• Foto: Paolo Raeli (coltre.tumblr.com)
    Reflexão, Textos

    Um adeus para 2017

    ver post
  • Dark-Netflix-11
    Séries

    Série: Dark

    ver post
  • 447788_m1495676403
    Filmes

    Filme: Extraordinário

    ver post
  • 24852431_1643305065692964_7543332303222915697_n
    Playlist

    Playlist: Dezembro

    ver post
  • November 24, 2017
    postado por

    26e14d287bd9c5f49b36990e398601d0O Instagram sempre foi uma das minhas redes sociais favoritas (depois do Twitter, que nunca perdeu o posto de primeiro lugar). Mas ultimamente, eu ando tendo uma relação de amor e ódio com esse aplicativo. Explico: no começo eu me divertia vendo inspiração de roupas, fotos de gatinhos ou qualquer coisa fofa e aleatória, e acompanhava o que os meus amigos estavam fazendo. Mas já faz alguns meses que eu (e outras milhares de pessoas) percebemos que a enxurrada de fotos perfeitas e milimetricamente “espontâneas” que rodeiam a rede social só nos trazem uma coisa: insegurança. Eu não me surpreendi ao saber que não era a única a ter esse sentimento. Em Maio, uma pesquisa que aponta o Instagram como uma das redes mais prejudiciais causou comoção na internet.

    É óbvio que uma baixa auto estima, sentimentos de ansiedade e a sensação de que os seus defeitos são enormes, não aparecem somente por causa de um aplicativo. Mesmo fazendo terapia há anos, eu ainda convivo com isso: o buraco é bem mais lá embaixo. Porém, as redes sociais influenciam sim, nisso tudo. Eu percebi que a diversão tinha virado vício quando eu passava mais de 30 minutos vendo feeds, admirando pessoas com as quais eu não me identifico, e desejando ser mais fotogênica, mais bonita, mais sociável, mais tudo. Esse tipo de comportamento é obsessivo e atinge várias pessoas. Eu tenho 19 anos e aprendi a lidar um pouco melhor com o bombardeamento de imagens e vídeos que te fazem acreditar que você precisa ser perfeito (e que todo mundo tem uma vida mais divertida), mas aos 15 anos, por exemplo, é quase impossível não ser atingido por tudo isso.

    Portanto, eu me lembro exatamente de quem eu era há alguns anos atrás. E de como eu costumava me espelhar em pessoas que nunca tinha conhecido, mas que pareciam incríveis pela internet. Na época em que vivemos, uma foto pode ter um impacto enorme em você; mesmo que tudo aquilo seja uma ilusão e uma farsa, nosso cérebro processa como se fosse uma verdade absoluta. Se você não escolher bem quem segue, o seu explorar te convence que todo mundo no planeta é branco, magro e de cabelo liso. E nós sabemos que isso está muito longe de ser verdade. Essa não é a realidade em que vivemos.

    A realidade, aliás, parece ser algo que perde a sua força nos tempos em que as mídias sociais são uma constante no nosso dia-dia. Eu não conheço os hábitos de todo mundo, mas quem nunca acordou e foi direto olhar as atualizações de algum aplicativo? Todos os dias, recebemos determinadas informações. E depois de algum tempo, já estamos convencidos de que elas são concretas. Essas práticas são perigosas, e o pior é que nem percebemos. É assim que se torna cada vez mais fácil se comparar com os outros. Achar que você nunca é o suficiente. Como mulher, sei que ainda é mais difícil para nós, não nos deixarmos afetar por tanta propaganda que nos dizem que o jeito que a gente é, não é o correto. Que podemos ser mais, que devemos querer ser mais. 

    Não é exagero dizer que esse é um comportamento tóxico. Eu tento, a cada dia, me desvencilhar um pouco dessa sensação de olhar para o que está na internet e sempre achar que o que o outro tem e possui, é melhor. Não é assim que funciona. Obviamente, na prática é bem mais complicado: eu exclui o app por um tempinho (durou 3 dias) e confesso que não senti tanta falta quanto achei que faria. Me senti até mais leve. Porque eu não ficava, o tempo todo, vendo um monte de imagens que fariam eu me sentir mal. “Mas é só você escolher o conteúdo que acessa”, alguém diria, de maneira óbvia. Mas nós sabemos muito bem que a internet não é baseada apenas nas nossas vontades. Quando você menos esperar, lá está uma foto que você nem queria ver. E os seus dedos clicam (nem parece que temos poder sobre eles).

    Não, eu ainda não estou totalmente desintoxicada. Acho que vai demorar para eu conseguir. Mas eu sigo tentando diminuir um pouquinho esse vício e essa ansiedade, que é praticamente uma sabotagem a mim mesma.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA