• 4484434
    Filmes

    Filme: Colette (2018)

    ver post
  • 22498960_2028529004044575_6241653563477036743_o
    Música

    Conheça a belga Angèle

    ver post
  • d7c4f8272df21bdae9d45345439cf090
    Música, Playlist

    Playlist: Dezembro

    ver post
  • photo-1527936599657-e6d24be0c95c
    Comportamento, Textos, Viagens

    Carta de amor para os nômades

    ver post
  • Janeiro 21, 2018
    postado por
    100_0053

    Título: O Diário de Anne Frank

    Autor (a): Annelies Marie Frank

    Editora: Princips

    Sinopse: ‘O Diário de Anne Frank’ é um retrato da menina por trás do mito. Um livro que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade de um dos fortes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que barbaridades dessa natureza voltem a acontecer neste mundo.

    Apesar de ser apaixonada por livros, eu nunca havia lido O Diário de Anne Frank, algo que eu considerava um horror para alguém que é viciado em leitura, rs! No final de 2017 minha mãe me presentou com uma edição do livro. Todo mundo basicamente já sabe do que se trata a história, mas admito que eu não estava preparada para sentir tantas emoções durante as páginas. Em 1942, Anne Frank – filha de Otto e Edith Frank -, ganhou um caderno de autógrafos no seu aniversário de 13 anos, que ela escolheu transformar em diário.

    As anotações começaram em 14 de Junho de 1942, quando já havia tido inicio na Holanda as leis rigorosas contra os judeus (lembrando que a segunda guerra mundial começa em 1939 e termina em 1945). Apesar de ter nascido em Frankfurt, na Alemanha, Anne se mudou com a família para Amsterdã em Agosto de 1933. No início do seu diário, as anotações e experiências relatadas pela menina ainda são leves (e algumas passagens até mesmo engraçadas). Afinal, Anne ainda estava no início da adolescência. Ela frequentava a escola e se orgulhava em querer ser uma das melhores da classe. Desde os seus primeiros relatos, ela também revela o seu amor pela escrita.

    “Por alguns dias não escrevi nada porque fiquei pensando na finalidade e no sentido de um diário. Sinto algo especial ao escrever o meu diário. Sei que mais tarde, nem eu nem ninguém achará algo interessante nos desabafos de uma garota de treze anos. No fundo tudo isso tanto faz. Gosto de escrever e quero aliviar o meu coração de todos os pesos.” 20 de Junho de 1942

    Um dos sonhos de Anne é se tornar jornalista. Por mais que ela não entenda a importância do seu diário, no primeiro ano em que começa a escrevê-lo, é possível notar a princípio o talento que ela possuia com as palavras. Anne é inteligente, articulada, e com pouca idade, promove reflexões fortes sobre a sua personalidade, a sociedade e o mundo, que se tornam ainda mais complexas a partir dos anos. A sensação que eu tive é de que eu queria ser amiga dela. Começamos a construir um laço e uma intimidade com Anne, já que conhecemos a sua rotina, os seus gostos, e os seus questionamentos.

    KODAK Digital Still Camera

    Em 6 de Julho de 1942 a família Frank se esconde no anexo. Anne, Otto, Edith e Margot (a irmã mais velha de Anne) se escondem no local junto com a família Van Daan (Peter, Auguste e Hermann). De início, todos se dão bem: mas é questão de tempo até a convivência se tornar mais difícil. Fica claro que Anne e os seus famíliares, assim como todos que viviam no anexo, achavam que a situação seria apenas temporária. Eles escolhem se esconder após diversos judeus da vizinhança serem presos ou desaparecerem. Todos os dias, uma nova família conhecida dos Frank era presa pela Gestapo (polícia nazista).

    Os relatos da menina vão ficando cada vez mais tensos e profundos. É perceptível o amadurecimento forçado de Anne no decorrer dos meses. Se você comparar os primeiros relatos do diário aos últimos, vai notar que ela se tornou uma pessoa muito diferente. As passagens relatam a angústia, o medo e a dor de se viver preso todos os dias. Alguns capítulos também relatam a ansiedade de ouvir as bombas caindo na cidade e muito próximas ao anexo.

    “Ontem à noite houve um curto-circuito. E ainda por cima o barulho infernal dos canhões de defesa. Não sou capaz de me habituar às bombas e aos aviões. Tenho medo e quase sempre fujo para a cama dos meus pais. Vai achar que sou criança, mas só queria que assistisse! Não ouvimos as nossas próprias palavras, tanto é o barulho dos canhões.” 10 de Março de 1943

    As relações familiares também encontram dificuldades e conflitos. Anne é muito próxima do seu pai, Otto, mas tem brigas constantes com a sua mãe. No seu diário, ela escreve que a família não a leva muito a sério, por ser mais nova, assim como os outros integrantes do anexo. Anne é independente, e acredita que o seu pai e mãe deveriam compreendê-la mais. São questões que a maioria dos adolescentes enfrentam, mas que ganham mais força em Anne por ela estar numa situação extrema.

    100_0058

    Também acompanhamos o primeiro amor de Anne, que foi Peter Van Daan, o filho do casal que dividia o anexo com os Frank. Mais velho que Anne, ela e Peter não encontram afinidades no primeiro ano do anexo. É no último que eles realmente se tornam amigos, quando Anne está prestes a completar quinze anos. Os dois trocam confidências, e se tornam bons amigos, o que rapidamente se desenvolve para uma paixão. A menina enconta em Peter alguém com o qual ela pode trocar segredos, experências e pensamentos, apesar de dizer algumas vezes que o acha muito fechado.

    “As coisas continuam difíceis. Sabe o que quero dizer? É que eu queria ser beijada, queria esse beijo que tanto esperamos. Será que o Peter vê em mim alguém mais do que uma boa pessoa? Não significo outra coisa para ele? Você sabe que sou forte, que sei suportar sozinha o meu fardo e que não estou acostumada a pedir ajuda.” Primeiro de Abril de 1944

    O esconderijo foi descoberto em 4 de Agosto de 1944. É triste ler os últimos relatos de Anne, pois ela encontra esperanças com a intervenção da Inglaterra na guerra e a perda da Alemanha de alguns territórios. É uma experiência dolorosa saber o que vai acontecer com Anne Frank, e imaginar a jornalista incrível que ela poderia ter sido futuramente: esse era o seu sonho. Escrever e publicar livros. Eu refleti um tempo sobre quantos futuros a guerra leva. Crianças e adolescentes que poderiam ter sido muito mais do que foram, e que ainda tinham coisas enormes para viver. Isso me levou à pensar em quantas meninas e meninos a Guerra da Síria levou, por exemplo. Quantos futuros brilhantes foram roubados?

    “Sinto-me tão livre, tão jovem! Quando me dei conta disto pela primeira vez fiquei contente, pois não suponha que os golpes que ninguém está livre de sofrer, me pudessem esmagar rapidamente. Mas sobre este assunto já falei muitas vezes.” 8 de Julho de 1944

    Esta é uma leitura que eu indico, de verdade, para todo mundo. Crianças, jovens, adultos: todo mundo pode usufruir dos relatos da Anne e levar algum aprendizado consigo mesmo, seja sobre o passado, ou sobre quem você quer ser no futuro.

    1. Claudia Hi Jan 22, 2018

      Eu nunca li, mas só ouvi comentários positivos desse livro/diário. Realmente tem livros que dá pra tirar lições independente da idade.

      Ah e adorei as fotos que você tirou com o livro. Deu mais carinha de diário! hehe

    2. Thami Sgalbiero Jan 23, 2018

      Minha irmã comprou o livro na bienal do ano passado, eu to louca pra ela ler pra eu poder ler, porque sou muito curiosa pela história, o que eu sei é só o superficial meeesmo. Infelizmente e felizmente a história dela veio a tona para que todos pudessem conhecê-la, e mesmo ela não estando mais viva, continua sendo falada e é isso que importa agora. Esse diário dela deu muito o que falar e ainda dá o que falar, já é algo cultural para quem gosta de história (matéria de escola mesmo, haha!).

      PS.: Obrigada pelo link pra assistir The Bold Type, me salvou!

    3. Bruna Morgan Jan 26, 2018

      Eu ganhei esse livro num sorteio ano passado, ainda estou na metade dele, pois são muitos acontecimentos que me deixam bem triste. O diário dela é maravilhoso, estou com medo de acabar a leitura e ficar mais triste ainda!

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA