• A-Star-Is-Born-2
    Filmes

    Filme: Nasce Uma Estrela

    ver post
  • Dot1-5IXsAAJulw
    Música

    Playlist: Outubro

    ver post
  • DoVfpN9W0AE3KCZ-2
    Comportamento, feminismo

    #EleNão em Florianópolis, capital de Santa Catarina

    ver post
  • 1018-allure-cover-shoot-rihanna-braids-blue-eyeshadow.png
    Make, Moda

    A revolução de Rihanna com a Fenty

    ver post
  • Outubro 13, 2018
    postado por
    Dot1-5IXsAAJulw

    A playlist do mês de Outubro trás como destaque as novas músicas da Alessia Cara, cantora canadense de 22 anos que ainda pode não tocar o tempo todo na rádio, mas começou a ganhar seu espaço em 2015, quando lançou o seu primeiro álbum, aos 19 anos. Desde então, as conquistas foram muitas: abriu uma turnê da Taylor Swift, ganhou um Grammy como Artista Revelação em 2017,  lançou canções que bombaram como Scars to Your Beautiful, e participou da trilha sonora de Moana. Em 2018, Alessia, mais madura e com mais experiência, prepara o segundo disco.

    Quando eu conheci a cantora eu tinha 16 para 17 anos e me identifiquei muito com as letras, que falavam sobre a saída da adolescência (mas sempre sem ser infantil). Aos 20, a aproximação que eu senti ao ouvir as músicas Growing Pains e Trust My Lonely foram enormes. Talvez por termos uma idade próxima, eu pude me reconhecer no que a cantora canta. Seus lançamentos, como ela mesma disse, são sobre crescer. E crescer e passar por tombos que nos deixam marcas é difícil. Mas a gente aprende muito: e essa é uma das maiores lições que eu tirei dos últimos meses.

    /

    Julho 1, 2018
    postado por
    imagem.aspx

    Título: #GIRLBOSS

    Autor (a): Sophia Amoruso

    Editora: Seoman

    Sinopse: Sophia Amoruso passou a adolescência viajando de carona, furtando em lojas e revirando caçambas de lixo. Aos 22 anos ela havia se conformado em ter um emprego, mas ainda estava sem grana, sem rumo e fazendo um trabalho medíocre que assumiu por causa do seguro-saúde. Foi aí que Sophia decidiu começar a vender roupas de brechó no eBay. Oito anos depois, ela é a fundadora, CEO e diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares, com mais de 350 funcionários. Além da história de Sophia, o livro cobre vários outros assuntos e prova que ser bem-sucedido não tem nada a ver com a sua popularidade; o sucesso tem mais a ver com confiar nos seus instintos e seguir a sua intuição. Uma história inspiradora para qualquer pessoa em busca do seu próprio caminho para o sucesso.

    Desde que #GIRLBOSS, escrito por Sophia Amoruso – criadora da Nasty Gal – foi lançado há dois anos atrás, eu fiquei empolgada para ler o livro. Como ele saiu de estoque rápido, acabei não comprando. Em Junho, finalmente pude lê-lo. É uma leitura que apareceu justamente quando eu estava precisando de inspiração e no final do meu primeiro semestre na faculdade de Administração Pública. Talvez se eu tivesse lido quando ele foi lançado, não teria compreendido alguns temas que Sophia debate, como o empreendedorismo, o que é complicado em montar o seu próprio negócio, os erros que ela cometeu em empregos anteriores, e até questões como demissão.

    São assuntos que se tornam comuns na nossa vida, principalmente na faixa etária dos 20 anos. Quando entramos na faculdade (ainda mais na área dos cursos de Administração) ouvimos as palavras empreender, marketing e liderança umas 20 vezes durante a semana. Sophia trata de tudo isso de maneira divertida, objetiva e sincera. Apesar de os capítulos carregarem frases inspiradoras que já ouvimos algumas vezes, elas realmente nos convencem: afinal, ela conseguiu se tornar CEO e alcançar o sucesso com a sua marca, tudo antes dos 30. Mas nada aconteceu milagrosamente, e ela conta em detalhes sua jornada (que começou no Ebay) até abrir a sua primeira loja física na California.

    Em meio aos capítulos, Sophia também encontra espaço para falar sobre moda. Onde nasceu sua inspiração para trabalhar no meio e como ela sempre gostou de criar suas próprias roupas, e como transitou entre diversos estilos, sendo o punk a sua grande paixão na adolescência.

    O livro não nos traz respostas exatas ou soluções mágicas, mas é uma boa leitura para quem gosta de falar, entender e compreender mais sobre moda e negócios por uma visão feminina (algo que nós sabemos que o mercado ainda carece). Atualmente, Sophia não é mais a CEO da Nasty Gal, e investe em outra marca: a Girl Boss Media.

    1fa56655-c5d0-492b-ac49-5851d952c741-bccb073f-d38e-47d0-b171-f188697c72f4-hmrr_willian_kate_meghan_harry_ap_89-1

    Filme: Com Amor, Simon (Love Simon)

    Diretor (a): Greg Berlanti

    Elenco: Nick Robinson, Jennifer Garner, Katherine Langford, Alexandra Shipp, Logan Miller, Jorge Lendeborg Jr, Josh Duhamel

    Sinopse: Aos 17 anos, Simon Spier (Nick Robinson) aparentemente leva uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: nunca revelou ser gay para sua família e amigos. E tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de escola, anônimo, com quem troca confidências diariamente via internet.

    Baseado no livro de Becky Albertalli, “Love, Simon” foi aguardado pelos fãs com muita expectativa, principalmente pela comunidade LGBTQ+. Apesar de vários progressos estarem sendo feitos, é fato que a juventude queer ganha pouco espaço na televisão e nos cinemas. Ter um filme que trás um personagem gay adolescente como protagonista sendo produzido por um grande estúdio e exibido em diversos países é um grande passo. Simon está no último ano do ensino médio. Ele tem uma família que o apoia e amigos fieis; mas se sente vazio porque ele ainda não assumiu que é gay, e essa é a questão mais complicada em sua vida: como se assumir? E quando? As pessoas vão o enxergar de maneira diferente?

    Ele começa a adentrar mais fundo nos seus próprios sentimentos quando conhece outro menino gay da escola – Blue -, e eles se correspondem anonimamente por e-mails. Aos poucos, criam uma relação especial e também são como uma rede de apoio um para o outro. Afinal, ambos ainda não se assumiram. O assunto é tratado de maneira honesta e delicada, e mostra também a visão dos amigos de Simon, que assim como no livro, ganham um espaço considerável na tela para desenvolver suas próprias histórias. Nick Robinson está ótimo no papel e ele incorporou o personagem e deu vida ao Simon, de uma maneira bem semelhante ao do livro.

    b21e2a362665d252943b5159353b2c5e

    Mikaela Straus – conhecida pelo nome artístico de King Princess – lançou o seu primeiro EP, “Make My Bed”, produzido por Mark Ronson, no início do mês. A cantora e produtora, que viveu no Brooklyn por boa parte da sua vida – e agora mora em Los Angeles -, tem 19 anos e conquistou o público ao cantar a sua verdade, trazendo a visão queer para o pop atual – algo que Troye Sivan, Hayley Kyoko e Kehlani também estão fazendo -. Com 19 anos, suas músicas falam sobre amor e coração partido, usando apenas pronomes femininos. 1950, seu primeiro single, faz referência a época em a comunidade LGBTQ+ ainda tinha que se esconder em público.

    O EP, que contém cinco faixas, trás canções que misturam guitarras com pegada radiofônica. Segundo a Pitchfork, King Princess acerta em cheio ao trazer para suas letras vulnerabilidade, e comparam 1950 com o impacto que “Royals”, da Lorde, teve no início da carreira da neozelandesa.

    Abril 27, 2018
    postado por
    Captura de Tela 2018-04-26 às 21.12.26

    King Princess é uma artista do Brooklyn, em NYC, que apareceu de maneira tímida no mundo da música em Fevereiro, mas conquistou mais espaço em poucos meses. Ela lançou o seu primeiro single, “1950”, no início do ano, e chamou a atenção pelas suas letras saírem do comum e abordarem a visão do amor queer. A cantora escreve sobre amar outra mulher e na sua música de estréia, faz referência a época em que os LGBTQs+ não podiam demonstrar seus sentimentos em público (o que como nós sabemos, ainda é muito comum). A canção também descreve a insegurança que você sente quando está apaixonado, e que mesmo assim, ainda querer esperar por aquela pessoa.

    A artista foi contratada pela gravadora recém criada de Mark Ronson (que trabalhou com Lady Gaga no álbum Joanne e escreveu e produziu Uptown Funk com Bruno Mars). Ela é derivada da gravadora Columbia, que é a mesma de Harry Styles (fã assumido da cantora).

    A previsão é de que o seu primeiro EP saía ainda esse ano. O som dela é pop, delicioso de ouvir e tem letras com uma pegada honesta, que saem do clichê de pronomes e amor heterossexual. Todos os instrumentos usados em “1950” foram tocados por ela.

    30530957_158187438192849_2376605863885406208_n

    O segundo lançamento segue a vibe do primeiro, mas ambas as músicas possuem suas próprias identidades. “Talia” foi lançada em pouco menos de duas semanas e já possui dois milhões de execuções no Spotify. A letra narra o fim de um relacionamento; a pessoa não vai mais voltar, mas você ainda tem esperanças e queria que ela tivesse lá. E é exatamente esse o sentimento do refrão: “I can taste your lipstick, I can lay down next to you but it’s all in my head” (eu posso sentir o gosto do seu batom, eu posso deitar ao lado de você, mas está tudo na minha cabeça).

    Março 9, 2018
    postado por
    91f8f66fceb664e398a6aadd6cbeb6b8

    Hoje é o dia internacional das mulheres, e isso me inspirou a fazer uma playlist só com músicas sobre empoderamento e que celebram mulheres. Esse dia é importantíssimo para que a gente se lembre de nossas lutas; comece outras e arranje forças para continuar de pé. Sem se esquecer de ajudar a mulher que está ao seu lado, ouvi-la e entendê-la. E principalmente, conhecer vivências diferentes das nossas. O feminismo pode representar algo diferente para todas nós. E é muito valioso entender porque ele é tão importante para as irmãs que estão ao seu lado, e aprender com elas.

    Fevereiro 23, 2018
    postado por
    22713395_1560868767269020_7873086870080046490_o

    Faz um tempinho que eu não trago indicações musicais, e essa é definitivamente um dos meus posts favoritos de fazer no blog. No final de 2017 eu conheci a voz do britânico Lewis Capaldi pelo twitter. Ele estava divulgando uma de suas músicas, e quando eu ouvi Bruises (o primeiro single dele lançado oficialmente), eu fiquei apaixonada. A sua voz é bem intensa e rouca, ou seja, fica na nossa memória de primeira. Me lembrou a vibe de cantores como o Sam Smith, famosos por terem um alcance vocal grande, e fazerem músicas intensas e com uma pegada mais romântica.

    E esse é o estilo do Lewis, que alcançou fama pela internet e já tem mais de 2 milhões de execuções mensais no Spotify. Em Dezembro ele liberou o seu EP, intitulado de Bloom, com quatro faixas no total e seguindo o estilo de Bruises: músicas feitas no piano e no violão. Suas letras são o principal de suas canções, e é interessante até mesmo procurá-las na internet (não perde em nada para a de artistas britânicos consolidados, como George Ezra e Hozier; aliàs, se você gosta destes dois, vai curtir o Lewis).

    27972091_1677488202273742_8787087187749532228_n

    Com o reconhecimento que está alcançando recentemente, Lewis começou a fazer shows na Inglaterra, percorreu a Europa dando suporte para outros artistas, vai abrir os shows da turnê européia do Sam Smith, e também começará a sua primeira tour headliner, passando por cidades como Dublin, Londres, Manchester e Amsterdam. Além disso, ele está confirmado em diversos festivais de peso. Na minha opinião, uma das coisas mais legais é acompanhar um artista que está no início da carreira, e ver eles crescendo aos poucos!

    Tá esperando o quê para dar o play?

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA