• Foto: Paolo Raeli (coltre.tumblr.com)
    Reflexão, Textos

    Um adeus para 2017

    ver post
  • Dark-Netflix-11
    Séries

    Série: Dark

    ver post
  • 447788_m1495676403
    Filmes

    Filme: Extraordinário

    ver post
  • 24852431_1643305065692964_7543332303222915697_n
    Playlist

    Playlist: Dezembro

    ver post
  • May 30, 2017
    postado por
    01_large

    A autora que eu quero apresentar para vocês essa semana é a Jennifer Niven. Norte-americana nascida em Charlotte, na Carolina do Norte, ela despontou de vez no mundo do gênero Young Adult em 2015, quando lançou “All The Bright Places” (Por Lugares Incríveis), o seu livro mais reconhecido até então, que ganhou diversos prêmios. A autora, além de ser muito talentosa, tem uma preferência por abordar temas difíceis. Jennifer escreve livros para jovens, mas eles não são romantizados. Os temas abordados passam entre depressão, suícidio, transtorno bipolar, gordofobia e prosopagnosia. Eles são retratados a partir dos seus personagens, que são na maioria das vezes adolescentes.

    Os protagonistas de Jennifer são complexos e bem trabalhados durante toda a leitura, e acima de tudo, são humanos. Uma das características dela é de realmente tocar o leitor: ela consegue te sensibilizar durante toda a leitura, nos fazendo refletir sobre tudo o que os personagens passam e nós realmente nos apegamos a eles, desenvolvendo a nossa empatia. Além de entender a importância de falar sobre os transtornos mentais, Jennifer já enfrentou muitos deles durante a sua vida. Alguns personagens tem inspiração em pessoas que ela conheceu na vida real, e isso fica claro na parte dos agradecimentos no final de cada livro.

    tumblr_oc4gdpfVm21vacvtpo1_1280

    O meu livro favorito (olha, é complicado escolher, mas esse está em primeiro lugar) se tornou Por Lugares Incríveis. Violet Theodore Finch são dois jovens muito diferentes. Porém, eles tem em comum o fato de estarem passando por um momento bem difícil em suas vidas. Eles se conhecem quando estão quase desistindo da própria vida, mas encontram um no outro uma maneira de continuar. No inicio, eles não se dão muito bem. Afinal, ambos tem poucas coisas em comum. Mas um trabalho da escola os une e eles descobrem diversos lugares novos juntos; e vão aprendendo a lidar mais com a vida. Finch ajuda Violet, que ainda não havia conseguido superar a morte da irmã.

    O livro aborda muito os transtornos psicológicos de Finch, que não tem consciência total sobre eles. Ele sofre de ansiedade, depressão e possívelmente transtorno bipolar. Mas ele não tem o apoio da família e possui poucos amigos na escola. Violet é a pessoa que tenta entendê-lo. Jennifer consegue trabalhar bem o personagem, apesar dele ter uma grande complexidade. Nós terminamos o livro sentindo que queríamos ter feito algo por ele, e a autora consegue nos ensinar a lição do quanto nós devemos prestar a atenção nas pessoas, mesmo que um ser humano, sozinho, não consiga salvar o outro.

    https://thatldiotfranklin.tumblr.com

    https://thatldiotfranklin.tumblr.com

    “Juntando os Pedaços”, lançado em 2016, se tornou best seller do The New York Times e abordou um tema até então desconhecido do grande público: a prosopagnosia, uma doença rara que faz com que o cérebro não seja capaz de identificar rostos. Jack vive grande parte da sua vida baseado na mentira em que ele não reconhece ninguém, até mesmo a namorada, os familiares e os seus melhores amigos. Ele passa pelo ensino médio tentando não se destacar demais – ao mesmo tempo que tem um círculo grande de amigos -, porque o seu maior medo é que descubram a sua doença.

    Libby ganhou as manchetes dos jornais por ter que ser resgatada da sua casa após atingir um peso em que não conseguia fazer mais nada sozinha, e vivia em casa apenas com a companhia do pai. Depois de anos tentando se recuperar ela tenta voltar à escola, algo difícil, pois ela tem um medo constante do bullying e das críticas sobre o seu peso. A gordofobia que ela sofre no dia-dia e principalmente no ambiente escolar são intensos. O livro aborda muito esse assunto, que está extremamente presente na nossa sociedade, principalmente em locais ambientados pelos jovens.

    qBl64qUXLaEGqpDesMF3f3yFQHrbfiSYaUt_oQmfn2O18dDHpsfUy7Pw_CYxl01ys6kzAuB_95L4huBPj4hxrQ==

    “Por Lugares Incríveis” vai virar filme e a Violet será interpretada por ninguém menos que Elle Fanning. Eu amei a decisão e acho que ela pode ficar ótima no papel, já que a Elle atua muito bem. O roteiro do filme está sendo escrito pela própria Jennifer, e a direção ficará por conta do porto-riquenho Miguel Arteta. Porém, o Finch ainda não foi escolhido, e a autora está em busca do ator ideal para o papel. Toda semana, ela posta no Instagram uma lista de possíveis atores, e pede a opinião dos fãs. Estão presentes na lista o Freddie Highmore, Cole Sprouse, Asa Butterfield, Miles Heizer, e outros.

    Na minha opinião, o Freddie e o Asa se parecem muito fisicamente com o Finch e eu acho que os dois são ótimos atores (o Freddie simplesmente arrasa em Bates Motel). E vocês, o que acham?

    April 27, 2017
    postado por
    9185_33419149_hr

    Faz um tempão que eu não atualizo essa tag, mas hoje eu vim falar sobre uma das minhas autoras favoritas: Jenny Han. Uma das autoras mais reconhecidas do gênero Young Adult. Ela nasceu em Richmond, na Virgínia. Jenny cursou a faculdade na Carolina do Norte e atualmente vive no Brooklyn, em Nova Iorque. Ela escreveu o seu primeiro livro enquanto ainda estava no college, intitulado de “Shug”.

    O primeiro sucesso da autora surgiu mesmo em 2009, quando ela lançou o primeiro livro – de três – que nos conta a história da protagonista Belly, de apenas 15 anos, que sempre passa os seus verões no mesmo lugar: uma casa em Cousins, que divide com a mãe, a melhor amiga dela, e os seus dois filhos: Conrad e Jeremiah. O primeiro sempre foi a paixão secreta dela, e o segundo, o seu melhor amigo. “The Summer I Turned Pretty” nos mostra bem o tom que a autora gosta de seguir: histórias de romance, com protagonistas mais inocentes (que vão se desenvolvendo e amadurecendo ao longo do livro) e personagens que tem como função prender a atenção do leitor, nos fazendo também ser conquistados por eles. “It’s Not Summer Without You” e “We’ll Always Have Summer” entraram na lista dos mais vendidos do The New York Times.

    51zhJt8nSBL

    Mas não só de sucessos próprios que Jenny construiu sua carreira: ela se uniu com a também autora e sua melhor amiga, Siobhan Vivian, e as duas criaram a trilogia “Burn for Burn”, que possui mais dois livros. Me arrisco dizer que é com essas três obras que Jenny foge mais da sua escrita habitual: o tema dos livros é a vingança de três garotas que se unem por um ideal, mas que possuem motivos diferentes. Lilia, Mary e Kat não tem muitas coisas em comum, mas acabam se aproximando. Aqui, vale a máxima de “os fins justificam os meios”. O enredo mistura elementos de suspense que nos causam curiosidade, e tem espaço até para algumas situações sobrenaturais. Ou seja, se você não é muito do romance, essa é uma boa pedida para conhecer os livros da autora.

    C9OmIVhXgAA7U4n

    Mas eu tenho que ser sincera: foi com essa série de livros que eu me apaixonei de verdade pela autora. É difícil não se deixar levar totalmente pela Lara Jean, a protagonista de “Para Todos Os Garotos Que Já Amei” e “P.S: Eu Ainda Te Amo”. O livro é rechado de momentos sensíveis, algumas brigas famíliares, e o jeito de Lara ver o mundo, que confesso, é bem diferente do meu, mas conseguiu me encantar. O primeiro livro nos apresenta ao relacionamento de Lara com Peter, o seu primeiro (e inesperado) namorado. Já o segundo mostra o desenrolar dessa história e de como qualquer experiência nunca é tão simples como a gente imagina – muito menos para a protagonista, que sempre romantizou tudo -. O segundo terminou com uma sensação enorme de final sem término de verdade, e ano passado a autora revelou que estava escrevendo o terceiro (e último) livro.

    Eu confesso que amei a notícia, pois eu senti que a personagem ainda precisava de um final definitivo, que algumas coisas ainda tinham que ser resolvidas, sabe? “Always and Forever, Lara Jean” vai ser lançado em 5 de Maio, e aqui no Brasil, em 12 de Junho.

    CAPA_AgoraEParaSempreLaraJean_MAIN
    Na aguardada conclusão da série Para todos os garotos que já amei, Lara Jean vai ter que tomar as decisões mais difíceis de sua vida. Em Para todos os garotos que já amei, as cartas mais secretas de Lara Jean — aquelas em que se declara às suas paixonites platônicas para conseguir superá-las — foram enviadas aos destinatários sem explicação, e em P.S.: Ainda amo você Lara Jean descobriu os altos e baixos de estar em um relacionamento que não é de faz de conta. Na surpreendente e emocionante conclusão da série, o último ano de Lara Jean no colégio não podia estar melhor: ela está apaixonadíssima pelo namorado, Peter; seu pai vai se casar em breve com a vizinha, a sra. Rothschild; e sua irmã mais velha, Margot, vai passar o verão em casa. Mas, por mais que esteja se divertindo muito — organizando o casamento do pai e fazendo planos para os passeios de turma e para o baile de formatura —, Lara Jean não pode ignorar as grandes decisões que precisa tomar, e a principal delas envolve a universidade na qual vai estudar. A menina viu Margot passar pelos mesmos questionamentos, e agora é ela quem precisa decidir se vai deixar sua família — e, quem sabe, o amor de sua vida — para trás. Quando o coração e a razão apontam para direções diferentes, qual deles se deve ouvir?
    Eu estou super na expectativa para ler o livro. A série é uma das que eu mais gostei de acompanhar, e foi depois dela que eu procurei por mais livros da Jenny. Vocês também gostam da autora? Qual é o seu livro favorito dela?
    October 17, 2015
    postado por
    rainbow-rowell_612x380_0

    Eu queria voltar com a tag aqui no blog que fala um pouco sobre os meus autores favoritos (e provavelmente, os de vocês também!), e não havia jeito melhor do que fazê-lo com uma das minhas favoritas atualmente, a Rainbow Rowell. Ela é uma norte-americana de 42 anos que mora em Omaha, no estado de Nebraska (quem já leu Ligações, sabe que a cidade ganha um destaque grande na obra!). Ela publicou o seu primeiro livro, Anexos, em 2011. Em 2013, vieram os seus dois principais sucessos: Eleanor & Park, que a fez despontar de vez no mundo literário no gênero YA (Young Adult), e Fangirl. O seu último lançamento foi o Ligações, em 2014.

    Rainbow1

    Esses são os meus dois livros favoritos da autora, e também estão na lista dos melhores que eu já li em 2014. Nessas duas obras ela mostra como é difícil não se apaixonar completamente pelos personagens, e os enredos.

    Fangirl traz como protagonista Cath, uma garota que está entrando na faculdade e tem uma irmã gêmea, a Wren. As duas sempre foram próximas, mas desta vez Wren decide que elas precisam conhecer novas pessoas, viver experiências, e que essa nova fase é o momento perfeito para isso, por isso decide que elas não irão ficar no mesmo dormitório na faculdade. Porém, Cath nunca foi muito boa em fazer amigos, e sempre se manteve ocupada escrevendo a sua fanfic de sucesso, sobre o bruxo Simon Snow (sim, rola uma inspiração em Harry Potter aí!). A autora aborda bastante sobre como é ser uma fangirl, e é legal poder se identificar com a personagem, que ama escrever. E é claro, acontece um romance muito cativante no livro.

    Eleanor & Park é um livro dramático que explora de maneira perfeita os seus personagens. Eleanor é uma garota que não se encaixa em nenhum lugar; ela mora com a mãe, os irmãos e um padrasto que odeia. A sua família não possui nenhuma estabilidade emocional, o que a faz ter crescido sem realmente saber o que era ter um local seguro para ficar. Ela também sofre bullying na escola, e tenta sempre passar despercebida. Já Park também não possui um grande número de amigos, mas ele consegue ficar fora da “zona de perigo” no ensino médio. Eles se conhecem, e mesmo possuindo vidas diferentes, se tornam amigos. O livro se passa nos anos 80, e é recheado de referências musicais e cultura pop. A história se desenrola mais devagar, o que te faz ir se viciando aos poucos. É leitura indicada para todo mundo, e prepare os lencinhos, porque é emocionante.

    O sucesso foi tão grande, que a DreamWorks comprou os direitos autoriais para transformá-lo em filme. Porém, o projeto ainda caminha em passos lentos: a produção está escolhendo o diretor e o futuro elenco. A autora revelou em Abril que já escreveu o primeiro rascunho do roteiro.

    rainbow2

    A autora possui dois livros que trazem um lado diferente da sua escrita. Anexos e Ligações trazem protagonistas adultos, e os problemas abordados aqui são diferentes. Se você ler Fangirl ou Eleanor & Park e logo depois um dos dois, vai ver o quanto eles são bem distintos.

    Anexos, o seu livro de estréia, é o único da autora (até agora) que traz um personagem masculino como protagonista. Lincoln O’Neill tem 29 anos, ainda mora com a sua mãe e guarda mágoas de um relacionamento do passado, que ele viveu na época da faculdade. Após um tempo, Lincoln consegue um novo trabalho. O turno dele é de madrugada, e ele foi contratado por uma empresa para monitorar o e-mail dos funcionários, que se distraiam das suas tarefas e tinham conversas “inapropriadas” no horário do expediente. Ele acaba lendo, por acaso, a conversa de duas melhores amigas que trabalham lá: Beth e Jennifer. E de repente, ele vai se envolvendo com a vida delas, de um jeito virtual, e criando um vínculo, principalmente com Beth. Os dois nunca se aproximaram na vida real, mas ele começa a criar sentimentos por ela. O desenrolar da história é bem interessante.

    Ligações foi o último que eu li, há pouco tempo atrás. A protagonista é a engraçada George McCool, uma roteirista que escreve junto com o seu melhor amigo, um programa de comédia de sucesso na televisão. Porém, o sonho dos dois era poder colocar ao ar uma série criada por ambos quando eram jovens, que mistura drama e comédia. Ela é bem dedicada ao trabalho, o que causa alguns problemas no seu relacionamento com Neal. Ela não tem muito tempo para o marido e os filhos. George não sabe bem o que fazer, pois a chance de realizar o maior sonho da sua carreira está prestes a acontecer, quando produtores querem investir no seu seriado. A história mistura volta ao tempo, romance, divórcio, e drama familiar. 

    carry on

    “Carry On” é o seu mais novo livro, lançado em 6 de Outubro nos Estados Unidos. O lançamento é na verdade um spin-off de Fangirl. O livro é como se fosse a fanfic escrita por Cath sobre o Simon Snow. Eu achei a ideia bem legal e vou querer lê-lo. Dessa vez, ela apostou em um gênero diferente do qual está acostumada: o de fantasia. Eu adoro quando os autores saem da zona de conforto, então estou bem ansiosa.

    Novo Século já confirmou que o livro chegará ao Brasil no primeiro semestre de 2016!

    “Simon Snow só quer relaxar e saborear o seu último ano na Escola Watford Magicks, mas ninguém vai deixar isso acontecer. Sua namorada terminou com ele, seu melhor amigo é uma peste, e seu mentor continua tentando se esconder nas montanhas, bem longe, onde talvez ele estará seguro. Simon não pode sequer apreciar o fato de que seu companheiro de quarto e de longa data Nemesis está desaparecido, porque ele não pode parar de se preocupar com o malvado garoto. Além disso, há fantasmas. E vampiros. E coisas realmente ruins tentando acabar com Simon. Quando você é o mago mais poderoso que o mundo já conheceu, você nunca consegue relaxar e saborear nada. “Carry On” é uma história de fantasma, amor, mistério e um melodrama. Há todos os beijos e conversas que se espera de uma história de Rainbow Rowell – mas com muito, muitos mais monstros.”

    Confira as resenhas dos livros no blog!

    May 14, 2014
    postado por

    Uma notinha instigante na Zero Hora de 30/09: foi realizado em Madri o Primeiro Congresso Internacional da Felicidade, e a conclusão dos congressistas foi que a felicidade só é alcançada depois dos 35 anos. Quem participou desse encontro? Psicólogos, sociólogos, artistas de circo? Não sei. Mas gostei do resultado.

    A maioria das pessoas, quando são questionadas sobre o assunto, dizem: “Não existe felicidade, existem apenas momentos felizes”. É o que eu pensava quando habitava a caverna dos 17 anos, para onde não voltaria nem puxada pelos cabelos. Era angústia, solidão, impasses e incertezas pra tudo quanto era lado, minimizados por um garden party de vez em quando, um campeonato de tênis, um feriadão em Garopaba. Os tais momentos felizes.

    Adolescente é buzinado dia e noite: tem que estudar para o vestibular, aprender inglês, usar camisinha, dizer não às drogas, não beber quando dirigir, dar satisfação aos pais, ler livros que não quer e administrar dezenas de paixões fulminantes e rompimentos. Não tem grana para ter o próprio canto, costuma deprimir-se de segunda a sexta e só se diverte aos sábados, em locais onde sempre tem fila. É o apocalipse. Felicidade, onde está você? Aqui, na casa dos 30 e sua vizinhança.

    Está certo que surgem umas ruguinhas, umas mechas brancas e a barriga salienta-se, mas é um preço justo para o que se ganha em troca. Pense bem: depois dos 30, você paga do próprio bolso o que come e o que veste. Vira-se no inglês, no francês, no italiano e no iídiche, e ai de quem rir do seu sotaque. Não tenta mais o suicídio quando um amor não dá certo, enjoou do cheiro da maconha, apaixonou-se por literatura, trocou sua mochila por uma Samsonitee não precisa da autorização de ninguém para assistir ao canal da Playboy. Talvez não tenha se tornado o bam-bam-bam que sonhou um dia, mas reconhece o rosto que vê no espelho, sabe de quem se trata e simpatiza com o cara.

    Depois que cumprimos as missões impostas no berço — ter uma profissão, casar e procriar — passamos a ser livres, a escrever nossa própria história, a valorizar nossas qualidades e ter um certo carinho por nossos defeitos. Somos os titulares de nossas decisões. A juventude faz bem para a pele, mas nunca salvou ninguém de ser careta. A maturidade, sim, permite uma certa loucura. Depois dos 35, conforme descobriram os participantes daquele congresso curioso, estamos mais aptos a dizer que infelicidade não existe, o que existe são momentos infelizes. Sai bem mais em conta.

    Sobre a autora: Martha Medeiros (Porto Alegre, 20 de agosto de 1961) é uma jornalista e escritora brasileira. Filha de José Bernardo Barreto de Medeiros e Isabel Mattos de Medeiros, é colunista do jornal Zero Hora de Porto Alegre, e de O Globo, do Rio de Janeiro

    January 29, 2014
    postado por

    Siobhan Vivian é uma autora norte-americana que nasceu na cidade de Nova York em 1979. Porém, ela cresceu em Nova Jersey e viveu lá durante a sua adolescência. Ela estudou na universidade de Artes, sendo graduada em escrita para filmes e televisão. Aliás, a autora já escreveu diversos roteiros para a Disney, trabalhou como editora no New York Times e nos dias de hoje é professora na Universidade de Pittsburgh.

    O seu gênero principal de livros é o teen e o Young Adult, do qual ela vem apostando nos últimos lançamentos. Sua lista de livros lançados no Brasil não é tão grande, mas todos eles são um absoluto sucesso. O primeiro que eu li da Siobhan foi o apaixonante “Não Sou Este Tipo de Garota” em 2011, e comecei a admirá-la muito depois que terminei a leitura. Sua escrita é super cativante, e ela consegue envolver completamente o leitor, com histórias que podem até parecer já caídas no clichê, mas os personagens da autora são ótimos.

    A editora que lança os seus livros aqui no país é a Novo Conceito que sempre capricha nas capas do livro (querendo ou não, quando ele é voltado para jovens, uma linda capa sempre chama mais a nossa atenção né?). Em seguida veio “Conselho de Amiga”, que eu ainda não li – mas tô na vontade! – e o grande sucesso Olho por Olho, e a continuação Dente por Dente, que são dois livros de tirar o fôlego, em parceria com a autora Jenny Han, que é uma das suas melhores amigas.

    Esses são os quatro dela já lançados por aqui. Burn for Burn é uma trilogia, e o terceiro será lançado em breve e eu estou super ansiosa. O número de páginas do segundo volume me surpreendeu positivamente, por ele ter em torno de 500 páginas. Sem falar que a história evoluiu muito. Um dos próximos lançamentos é “The List” que vai chegar nas livrarias em breve também pela Novo Conceito. Ele recebeu reviews super positivas nos EUA, e a autora foi muito elogiada. A história fala sobre uma lista que é publicada todos os anos em um colégio, mas o autor há anos é anônimo e ela é praticamente uma tradição. Ela possui 8 nomes: 4 meninas que recebem o título de as mais bonitas, e as outras 4, de feias. A personagem principal é a Ruby. O enredo fala como as garotas lidam com a repercussão da lista.

    Ela mantém contato com os fãs pelo Twitter e também sempre responde os leitores! Siobhan é uma das autoras americanas que andou ganhando reconhecimento que eu mais gosto. Quem gosta de Sarah Dessen, Elizabeth Eulberg e Stephanie Perkins vai amar os livros dela!

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA