• b8add7a736b3b794eb3642ac068d19d6
    Playlist

    Playlist: Maio

    ver post
  • wooden-731263_960_720
    Comportamento, Textos

    Uma carta sobre sensibilidade

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: Simon vs A Agenda Homo Sapiens

    ver post
  • 2049e49be7b9a2756bf9d5d537046bb9
    Textos

    Repetição

    ver post
  • Fevereiro 19, 2018
    postado por

    O horário de verão oficialmente acabou, mas na maioria das cidades as temperaturas quentes estão longe de terminar (tirando SP, que pelo que eu vejo a galera postando na internet, anda meio friozinho, certo?). Aqui no Sul os 30 graus continua firme e forte, e é preciso inspiração pra sair de casa e se arrumar (eu tenho mais preguiça nos dias quentes do que nos frios!). Já que agora as atividades e os compromissos estão voltando de vez, pós Carnaval, selecionei alguns looks pra te inspirar.

    Design sem nome-2 Design sem nome-3 Design sem nome-4 Design sem nome
    Fevereiro 13, 2018
    postado por
    Big-Little-Lies-Poster-1

    Big Little Lies completa no dia 19 deste mês um ano da exibição do seu primeiro episódio na HBO, emissora conhecida por apostar em séries polêmicas (Game of Thrones, True Blood) e que não possuem cautela nas cenas explícitas, por exemplo. Quando esta série protagonizada por Nicole Kidman, Reese Whiterspoon e Shailene Woodley entrou para o catálogo, algumas pessoas torceram o nariz, achando que ela seria um guilty pleasure (termo que na tradução significa “prazer culposo”, e normalmente é usado para taxar séries protagonizadas por mulheres, como produções bobas). Mas Big Little Lies apresenta, tanto na sua adaptação televisiva quanto no seu script original – derivado do livro escrito pela australiana Liane Moriarty – um seriado que traz mulheres como protagonistas da própria história, esta que muitas vezes, está longe de ser fácil.

    Madeline é forte e passional. Separada, precisa lidar com o fato de que o ex e a nova mulher, além de terem matriculado a filhinha no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline, parecem estar conquistando sua filha mais velha. Celeste é dona de uma beleza estonteante. Com os filhos gêmeos entrando para a escola, ela e o marido bem-sucedido têm tudo para reinar entre os pais. Mas a realeza cobra seu preço, e ela não sabe se continua disposta a pagá-lo. Por fim, Jane, uma mãe solteira nova na cidade que guarda para si certas reservas com relação ao filho. Madeline e Celeste decidem fazer dela sua protegida, mas não têm ideia de como isso afetará a vida de todos. Reunindo na mesma cena ex-maridos e segundas esposas, mães e filhas, bullying e escândalos domésticos, o romance de Liane Moriarty explora com habilidade os perigos das meias verdades que todos contamos o tempo inteiro.

    Eu comecei a ler o livro nas férias antes de iniciar a série, mas a expectativa foi tanta que eu me revezei entre os capítulos e os episódios (o que fez eu me adentrar na história de maneira intensa). São mais de 400 páginas que narram a rotina e a vida pessoal de Madeline, Celeste e Jane, que possuem apenas uma coisa em comum: os seus filhos pequenos estudam na mesma escola, em uma cidade litorânea na Austrália. Fora isso, elas são muito diferentes, mas encontram entre si fatores em comum que fazem crescer uma amizade entre as três. Madeline e Celeste são amigas há um bom tempo, mas a chegada de Jane na cidade – que é mais nova que as duas e mãe solo -, transforma a dupla em trio.

    Há algumas diferenças leves entre o livro e a série, e elas atrapalham em pouco a trama. A maioria dos diálogos são exatamente iguais no seriado produzido por Reese Whiterspoon. O maior trunfo de Big Little Lies é narrar, de maneira honesta, a vida dessas três mulheres, e de outras personagens presentes no livro. Apesar de Madeline e Celeste viverem uma vida aparentemente “perfeita”, descobrimos que a perfeição está longe de ser uma característica da rotina delas. Elas podem ter uma casa maravilhosa, serem casadas com homem bem sucedidos e possuírem uma vida financeira estabilizada, mas suas vidas íntimas possuem traumas, dores e muitos conflitos. Jane é a única das três que é vista na cidade como alguém que não possui uma vida ideal, por ser mãe solteira e ter o filho apontado na escola como o causador de bullying contra uma colega.

    17-big-little-lies.w710.h473

    O enredo possui como pano de fundo um assassinato, que ocorre durante um evento escolar organizado apenas para os pais da comunidade que possuem filhos na escola. Os capítulos e as cenas do seriado são mesclados com depoimentos de outras pessoas que também estavam na festa. Apesar de mover a trama, o grande foco são as relações entre os personagens e a vida das protagonistas, e como cada uma delas enfrenta suas próprias batalhas. Celeste (Nicole Kidman) é alvo de violência doméstica em um casamento que é visto pelos outros como exemplar. Porém, ninguém sabe de verdade o que se passa na vida dela, que sofre com o marido abusivo Perry (Alexander Skarsgård). As cenas de violência são tensas e cruas, levando à tona a discussão sobre violência doméstica e como ela pode acontecer, sim, com qualquer pessoa, não importa o status social.

    Jane (Shailene Woodley) não chegou perto dos 30 anos e encontra uma chance de recomeçar de novo naquela cidade. Como esperado, nem tudo ocorre como ela planejou. O seu filho Ziggy enfrenta diversos problemas na escola, ao ser acusado de praticar bullying, fazendo Jane questionar o comportamento do próprio filho. Em paralelo, descobrimos que muitas das suas aflições e traumas foram causados por uma experiência que gerou a criança: Jane foi vítima de estupro.

    Madeline (Reese Whiterspoon) tem uma rotina que inclui cuidar dos filhos, administrar a peça de teatro da cidade, manter o casamento com Ed (Adam Scott), e sobreviver à sua relação conturbada com a filha mais velha, Abigail (Kathryn Newton), que para revolta de Madeline, está passando muito tempo com o pai que sumiu quando ela era ainda bebê, e a madrasta Bonnie (Zoë Kravitz).

    ac1e74289c79fcc8da9d31a49eb8f3c7e6a96925470bf820b5d1bb089acd12a17782ab4a46f46cb5e76c48b125a10019-h_2016

    É difícil elencar todos os temas abordados pelo seriado e pelo livro, mas eles tem o traço em comum de serem conflitos que estão presentes na jornada de todas as mulheres que aparecem na série – e não só as principais -, seja o papel da maternidade (que é muito questionado durante os episódios; algumas mulheres são julgadas por não possuírem uma carreira para cuidar dos filhos, e outras, por terem!), abuso sexual, traumas e sororidade, e amizade feminina.

    Cada um deles é desenvolvido com maestria e ganha espaço em tela, nos fazendo questionar e refletir após terminar os episódios. Big Little Lies mostra o quanto a união entre mulheres pode ser poderosa e literalmente, salvar vidas. Por mais que algumas personagens tenham conflitos entre si em muitos momentos, a série não transforma isso em uma típica representação machista que mulheres não podem ser amigas de outras mulheres; pelo contrário, ela justifica o quanto essas mesmas pessoas que brigaram anteriormente, podem se unir quando necessário.

    Essa história é importante e vai mexer com você, eu garanto. Seja no papel ou na televisão, não deixe de dar uma chance.

    Fevereiro 6, 2018
    postado por

    Moda sempre foi, e provavelmente será, uma das minhas coisas favoritas no mundo. Todo ano eu tento descobrir peças e visuais que me façam me sentir mais eu: seja me descobrindo melhor ou expressando o meu estado de espírito por meio das roupas (o que eu gosto muito de fazer). A inspiração vem de todo lugar: pinterest, personagens de TV, blogs, e garotas que tenham estilos que eu admiro.

    Design sem nome

    Vic Hollo é uma das minhas maiores inspirações fashion. Já faz alguns anos que eu acompanho-a na internet, e durante os anos o estilo dela só ficou ainda mais legal. O mais interessante da Vic é que ela mistura peças básicas com algumas chave, como a  jaqueta de couro e um cinto que marque a cintura (como na primeira foto). Nos pés, ela sempre aparece com plataformas e botinhas. A cor mais presente no seu visual é o preto, mas isso não significa que ela não inove, com looks total white.

    A moda sempre esteve presente em sua vida. Victoria é estilista da C&A na linha infantil, e no seu canal de Youtube fez um vídeo bem interessante sobre o seu trabalho como estilista. 


    1

    Hannah Louise é britânica e mora em Londres. Blogueira há alguns anos, o seu estilo vai do roqueiro ao mais delicado rapidamente. Mesmo que as peças que ela use sejam bem femininas (como vestido e saias), ela sempre adiciona um acessório ou peça que dão um ar mais gótico (como o sapato oxford, as saias pretas e o famoso Dr Martens). No blog dela é possível conferir bastante sobre o seu estilo pessoal. Nos looks invernais, ela usa muito o faux fur coat. Já que no Brasil é mais difícil nós encararmos temperaturas frias, vale se inspirar nas roupas de verão dela (também!).


    Design sem nome-2

    Sophia Rosemary começou a postar os seus looks no Instagram, e o sucesso foi tanto que ela criou o seu próprio site, para compartilhar mais sobre o seu amor por brechós, roupas vintage e moda. Vivendo em Manchester, ela possui um estilo que aposta em cores vibrantes, vestidos floridos e muitos sapatos delicados (nos seus looks de calor). Já no inverno, ela é fã de suéteres com estampas coloridas, pant court e botas fechadas. Ah, eu já reparei também que ela é fiel aos jeans da Levi’s, que marcam presença nas suas fotos.


    Fevereiro 2, 2018
    postado por
    1f4767cd5d947c9330e33672e6d3b557

    Esse é o primeiro carnaval que eu vou comemorar oficialmente. Sim, acreditem! Eu nunca fui uma fã número um de Carnaval, mas esse ano vai rolar um bloco aqui na minha cidade que me interessou bastante, então vou finalmente curtir um pouco desse feriado que 90% dos brasileiros tanto amam. E pra entrar no clima, a playlist de Fevereiro vai ser mais animada. Hoje (02/02), saiu o novo clipe da Pabllo Vittar em parceria com o Diplo (eu acho que ele se apaixonou pelo Brasil de vez). O clipe ficou muito bonito, e foi gravado em Araçatiba, no Rio de Janeiro.

    Janeiro 31, 2018
    postado por

    100_0097

    Título: Sempre Teremos O Verão

    Autor (a): Jenny Han

    Sinopse: Belly sempre esteve dividida entre os Fisher. Mas isso parecia ter ficado no passado. Assim como os incríveis dias de verão na casa de praia em Cousins Beach. Conrad, seu primeiro amor, se tornou apenas uma recordação. Agora, era Jeremiah quem ela amava, era com ele que Belly imaginava o futuro.
    Eles resolvem se casar e passar o resto da vida juntos, mesmo que para isso precisem enfrentar as famílias, que desde o início são contra essa decisão. Mas quando Belly retorna à casa de praia e reencontra Conrad, antigos sentimentos vêm à tona. Com o dia do casamento se aproximando, as incertezas só aumentam. Seria possível voltar atrás? Ou melhor, seria o certo a fazer? Mais uma vez ela está na casa de praia, dividida entre os dois únicos meninos que já amou.
    Neste último volume da série O verão que mudou minha vida, Belly está mais madura e se vê diante de uma importante decisão que mudará sua vida e a dos Fisher para sempre.

    Preço Sugerido: R$27,90

    Sempre Teremos O Verão é o terceiro e último livro da série criada por Jenny Han, e a responsável por tê-la deixado conhecida pelo grande público que lê YA (Young Adult). Eu resenhei o primeiro livro aqui no blog em 2017, “The Summer I Turned Pretty”. O enredo trata sobre a protagonista Belly, que viveu grande parte dos seus verões em uma casa em Cousins, com os filhos da melhor amiga de sua mãe. Sendo assim, as duas famílias se uniram e mantiveram-se próximas durante muito tempo. Belly cresceu com os irmãos Jeremiah e Conrad. O primeiro se tornou o seu melhor amigo desde a infância, e o segundo, o seu primeiro amor.

    Nos dois primeiros livros, acompanhamos o crescimento da personagem, quando ela tem apenas quinze anos, até os seus dezoito (e posteriormente, chegando à vida adulta). É nessa passagem que Belly, Jeremiah e Conrad estão amadurecendo. Eles não são mais crianças, mas também ainda não são adultos, e muito menos seguros de todas as suas decisões e comportamentos. O triângulo amoroso não aparece de maneira forçada; Jenny Han consegue fazer com que o sentimento entre os personagens aconteça de forma gradual, mesmo ele sempre estando lá. Histórias de romance, aliás, são o trunfo dessa autora.

    100_0096

    Eu li o primeiro e o terceiro livro em inglês (quando viajei para a Georgia, decidi comprar as edições em inglês mesmo, já que aqui no Brasil a coleção só vende pela internet). We’ll Always Have Summer ganhou uma capa diferente (que eu adorei, aliás!). Os outros dois livros da série também tiveram suas capas alteradas nos Estados Unidos.

    Neste último volume, um tempo longo se passou desde o último verão em Cousins. Belly está terminando o seu primeiro ano na faculdade, e encontra-se completando dois anos de namoro com Jeremiah. O seu relacionamento com Conrad, que aconteceu durante um Natal no passado, encontrou o seu fim após seis meses, no seu baile de formatura do ensino médio. É nessa nova fase da universidade que Belly conhece novos amigos, passa por outras experiências e solidifica seu relacionamento com Jeremiah. Ela tem certeza absoluta que ele é o cara certo para ela, mesmo que o seu primeiro amor tenha sido Conrad.

    O seu namoro ocorria bem, até que Belly descobre que Jeremiah ficou com outra garota da faculdade durante o curto tempo em que eles estiveram separados. A situação é o bastante para causar uma frustração enorme na garota, e o término do namoro dos dois. Mestre em trazer plot twists durante o enredo, Jenny Han nos surpreende quando Jeremiah pede Belly em casamento (!). A personagem acaba aceitando, porque acredita que ela e o namorado vão enfrentar toda essa situação juntos.

    100_0099

    Quando eu li a sinopse do livro e descobri que tinha um casamento envolvido, fiquei surpresa. Afinal, os personagens dão muitas provas ao longo da história de não serem maduros o suficiente para um compromisso desses. O tópico do casamento é o principal do último livro, e tudo gira ao redor da data e da cerimônia. Mas é óbvio que os pais de BellyJeremiah não aceitam a situação com facilidade. Nem Belly tem certeza se é isso mesmo que ela quer fazer. Apesar de achar que os seus sentimentos por Conrad estão enterrados e mortos, nós sabemos muito bem que apenas a presença do personagem seria suficiente para uma reviravolta.

    Um dos pontos legais é que, igual ao segundo livro, também temos vários capítulos na visão de Conrad, o que nos ajuda a compreender melhor o personagem, que desde o primeiro livro carrega uma aura de mistério consigo mesmo. É difícil entendê-lo, mas descobrimos que ele é mais simples do que parece, quando Jenny Han dá voz ao personagem para expor os seus sentimentos, ao invés de o enxergamos apenas pela visão de Belly.

    Apesar do último livro ter um desenvolvimento mais lento – ele não é tão focado em ações, e sim pensamentos e diàlogos -, alguns capítulos são de tirar o fôlego. A única coisa que eu gostaria de ter visto era um desenvolvimento melhor do relacionamento de Conrad e Belly. Apesar de sabermos que eles são o casal principal nessa história – o famoso meant to be -, ainda sinto que uma tensão muito grande foi construída ao redor dos personagens, praticamente um amor platônico, sem que os leitores pudessem mesmo saber como seria a rotina e o convívio deles sendo um casal de verdade, após tantos conflitos para ficarem juntos.

    Porém, o final me satisfez bastante. Eu acredito que foi uma conclusão que fez justiça a história, apesar de que poderia ter sido desenvolvido um pouquinho melhor.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA