• screen shot 2017-06-15 at 1.31.34 pm
    Filmes

    Filme: A Morte Te Dá Parabéns

    ver post
  • large
    Playlist

    Playlist: Outubro

    ver post
  • 60ef470bb4bf66d50938e63f82c34ee9
    Beleza

    Cabelo curto para se inspirar

    ver post
  • n
    Looks, Moda

    O estilo da Noora Sætre de Skam

    ver post
  • July 16, 2016
    postado por

    Enquanto eu estava dando uma olhada na lista dos últimos livros que eu havia lido lá no Goodreads, percebi que todos eles eram brasileiros! Eu sempre gostei de literatura nacional, mas nos últimos meses os autores brasileiros tem sido o meu foco principal (e não só pela lista do vestibular!). A verdade é que temos autores incríveis e talentosos aqui: alguns já são conhecidos do público, outros nem tanto, e também há os mais novos. E eu acho importante a gente dar o nosso apoio lendo e comprando esses livros para valorar a profissão dos autores e a importância da literatura no país.

    40 dias

    Título: Quarenta Dias

    Autor (a): Maria Valéria Rezende

    Editora: Alfaguara

    Sinopse: “Quarenta dias no deserto, quarenta anos.” É o que diz (ou escreve) Alice, a narradora de Quarenta dias, romance magistral de Maria Valéria Rezende, ao anotar num caderno escolar pautado, com a imagem da boneca Barbie na capa, seu mergulho gradual em dias de desespero, perdida numa periferia empobrecida que ela não conhece, à procura de um rapaz que ela não sabe ao certo se existe. Alice é uma professora aposentada, que mantinha uma vida pacata em João Pessoa até ser obrigada pela filha a deixar tudo para trás e se mudar a Porto Alegre. Mas uma reviravolta familiar a deixa abandonada à própria sorte, numa cidade que lhe é estranha, e impossibilitada de voltar ao antigo lar. Ao saber que Cícero Araújo, filho de uma conhecida da Paraíba, desapareceu em algum lugar dali, ela se lança numa busca frenética, que a levará às raias da insanidade.

    Este livro é o vencedor da categoria “melhor livro de romance” da 57ª edição do Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura brasileira. A autora nos leva para uma jornada com a protagonista da história, a professora Alice, que levava uma vida confortável em João Pessoa. Alcançando a meia-idade, ela é obrigada pela única filha, Norinha, a se mudar para Porto Alegre, para cuidar do futuro neto. Vítima do egoísmo da primogênita, ela se muda para o Sul e tem que deixar tudo o que era dela para trás.

    Em meio a tantos conflitos e tentando se ajustar em uma realidade que não tem nada a ver com o qual ela tinha anteriormente, Alice, após ser enganada pela filha e o genro, decide abandonar o novo apartamento e embarcar em uma busca por Cícero Araújo, o filho desaparecido de uma amiga da Paraíba. Cícero pode ser um pretexto para ela escapar de tudo, mas Alice vai se arriscar a conhecer pessoas e um mundo diferente do qual ela nunca esperaria achar naquela nova cidade. O livro aborda diversos temas, e o foco principal deles é as minorias. Os negros, os pobres e os moradores de rua ganham um espaço fundamental nessa obra, que relaciona também com tudo isso o modo como a sociedade ignora os idosos e os moradores das periferias.

    poética

    Título: Poética

    Autor (a): Ana Cristina Cesar

    Editora: Companhia Das Letras

    Sinopse: Ana Cristina Cesar deixou em sua breve passagem pela literatura brasileira do século XX uma marca indelével. Tornou-se um dos mais importantes representantes da poesia marginal que florescia na década de 1970, justamente pela singularidade que a distanciava das “leis do grupo”. Criou uma dicção muito própria, que conjugava a prosa e a poesia, o pop e a alta literatura, o íntimo e o universal, o masculino e o feminino — pois a mulher moderna e liberta, capaz de falar abertamente de seu corpo e de sua sexualidade, derramava-se numa delicadeza que podia conflitar, na visão dos desavisados, com o feminismo enérgico, característico da época. Entre fragmentos de diário, cartas fictícias, cadernos de viagem, sumários arrojados, textos em prosa e poemas líricos, Ana Cristina fascinava e seduzia seus interlocutores, num permanente jogo de velar e desvelar. Cenas de abril, Correspondência completa, Luvas de pelica, A teus pés, Inéditos e dispersos, Antigos e soltos: livros fora de catálogo há décadas estão agora novamente disponíveis ao público leitor.

    Ana Cristina Cesar é uma das poetas brasileiras mais importantes que o país já teve. Carioca, formada na PUC-RJ e com um mestrado em tradução literária na Universidade de Essex, na Inglaterra, ela produziu boa parte do seu material nos anos 70. Eu conheci o seu trabalho completo por meio dessa edição especial, que traz todas as suas obras, além de críticas importantes sobre os seus trabalhos. Este ano, ela foi escolhida para ser homenageada pela Flip na Festa Literária Internacional de Paraty.

    Quando eu comecei o livro, achei que ele possuía uma compreensão bem difícil. O que é um fato: é bem complicado tentar “decifrar” os poemas da autora, mas depois que você ler mais sobre a vida dela e os temas que ela costumava abordar, vai poder compreendê-los melhor. Ana escreve sobre o amor, desejos, representação feminina e dores de um jeito único que eu nunca havia lido antes. Eu havia conhecido outros poemas dela em 2015 quando li uma coletânea com os poetas marginais, mas só pude realmente ver a sua essência depois da leitura do Poética. É imperdível: o livro divide muitas opiniões, mas ela conseguiu me conquistar.

    1808

    Título: 1808

    Autor (a): Laurentino Gomes

    Editora: Planeta

    Sinopse: Considerada por muitos historiadores como a mais importante decisão tomada pelo príncipe regente e futuro rei Dom João VI durante os treze anos de permanência da corte portuguesa no Rio de Janeiro, a efetivação do Reino Unido colocou um ponto final no período colonial brasileiro e deu início de fato ao processo de Independência do país. “A criação do Reino Unido foi decidida em meados de 2014 no Congresso de Viena, que reuniu na Áustria as potências vencedoras de Napoleão”, explica Laurentino Gomes. “Foi uma decisão tomada praticamente à revelia da corte portuguesa no Rio de Janeiro e anunciada na Europa muito antes de que os próprios brasileiros e portugueses tomassem conhecimento dela.” Lançado originalmente na Bienal do Rio de Janeiro de 2007, 1808 permanece há sete anos consecutivos na lista dos livros mais vendidos, um recorde no mercado editorial brasileiro na categoria não-ficção. Publicado em português e inglês, atualmente suas edições internacionais estão disponíveis em mais de vinte países, incluindo Portugal, Estados Unidos, Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia, Índia e África do Sul.

    Se você, assim como eu, é apaixonado por História, eu super indico a leitura do 1808, um dos livros mais aclamados do país. Escrito pelo jornalista paranaense Laurentino Gomes, o livro conta com detalhes a chegada da família real portuguesa ao Brasil e as suas consequências, que ainda são refletidas na sociedade brasileira até a atualidade. A obra é um aprendizado e tanto para aqueles que desejam saber como era a vida não só da corte, mas sim dos escravos e da população, que não tinha acesso ao mínimo de educação ou hábitos de higiene, e também possuía pouca noção do que estava ocorrendo ao seu redor.

    Além de ajudar a entender muito sobre o desenvolvimento do Brasil, ele também auxilia bastante nos conhecimentos de História do Brasil que vivem caindo no vestibular. Eu já quero ler as duas sequências: 1822 e 1889.

    May 29, 2016
    postado por
    Thalita

    Título: Confissões de Uma Garota excluída, Mal-Amada e (um pouco) dramática.

    Autor (a): Thalita Rebouças

    Editora: Arqueiro

    Preço Sugerido: R$29,90

    Sinopse: Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz. O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa… O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes… Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

    Ai, que saudade de ler um livro da Thalita! Para quem não sabe, ela é uma das minhas autoras brasileiras favoritas. Eu já li a maioria das suas obras, e estava super ansiosa para esse novo lançamento. A capa me conquistou de primeira: simplesmente fiquei apaixonada. O design do livro não deixa nada a desejar. As ilustrações são fofas e combinam com a paixão da protagonista, que é cozinhar.

    A personagem da vez é a Teanira (sim, a Thalita tem um talento incrível para dar nomes engraçados) uma garota de 15 anos que é tímida, nerd, apaixonada por leitura e tem uma auto estima lá no pé. Ela não curte cuidar muito da sua aparência (até porquê, não gosta nem um pouco dela) e possuí muitas inseguranças: o seu peso, o cabelo, a pele, tudo! E a maioria delas foram originadas pelo bullying que sofreu durante anos na escola anterior. Tetê recebeu milhares de apelidos e foi alvo de muitas zoações, e tudo isso deixou marcas grandes na personalidade dela.

    A identificação com a personagem é muito fácil, porque é difícil não possuir pelo menos uma insegurança. Se você já foi alvo de bullying, vai conseguir entender o lado dela. É algo complicado de esquecer e de superar, principalmente na adolescência. O legal é que a autora consegue falar sobre temas delicados de um modo muito engraçado. Ao mesmo tempo que ela desenvolve a personagem e nos faz refletir, você dá muitas risadas durante a leitura. Tá de TPM ou de mau humor? Esse livro é a sua solução. Eu tinha lido umas vinte páginas e já não conseguia mais parar de rir.

    Tetê mora com o pai, a mãe, os avós e o seu biso. A família tem uma participação importante no enredo e garante a parte cômica, sempre presente em qualquer livro da Thalita. Após a mudança, ela começa o primeiro ano do ensino médio em uma escola nova. No início, ela fica com muito medo de tantas coisas novas estarem acontecendo (quem não ficaria?), mas logo percebe que isso pode ser uma ótima oportunidade para recomeçar, e quem sabe, fazer amigos.

    Além de experiências novas e alguns momentos turbulentos, a escola nova traz amigos que ela não esperava fazer: o quieto Davi e o extrovertido Zeca também são meio excluídos, e se dão bem com Tetê logo de cara. Ela fica feliz e surpresa por finalmente estar fazendo amizades, e até tendo novas paixões: rola quase um amor à primeira vista com Erick, o seu colega de sala (paixão platônica… quem nunca, né?).

    Infelizmente, Erick tem namorada: Valentina, uma garota que implica com Tetê logo de cara. Ela entra em crise, pois não quer sofrer bullying outra fez, e tenta resolver a situação de todas as maneiras possíveis. A história tem muitas reviravoltas, confusões, e o livro é cheio de capítulos que você vai devorando, e fica desesperado para saber o que acontece a seguir.

    É claro que não dava para faltar romance também, né? O Dudu é um dos personagens mais fofos que a Thalita já criou (e dizem que é inspirado em alguém da vida dela) e eu gostei de ver como ele foi introduzido aos poucos no enredo. Nada acontece de maneira instantânea, até porque, Teanira tem zero experiência no campo amoroso (Teanira é praticamente a minha gêmea, gente).

    Esse livro já entrou para a minha lista dos favoritos do ano: eu li em dois dias, e olha que faz tempo que isso não acontecia! É um dos melhores da autora, sem dúvidas. Se você já é fã dela, vai amar. Se ainda não conhece o seu trabalho, essa é a oportunidade perfeita, e você não vai se arrepender. Juro!

    March 7, 2016
    postado por
    Jojo Moyes

    Título: A Garota Que Você Deixou Para Trás (The Girl You Left Behind)

    Autor (a): Jojo Moyes

    Editora: Intrínseca

    Preço Sugerido: R$20,90 

    Gênero: Young Adult

    Sinopse: Durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor francês Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por Édouard. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo — a família, a reputação e a vida — na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra. Quase um século depois, na Londres dos anos 2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa com paredes de vidro. Ocupando lugar de destaque, um retrato de uma bela jovem, presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura, a mantém ligada ao passado. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Ao mergulhar na história da garota do quadro, Liv vê, mais uma vez, sua própria vida virar de cabeça para baixo. Tecido com habilidade, A garota que você deixou para trás alterna momentos tristes e alegres, sem descuidar dos meandros das grandes histórias de amor e da delicadeza dos finais felizes.

    Depois de ter lido “Como Eu Era Antes de Você” e ter me apaixonado pela escrita cativante da britânica Jojo Moyes, eu li logo em sequência The Girl You Left Behind. É impressionante como ela consegue emocionar em cada livro, envolver o leitor, e ainda nos deixar com aquela sensação de que tiramos uma lição daquela leitura. Jojo faz uma história dramática como ninguém, e também consegue nos ambientar ao cenário do qual o enredo está sendo desenvolvido.

    A história começa em meados de 1916, durante a Primeira Guerra Mundial. A protagonista é Sophie, esposa de Édouard Lefèvre, um pintor francês. Sophie mora com a irmã, o sobrinho e o irmão mais novo em uma pequena cidade da França, que um dia já foi um lugar feliz, até ser dominada pelos alemães. Ela e a irmã cuidam do antigo hotel da família, o Le Coq Rouge, que sempre foi um dos maiores bens que eles possuíam. Mas depois que a guerra começou, tudo mudou: Édouard e o marido de sua irmã foram enviados para a guerra, para lutar na frente ocidental. Metade da família se separou, e a cidade entrou em caos: a maioria dos seus habitantes passa fome e luta para sobreviver no frio.

    Um novo Kommandant dos alemães chega na cidade e se encanta por Sophie, ou melhor: pelo retrato dela. “A Garota Que Você Deixou Para Trás”, uma pintura feita por Édouard no inicio do relacionamento deles, mostra uma Sophie radiante. O quadro fica pendurado na casa da família, mesmo Sophie sabendo que corre o risco dos alemães o pegarem (na época, eles confiscavam tudo, inclusive obras de arte, que pudessem achar profanas ou suspeitas). O Kommandant ordena que o hotel será o novo local de refeição dos alemães, e as duas irmãs tem que cozinhar todas as noites para eles.

    Elas não tem escolha nenhuma, e obedecem a ordem do Kommandant, que com o tempo, se mostra uma pessoa menos dura e diferente do que Sophie imaginava. Desesperada, ele pode ser a sua única chance de se reencontrar com Édouard de novo: ela recebe algumas cartas, mas não sabe se ele está realmente vivo, e se um dia poderá vê-lo novamente. O quadro, do qual ele tanto gosta, é a esperança que ela possui de poder mudar o rumo de tudo.

    Após a introdução da história de Sophie, a autora nos transporta para os anos 2000, em que conhecemos a viúva Liv, uma mulher que vive sozinha em uma casa enorme em Londres, obra do seu marido David, que era um arquiteto genial. Ela ainda não superou a morte dele, que aconteceu há alguns anos. Todas as noites ela encara um quadro belíssimo que eles compraram juntos pouco tempo depois de casar. Ela raramente sai, mas decide se distrair em uma noite, e acaba conhecendo Paul McCafferty em um bar. Ele é irmão do dono do local, e após alguns imprevistos, eles se interessam um pelo outro.

    Ela não quer se relacionar com ninguém, e Paul também não busca um relacionamento, mas os dois se envolvem aos poucos. Ele é surpreendente, charmoso, simpático e consegue trazer um pouco de alegria para a vida de Liv, que anda às cinzas e sem graça faz muito tempo. Desde a morte de David, ela nunca encontrou um motivo para ser feliz novamente. Mas não é só um romance simples que acontece entre eles! A autora tem o poder de fazer reviravoltas que vão te deixar de queixo caído, até terminar o livro. Paul é, na verdade, um advogado importante de uma empresa que ajuda a recuperar obras roubadas dos séculos anteriores, principalmente dos períodos pós Guerra. E o choque dele é inevitável quando descobre que a dona atual de uma das obras mais valiosas feitas na Primeira Guerra, é a mulher por qual ele está começando a se apaixonar.

    Para mim, o ponto alto do livro foi a história de Sophie. Mas prepare-se para sofrer com a personagem: as coisas pelo qual ela passa e as suas narrações não são nada fáceis de ler. Você vai se emocionar bastante, e realmente sentir um pouco de como a Primeira Guerra foi aterrorizante e dolorosa para milhares de pessoas. Jojo vai alternando um pouco das duas histórias, e podemos descobrir qual é o rumo de Sophie e da sua família, e de como ela foi capaz de tudo para tentar encontrar o marido.

    Não consigo escolher se gostei mais deste ou de Me Before You. É difícil! Ambos são leituras maravilhosas e que vão te fazer refletir muito. Essa é uma das minhas coisas favoritas sobre Jojo Moyes: os seus livros não são aqueles que você vai terminar e esquecer da história logo depois. É uma leitura impactante, que levamos conosco muito tempo depois de terminar a história.

    January 21, 2016
    postado por
    Isla

    Título: Isla e o final feliz

    Autor (a): Stephanie Perkins

    Editora: Intrínseca

    Preço Sugerido: R$22,70

    Sinopse:Tímida e romântica, Isla tem uma queda pelo introspectivo Josh desde o primeiro ano na SOAP, uma escola americana em Paris. Mas sua timidez nunca permitiu que ela trocasse mais do que uma ou duas palavras com ele, quando muito. Depois de um encontro inesperado em Nova York durante as férias, envolvendo sisos retirados e uma quantidade considerável de analgésicos, os dois se aproximam, e o sonho de Isla finalmente se torna realidade. Prestes a se formarem no ensino médio, agora eles terão que enfrentar muitos desafios se quiserem continuar juntos, incluindo dramas familiares, dúvidas quanto ao futuro e a possibilidade cada vez maior de seguirem caminhos diferentes. Com participações de Anna, Étienne, Lola e Cricket, personagens mais do que queridos pelo público apresentados em livros anteriores da autora, Isla e o final feliz é uma história de amor delicada, apaixonante e sedutora, um desfecho que vai fazer os fãs de Stephanie Perkins suspirarem ainda mais.

    Isla E O Final Feliz é o terceiro livro na ordem de uma série que a Stephanie Perkins escreveu (mas eles podem ser lidos aleatoriamente), que conta a história de três respectivos casais. O primeiro deles é Anna e o beijo francês, seguido de Lola e o garoto da casa ao lado. Isla e Anna se passam no mesmo universo: na bela e romântica Paris, em uma faculdade para norte-americanos, a SOAP. O livro é bem rápido de ser lido e uma leitura super indicada para as férias e também para levar para a praia: é uma história que fala sobre se apaixonar pela primeira vez.

    Antes do inicio do seu último ano letivo, Isla está passando as férias de verão em Nova York, onde os seus pais moram. Lá também se encontra a sua paixão platônica de anos, Josh, que é um garoto quieto e artista: ele desenha desde sempre e é muito talentoso. Isla sempre foi apaixonada por ele (ou pela pessoa que ela criou na sua cabeça) mas eles nunca trocaram mais de algumas palavras durante o ano escolar sobre HQs, um gosto que eles tem comum. Os dois se conhecem “de verdade” pela primeira vez durante um encontro inusitado.

    Quando ela volta para a escola em Paris, está desesperada: não sabe como lidar com Josh, que agora praticamente sabe que ela é a fim dele, e também não consegue se relacionar muito bem com a sua irmã mais nova, a Hattie, que começou naquele ano na escola. Isla, que é tímida e reservada, também tem um melhor amigo, o Kurt. Ele tem Síndrome de Asperger, e a autora consegue tratar com delicadeza esse tema, e também reforça as características do personagem, que vão sendo desenvolvidas aos poucos.

    O tema principal do livro é o desenvolvimento do relacionamento entre Isla e Josh, que acontece devagar, mas é muito intenso e revelador. A protagonista consegue realizar o seu desejo de muito anos – afinal, ela sempre gostou dele – e a situação a pega de surpresa. A autora consegue descrever bem os sentimentos e as sensações desse primeiro namoro de verdade. Isla é bem diferente das outras personagens de Stephanie: Anna e Lola possuem uma personalidade extremamente forte e são decididas. Já Isla não tem autoconfiança: ela sempre duvidou de si mesma e no fundo, não acredita que Josh poderia gostar de verdade dela. As inseguranças da personagem são bem trabalhadas. Mas espere para sentir uma raiva básica dela, porque algumas atitudes da Isla deixam a gente loucos para entrar na história e tentar mudar tudo.

    Quem tem chances grandes de conquistar o leitor (a) é Josh. Ele é misterioso e não é aquele mocinho que só tem qualidades; o garoto também tem muitos defeitos e problemas na sua vida pessoal, e mesmo sendo alguém autêntico, ele tem quase toda a sua vida traçada. Já sabe onde vai fazer faculdade, o que quer da vida e também desenha uma autobiografia, contando por meio dos seus traços os seus três anos conflitantes de ensino médio. Ele é um personagem interessante, e podemos conhecê-lo de verdade, fora daquela imagem perfeita que Isla sempre construiu dele.

    Um dos pontos altos do livro são as descrições incríveis que a Stephanie faz de Paris (que já foi um dos maiores trunfos de Anna e o beijo francês) e agora também incluem Barcelona, uma das cidades que o casal visita; tudo no livro colabora para um clima romântico, e é legal poder conhecer mais de outros locais por meio das narrações que ela faz, que são uma das partes mais legais do enredo. Além da história ter um clima europeu, algumas partes também se passam na agitada NY.

    Se você procura um livro cheio de romance, e também drama (nada mais característico em um livro Young Adult do que mil reviravoltas, né?) vai gostar desse. Também é uma leitura obrigatória para quem já leu os outros dois; Anna, St. Clair, Lola, Cricket e o grupo de amigos deles estão de volta para uma participação super especial na história (e algo surpreendente que rola no final!). Eu curti o livro, mas não é o meu favorito: a história de Anna continua sendo a que eu mais gostei – de longe – e na minha opinião ainda é o melhor livro da autora. 

    January 19, 2016
    postado por
    me before you

    Título: Como Eu Era Antes de Você

    Autor (a): Jojo Moyes

    Editora: Intrínseca

    Preço Sugerido:R$22,70

    Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.

    Posso dizer que comecei 2016 com o pé direito, pois a minha primeira leitura do ano foi “Como Eu Era Antes de Você” (Me Before You), da autora britânica Jojo Moyes. Eu fui pega de surpresa – esse é o primeiro livro dela que eu li – e essa história conseguiu me emocionar até o final. Às vezes a gente lê livros viciantes que nos deixam intrigado até a última página, outros fazem a gente refletir, e alguns conseguem nos impactar até mesmo depois que fechamos o livro de vez. Ou seja, a gente fica os dias seguintes ainda pensando na história e nos seus personagens.

    A protagonista é Louisa Clark, uma mulher que trabalha em um café na sua pequena cidade, divide a casa com a família enorme e namora um cara que é obcecado por academia e é corredor; os dois estão juntos há mais de seis anos, mas o relacionamento deles não é o mais profundo do mundo. Louisa está com ele mais por acomodação: aliás, quase tudo na sua vida é assim. Ela não tem sonhos e costuma viver na mesmice, sem desejar uma grande mudança. Quando ela perde o emprego e pela primeira vez a sua rotina é alterada, é que ela conhece Will Traynor.

    Will é o ex-CEO de uma grande empresa em Londres e era um homem bem sucedido, que nasceu em família rica e sempre gostou de viver a vida com intensidade. Ele tinha muitas ambições e sempre conseguiu conquistar a maioria delas. Sua vida, basicamente, sempre foi um sucesso por completo. Até que um acidente muda tudo e ele fica tetraplégico. Louisa precisa achar um novo trabalho, e quando aparece a oportunidade de ser a cuidadora de um deficiente – mesmo tendo pouca experiência na profissão – ela aceita. Porém, ela carrega consigo um medo enorme de não conseguir realizar esse trabalho. O seu contrato de seis meses é fechado e ela conhece a família Traynor, totalmente diferente da dela.

    O desenvolvimento dos personagens ocorre de maneira gradual e vamos conhecendo-os um pouco mais a cada capítulo, nos aproximando deles. Will vai conquistando o leitor. A autora consegue mostrar de maneira tocante e honesta como é a vida de um deficiente: os problemas que ele enfrenta, o julgamento por parte das outras pessoas, como é difícil superar muitas coisas, e que de algumas maneiras, não é nem um pouco fácil encarar a vida e a realidade todos os dias. Lou acha complicado lidar com ele: Will é sarcástico, fechado e não dá abertura para ela no começo. Mas depois de muita insistência por parte dela, os dois começam a formar uma amizade.

    É interessante ver como os dois personagens conseguem complementar um ao outro e mostrar uma visão diferente que ambos não conheciam. Enquanto Louisa nunca teve grandes ambições, Will mostra para ela como é importante querer conhecer o mundo, ter outras experiências e não ficar presa naquela cidade pacata. Ele enxerga em Lou qualidades que ela nunca viu em si mesma; e tenta incentivá-la a crescer como pessoa e buscar por mais. Já do outro lado, Louisa tenta de tudo para mostrar para Will que ainda vale a pena viver. Ele perdeu a vontade de enfrentar os seus dias, e a autora consegue nos deixar emocionados e tristes ao escrever sobre um lado muito complicado que o personagem possui: ele não tem mais expectativas sobre o seu futuro. Ele não tem motivos para continuar ali, e Lou tenta, de todos os modos possíveis, mudar o sentimento de Will sobre a sua vida.

    Os temas abordados no livro são pesados. Eles realmente vão causar um efeito no leitor, um impacto maior. Prepare-se para sentir raiva, alegria e surpresa, tudo ao mesmo tempo. Também não aguarde por clichês: a autora é realista na maior parte do livro. Mas se gosta de livros românticos, também indico essa leitura. Lou e Will formam um dos casais mais queridos do mundo literário: mesmo sendo tão diferentes entre si, eles conseguem achar coisas em comum. Eles, literalmente, mudam a vida um do outro.

    P.S: Prepare o lencinho.

    P.S 2: A adaptação do livro para os cinemas tem estreia prevista para Junho. Will será interpretado por Sam Claflin (Jogos Vorazes) e Louisa por Emilia Clark (Game of Thrones). Eu simplesmente amei as escolhas e acho que eles são perfeitos para o papel. As gravações já foram finalizadas ano passado.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA