• tumblr_ov74bamQis1s2uvgco1_1280
    Filmes, Música

    Gaga: Five Foot Two

    ver post
  • large-2
    Textos

    Paralisada

    ver post
  • large
    Viagens, Videos

    Vlogs legais de viagens

    ver post
  • 18033802_1425737924156032_8579091541036371031_n
    Música

    Bandas que vale a pena ouvir

    ver post
  • July 6, 2017
    postado por
    imagem.aspx

    Título: Outros Jeitos de Usar A Boca (Milk & Honey)

    Autor (a): Rupi Kaur

    Editora: PLANETA

    Preço: R$17,94, R$19,90 e R$19,90

    Sinopse: Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume – publicado nos EUA como “milk and honey” – é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

    Rupi Kaur é uma poeta contemporânea nascida na Índia, que vive em Toronto, no Canadá. Ela tem 24 anos e começou a chamar a atenção do público na internet quando postava os seus poemas no Instagram. Sim, uma maneira diferente de mostrar arte, e que deu muito certo: em 2014, Rupi lançou “Milk & Honey”, que conquistou #1 lugar no “The New York Times” e abriu as portas para um novo jeito de fazer poesia. A artista (que também desenha), é feminista e grande parte dos seus poemas aborda os traumas, as dores e as histórias sobre ser mulher.

    O livro é dividido em quatro partes: “a dor”, “o amor”, “a ruputura” e a “cura”. Cada um deles trás poemas honestos e dolorosos sobre as vivências de Rupi e de muitas outras mulheres. É possível se identificar com cada um deles; os poemas são escritos com poucas pontuações e com versos bem livres.

    A dor

    O livro já começa de forma abrupta e dolorosa. Os primeiros versos nos contam experiências sobre repressão, abuso (tanto de maneira física quanto em relacionamentos tóxicos), e de ter a sua voz tirada de você desde o inicio.

    “O terapeuta coloca

    a boneca na sua frente

    ela é do tamanho das meninas

    que seus tios gostam de apalpar

    mostre onde ele colocou as mãos

    você mostra o lugar

    entre as pernas aquele

    que ele arrancou com os dedos

    igual a uma confissão

    como você está se sentindo

    você desfaz o nó

    da garganta

    com os dentes e diz bem

    um pouco dormente

    sessões nos dias da semana

    As palavras de Rupi tem o poder de tocar o leitor desde o inicio. Elas nos machucam, nos dão alívio e também nos fazem refletir. A autora consegue expor tudo o que ela sentiu: desde as sensações até as mágoas que ela guarda no corpo. Sabe aquele sentimento de sororidade? É exatamente isso que o livro nos provoca: vontade de nos unir, de dar as mãos e de encontrar apoio em outras mulheres (e também, dar esse apoio para elas).

    É nesta parte do livro que a autora também escreve bastante sobre as suas relações famíliares e o relacionamento complicado com o seu pai, que é pouco presente. Ela cita os momentos em que o ambiente familiar a reprime, e não a deixa realmente ser quem ela é, ou seja, ter voz.

    “Você me diz para ficar quieta porque

    minhas opiniões me deixam menos bonita

    mas não fui feita com um incêndio na barriga

    para que pudessem me apagar

    não fui feita com leveza na língua

    para que fosse fácil de engolir

    fui feita pesada

    metade lâmina metade seda

    difícil de esquecer e não tão fácil

    de entender”

    O amor

    A segunda parte do livro possui diversos poemas que falam sobre um relacionamento importante da vida da autora, que a desperta sentimentos conflituosos. Em alguns momentos eles são positivos e em outros, a fazem questionar tudo. Mas não é apenas sobre amar ao outro, e sim, amar a si mesmo e saber se respeitar. Porém, Rupi questiona constantemente o fato de nós, mulheres, sermos influenciadas pelos fatores externos a nunca gostarmos de nós mesmas.

    “tenho tanta dificuldade

    de entender

    como alguém

    pode derramar sua alma

    sangue e energia

    em alguém

    sem pedir

    nada em troca”

    tenho que esperar até ser mãe

    Ela também explora a sexualidade de forma aberta, ao mesmo tempo que utiliza metáforas (ou em outros momentos, poemas que vão direto ao ponto) para falar dos desejos e do prazer da mulher, um assunto essencial que muitas vezes, fica de fora das publicações literárias, como se as pessoas do sexo feminino só estivessem aqui para dar o prazer à alguém, e não obtê-lo para elas mesmas.

    “Só de pensar em você

    minhas pernas abrem espacate

    como um cavalete com uma tela

    implorando por arte”

    As ilustrações de Rupi também desempenham papel importante nos poemas, e suas ilustrações são responsáveis por dar vida à todas as palavras. Elas aparecem em praticamente todas as páginas.

    A Ruptura

    A penúltima parte do livro mergulha fundo em um sentimento de tristeza e término. Quando acabamos um capítulo da vida, quando enfrentamos uma desilução amorosa (alguém que mudou, de certa maneira, quem você era) e que deixou um buraco profundo e difícil de ser preenchido. É com maestria que Rupi Kaur reflete os sentimentos de amar e não ser correspondido, ou de ser amado e não poder corresponder da mesma maneira; e de ter que aprender a gostar de quem você é, antes de tudo.

    “eu sempre

    me enfio nessa confusão

    eu sempre deixo

    que ele diga que sou incrível

    e meio que acredito

    eu sempre pulo pensando que

    ele vai me segurar

    na queda

    irremediavelmente eu sou

    a amante

    a sonhadora e

    isso ainda acaba comigo”

    São poemas que refletem a insegurança, a dúvida, o questionamento sobre si mesmo. Algo que é presente em muitos de nós e também promove uma fácil identificação.

    “ele só susurra eu te amo 

    quando desliza a mão

    para abrir o botão da sua calça

    é aí que você tem

    que entender a diferença

    entre querer e precisar

    você pode querer esse menino

    mas você com toda a certeza

    não precisa dele”

    A cura

    O livro é finalizado com poemas que falam sobre reconstrução. Depois de toda a dor e a mágoa que a autora passa – e nos envolve também – desde o início da obra, é aqui que acompanhamos os seus passos em que ela se cura dos traumas e das experiências pelas quais passou. Rupi aborda também em diversos momentos o racismo que sofre, o machismo, e fala sobre o fato de encontrar a segurança em outras mulheres.

    “parece que é deselegante

    falar da minha menstruação em público

    porque a verdadeira biologia do meu corpo

    é real demais

    é legal vender o que

    uma mulher tem entre as pernas

    mas não é tão legal

    mencionar suas entranhas

    o uso recreativo deste

    corpo é considerado

    uma beleza mas

    sua natureza é

    considerada feia”

    170-acca00e7dd

    Os padrões de beleza são questionados, e todas as dores que as mulheres – como um coletivo – já tiveram que enfrentar durante a sua vida são detalhadas por meio dos seus poemas. O fato de sermos bombardeadas pela mídia com versões “perfeitas” de como deveríamos ser, ou o fato de sermos expostas como um objeto em diversos momentos. Fica claro, no poema acima, o quanto o nosso físico é importante: mas o nosso íntimo, aquilo que é real sobre o sexo feminino “deve” ser escondido e ignorado. Sim, mulheres mestruam. E sim, mulheres tem pelos. E ao contrário do que muitos pensam, nós não precisamos esconder isso.

    “quero pedir desculpa a todas as mulheres

    que descrevi como bonitas

    antes de dizer inteligentes ou corajosas

    fico triste por ter falado como se

    algo tão simples como aquilo que nasceu com você

    fosse seu maior orgulho quando seu

    espírito já despedaçou montanhas

    de agora em diante vou dizer coisas como

    você é forte ou você é incrível

    não porque eu não te ache bonita

    mas porque você é muito mais do que isso”

    O livro se tornou o meu favorito de 2017 (sem dúvidas), e é o tipo de leitura que eu indico para basicamente todo mundo que eu conheço. É importante valorizar o trabalho de Rupi Kaur, para que seja possível que as poetas contemporâneas ganhem mais espaço, e nós também ganhamos com isso, pois podemos ver realidades e dores de milhares de mulheres refletidas no papel.

    A obra já foi traduzida para várias línguas nos últimos dois anos. No momento, a autora finalizou o livro sucessor. Você pode acompanhá-la nas redes sociais, como o Instagram e o Twitter, em que ela é super ativa.

    1. Thami Sgalbiero Jul 07, 2017

      Ano passado eu comecei a ter mais contato com livros de poesias e poemas assim, por causa da parceria de uma editora que entrou em contato comigo e tal. O que mais gosto é que muitas descrevem o que estamos sentindo na hora. A ideia de dividir esse livro em dor, amor, ruputura e cura foi genial! Inclusive adorei esse poema da parte de “a cura” que você colocou aqui, porque concordo mesmo. Nosso física é importante e é o que chama atenção, mas nosso intimo não é tratado como beleza. Enfim, adorei a indicação desse livro que eu não conhecia, mas gostei agora de conhecer.

    2. Su Jul 07, 2017

      nossa, sempre ouço falar muito bem desse livro, tô curiosíssima!

    3. Luísa Jul 07, 2017

      Esse livro tá super bem cotado, né? Fiquei com bastante vontade de ler, apesar de não ser muito da poesia.

      Beijocas!
      http://www.lacotovie.com

    4. Nath Jul 10, 2017

      Vi muita gente falando desse livro, e ele parece ser maravilhoso. Esses poemas são tão crus. Adorei. É muito bom ver alguém falando sobre esses temas de forma tão aberta e abrupta. Chega ser desconfortável mesmo. Esse penúltimo é muito bom, nossa <3

      Beijos

    5. Camila Faria Jul 10, 2017

      Ela é maravilhosa! E o livro é lindo mesmo, dá vontade de comprar mil cópias e sair distribuindo por aí… <3

    6. Váh Jul 10, 2017

      Tá todo mundo falando e postando sobre esse livro né?
      Eu odeio ler, mas livro assim com poemas e de um jeito fácil eu adoro!!
      Adorei saber mai sobre o livro e a autora, aliás esse último texto do post foi meu preferido, que coisa linda :)

      https://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    7. Simone Benvindo Jul 11, 2017

      Amo poesia, amei sua resenha e estou louca para ler este livro, a última poesia fechou seu post com chave de ouro *.* que lindo <3
      Adorei os temas das poesias dela, com certeza tocam a alma.
      Charme-se

    8. Mari Jul 11, 2017

      Adorei esse título e, pela resenha, fiquei curiosa. Mais um livro pra minha listinha! <3

    9. KARINE Jul 14, 2017

      esse livro ? eu fiquei apaixonada por ele! li rápido demais e terminei com aquele sentimento de saudade, sabe? agora tô doida pra comprar a versão física em inglês (li a digital em português, haha). adorei o post! me deixou com vontade de postar sobre ele no blog também!

    10. Katarina Holanda Jul 24, 2017

      Eu amei o livro e ainda to digerindo. Queria poder dar de presente pra todas as pessoas <3

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA