendo diferentes, tem os seus caminhos cruzados na escola. Jack faz parte do grupo de meninos que zoa Libby por causa do seu peso, e uma situação infeliz logo no primeiro dia de aula dela, faz com que os dois se conheçam, mas não de uma maneira favorável. Libby perde as esperanças de ter o ano letivo que ela esperava, ao ser vítima novamente de bullying.

    Os dois personagens são profundamente trabalhados e dividem a narração do livro. Ao mesmo tempo que o leitor começa a entendê-los, eles também vão amadurecendo e encontrando a si mesmos. Jack e Libby são de mundos opostos, mas tem muito mais em comum do que eles imaginam. Os dois são muito solitários e tem medo de mostrar quem são – seja pela opinião alheia, ou porque não querem se magoar – e carregam questões importantes dentro de si. Libby precisa vencer a sua insegurança enorme, e Jack, o fato de que possui uma doença incurável e que modifica toda a sua vida.

    A autora consegue mostrar de maneira honesta como os padrões sociais e os preconceitos que acompanham a vida dos jovens podem afetar alguém de maneira muito séria. Libby é rejeitada por muitos dos seus colegas, e pessoas enviam mensagens anônimas para ela a ofendendo, e questionando o motivo dela ser gorda. Achei importante a Jennifer Niven tocar no assunto da gordofobia – apesar de não ter utilizado a palavra –  e mostrar como a sociedade acha que é errado alguém ser acima do peso, ao invés de enxergá-la pelo que ela é. E não pela sua aparência. O tempo todo, os rótulos são questionados no decorrer dos capítulos.

    O romance dos protagonistas serve de pano de fundo para problemas complexos que eles possuem em suas vidas. Eu também achei interessante conhecer mais sobre a prosopagnosia, uma doença que atinge milhares de pessoas no mundo todo: e muitas delas nem sabem disso. A narração acompanha a luta de dois jovens que precisam se encontrar, e se aceitarem pelo que eles são. E também se permitirem apaixonar-se e amar de verdade pela primeira vez.

    Janeiro 14, 2017
    postado por

    O ano de 2016 foi bem difícil para a política e o mundo em geral. E isso afetou milhares de pessoas, e também chegou até a mim. É impossível, na minha opinião, não se importar com tudo o que anda acontecendo. Uma das minhas maiores decepções no ano anterior foi quando eu soube da vitória do Donald Trump. Raiva e decepção não resumem o meu desgosto: foi uma sensação ainda pior. “Mas ele não tem nada a ver com o Brasil”, muita gente me disse. Mas é importante lembrar que as tendências mundiais influenciam diretamente o nosso país e o globo inteiro. E a vitória do Trump não irrita apenas norte-americanos, e sim todos aqueles que lutam contra a homofobia, o racismo, o sexismo e todos os tipos de preconceitos e repressão das minorias.

    2017 começou com diversos crimes de feminicídio. Não se surpreenda se você viu pouca ou nenhuma notícia no jornal. A mídia muitas vezes não fala sobre isso, por isso cabe a nós, que temos algo poderoso nas mãos – como a internet – continuar debatendo, comentando e lutando contra, mesmo que nossas atitudes não sejam iguais. Foi pensando nisso que eu quis falar novamente sobre feminismo aqui no blog e mostrar artes que inspiram e foram criadas com o intuito de divulgar esse movimento.

    Irritada, mas esperançosa. Ou tentando ser. (Ambivalently Yours)

    Irritada, mas esperançosa. Ou tentando ser. (Ambivalently Yours)

    Eu me visto para mim mesma (Tea Rose Wright)

    Todos os corpos são bons (Hana, Frizz Kid).

    Todos os corpos são bons (Hana, Frizz Kid).

    Garotas podem fazer tudo (We Heart It)

    Estupradores estupram pessoas, e não roupas (We Heart It)

    As cantadas são uma reflexão sobre eles, e não sobre você (Hana, Frizz Kid)

    As cantadas são uma reflexão sobre eles, e não sobre você (Hana, Frizz Kid)

    Não estou interessada, me deixe em paz (We Heart It)

    Carol Rosetti

    Carol Rosetti

    Chega de violência contra mulheres e garotas

    Carol Rosetti

    Carol Rosetti

    Mulheres são perfeitas (Womens March on Washington 2017)

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA