O álbum solo do Harry Styles
21/05/2017 | Categoria: Música

h3

Em Maio, o cantor britânico Harry Styles lançou o seu primeiro álbum solo, dando o passo para a carreira pós One Direction. Começo a resenha dizendo que eu não costumava ouvi-lo antes, e para quem não é famíliar ao trabalho dele, este disco veio para mudar totalmente a sua ideia (assim como fez com a minha!). Composto de 10 faixas, todas elas escritas pelo artista, o álbum traz um misto de rock com pop, influências dos anos 60 e 70, e algumas faixas que vão te lembrar a sua banda indie favorita, e alguns clássicos da música.

É notável que agora Harry possui algo que ele não tinha antes: liberdade criativa. Em entrevista, ele revelou que todas as letras são muito honestas e não foram alteradas: “Fazer esse álbum foi um dos melhores momentos que já tive. Mas é um sentimento muito mais vulnerável, lança-lo, do que qualquer outro que já senti antes.”

O álbum começa com “Meet Me in the Hallway”, já mostrando o tom do disco que segue por várias outras faixas. As letras falam sobre relacionamentos – e a falta de dialógo neles é um tema muito abordado -, paixão, sexo, tristeza, e as canções são bem detalhadas. Ou seja, ele realmente se expõe, tudo embalado em um som mais alternativo. “Sign Of The Times” é um dos maiores trunfos do disco. Com vários mínutos de duração, a música é grandiosa e a gente pode apostar que é uma das melhores lançadas nesse ano. Ela conta com notas altas, refrão empolgante e até um coral. É uma escolha perfeita para primeiro single, e as suas performances ao vivo mostram a voz incrível de Harry.

h2~0

Representando os momentos mais rock do disco – o cantor sempre citou bandas como Rolling Stones e The Beatles como as suas favoritas -, temos “Carolina”. “She’s a good girl, she’s such a good girl, she feels so good”, é um dos exemplos de refrões bem trabalhados por Styles e da maneira de como ele consegue levar uma canção ao ápice. “Two Ghosts“, uma das minhas músicas favoritas, é uma balada sobre quando o casal não se reconhece mais; quando as coisas não se encaixam. A letra é muito boa, e aborda o tão presente tema da falta de comunicação:  “Telling those stories we already told, cause we don’t say what we really mean.”

“Sweet Creature”, que agradou muito o público, é uma música romântica que você imagina sendo a trilha sonora do seu filme ou série favorita. Além de viciante, a letra é linda e lembra um pouco as músicas sobre amor do Ed Sheeran . Ela fala sobre o fato de não importa onde ele estiver, a pessoa amada vai fazê-lo se sentir em casa. É difícil não amar a música.

Mas depois da balada, vem sequencias empolgantes em que Harry retoma de novo o seu lado mais rock’n’roll, que aparece de forma bem genuína no álbum, mostrando que ele se sai muito bem no gênero. “Only Angel” e “Kiwi” são as grandes representantes desta vibe no disco.

“Ever Since New York”, que também é uma das faixas que eu mais gostei (fica complicado escolher apenas uma!), tem um pé em baladas dos anos 80 e traz a cidade de New York como pano de fundo para falar sobre um relacionamento que não possui mais nenhum futuro. Também não podemos deixar de destacar “Woman”, que nos leva novamente para o lado mais experimental do cantor.

O disco termina com “From the Dining Table”, que tem um tom triste e melancólico, e apesar de não sabermos com certeza se as faixas falam sobre a mesma experiência amorosa, a canção final parece falar mais sobre o fim do relacionamento citado outras vezes, e a esperança de que o silêncio entre o casal seja quebrado. “Maybe one day you I’ll call me, and tell me that you’re sorry too”. A música possui a presença de violinos.

Na minha opinião esse é um dos melhores álbuns lançados em 2017, mostrando que Harry Styles tem uma carreira brilhante pela frente, porque talento e letras sensacionais certamente não faltam no repertório dele. O disco alcançou o primeiro lugar nas paradas britânicas.


Playlist: Maio
14/05/2017 | Categoria: Música, Playlist

large

Em Maio as novidades musicais estão sendo muitas (amém). Tem o primeiro álbum solo do Harry Styles, que foi lançado ontem (12/05) e está incrível – eu gostei muito! -, o novo disco do Paramore, após um hiatus de quatro anos, e o EP do Foster the People,  que conta com três faixas sensacionais, e o retorno da Miley Cyrus, com um som diferente. Fica difícil ouvir tudo o que está saindo, mas a nossa playlist pode te ajudar!


As irmãs do HAIM voltaram!
28/04/2017 | Categoria: Música

tumblr_onl94olRRM1rnjks6o1_1280

Seria 2016 o ano em que artistas e bandas que não lançam um álbum novo faz um tempão, finalmente voltam? Depois do retorno emocionante de Lorde, as irmãs Danielle, Alana e Este se preparam para trazer novidades. O grupo formado por elas, HAIM, explodiu em 2013 com o álbum “Days Are Gone”, que foi sucesso nas críticas. Elas fizeram turnês e se apresentaram em diversos festivais – uma das suas especialidades – pelo mundo.

O som das meninas, que é indie rock, é cheio de músicas viciantes e letras poderosas. Os temas variam de fins de relacionamentos a assuntos pessoais. Elas aprenderam a tocar instrumentos bem cedo, já que a música é algo de família mesmo (o pai delas também toca). É incrível ver uma banda formada só por garotas ser muito bem sucedida e mostrando que sim, elas sabem misturar rock’n’roll com pop tão bem quanto as bandas masculinas.

Girl power é o que não falta nesse grupo. A nova música, que foi liberada primeiramente em uma versão ao vivo, é intitulada de “Right Now” e nos ajuda a matar um pouquinho a curiosidade de como as músicas novas podem ser. O vídeo foi dirigido pelo cineasta Paul Thomas Anderson, nomeado duas vezes ao Oscar. Ele mostra a performance da banda de uma maneira crua.


Conheça a norueguesa Astrid S
15/04/2017 | Categoria: Música

16864806_683724811815674_3729056636347694725_n

Astrid S é uma cantora e compositora norueguesa que nasceu na pequena cidade de Berkak, que possui menos de mil habitantes. Durante a adolescência, ela se mudou para Oslo, a capital da Noruega, que possui uma forte indústria musical pop, despontando alguns artistas para outros países da Europa. Astrid começou a aprender a tocar piano aos 6 anos de idade, e desde então continuou praticando e o seu talento musical só aumentou. Ela faz um som inspirado no pop eletrônico da Suécia, e mesmo o norueguês sendo a sua língua nativa, ela canta em inglês: a música norte-americana é uma grande inspiração para ela, mas a cantora ainda mantém as raízes daquele pop europeu.

Ela começou a ganhar ainda mais espaço quando lançou o seu primeiro EP em 2016, que traz como single principal “Hurts So Good”, que tem mais de 128 milhões de plays no Spotify. A rede social foi um dos locais que mais ajudou a cantora a propagar as suas músicas. Em 2015 ela fez um dueto com Shawn Mendes para o primeiro disco do cantor. “Air” conta com a voz de Astrid, e é uma das músicas mais populares do Shawn. Já em 2016 ela abriu os shows do Troye Sivan, na turnê dele pelos Estados Unidos e a Europa.

14947686_626120787576077_6647896954496038426_n

Ela causou ainda mais barulho após o lançamento do seu EP, e com algumas parcerias que fizeram bastante sucesso na Escandinávia, como o feat com o Matoma, um DJ e produtor norueguês. As suas músicas trazem um toque de balada, e as letras são fáceis de ouvir e super chicletes, mas Astrid traz composições sobre romance e também a sua vida pessoal. É uma música pop com conteúdo, por assim dizer. O que mais chama a atenção nela é a sua voz super doce e delicada. É um tom bem diferente do qual estamos acostumados a ouvir nas cantoras atuais, que é bem perceptível na parceria dela com o Shawn.

Astrid já apareceu na trilha sonora de diversos seriados, como Skam. Em 2015, ela levou o prêmio do MTV Europe Music Awards de Best Norwegian Act, e foi indicada novamente em 2016. No momento ela vai começar uma turnê, em Maio. A cantora ainda não tem planos definidos para lançar o primeiro disco, mas o novo EP vai ser lançado em Maio.


Playlist de Abril
10/04/2017 | Categoria: Música

large-2

Abril está sendo um mês em que eu estou descobrindo várias playlists e músicas novas. 13 Reasons Why, além de ser uma ótima série, também é responsável por um soundtrack maravilhoso, cheio de canções que parecem antigas, mas na verdade são bem atuais. A minha banda favorita, The Maine, lançou o sexto álbum da carreira. A turnê do “Lovely, Little, Lonely” passa pelo Brasil em Julho (quem vai?) e eu tô super empolgada para ouvir algumas músicas ao vivo. Já a série que eu mais curto, Skam, voltou e com isso vem um monte de música boa em cada episódio (a playlist no Spotify é imperdível).


O álbum “So Good” da Zara Larsson
27/03/2017 | Categoria: Música

Zara-Larsson-So-Good-2017-2480x2480

Zara Larsson tem 19 anos: a cantora e compositora sueca já está no mundo da música faz um tempo, mas foi apenas em 2015 que ela estourou de vez com “Lush Life”, e posteriormente com as faixas “Never Forget You” e “Ain’t My Fault”. As cantoras pop européias normalmente trazem um frescor para o mundo da música comercial, com letras mais honestas (que estão presentes nas baladas que Zara escreveu para o seu álbum de estréia). Um exemplo é a Tove Lo, Shura e a MØ.

O álbum, que foi super aguardado pelos fãs (já que ele havia sido prometido para 2016) traz alguns hits que já conhecemos e faixas novas que focam em mostrar a voz da cantora, que mesmo ainda estando na adolescência, tem um vocal digno de cantoras mais antigas do R&B. Zara explora bastante isso em faixas como “Only You”, um dos maiores destaques. Suas letras acompanham esses momentos (“No one has ever touched me like I touch myself, only you”). “One Mississippi”, que traz como temática um relacionamento tóxico, cheio de vai e voltas e momentos indefinidos, em que o eu lírico confessa não fazer nada para sair daquela situação, é a minha favorita de todo o disco.

Até mesmo as músicas mais românticas possuem refrões chicletes que grudam na cabeça e que mostram para o que Zara Larsson veio: ela é ambiciosa sim e quer conquistar mais espaço no mercado, principalmente na América, onde ela ainda não é tão conhecida, apesar de ter uma fã base bem forte na Europa.

2016_ZaraLarson_BellaHoward_07_220916-2

E depois desse álbum, na minha opinião, Zara tem as ferramentas que precisa para conquistar mais público. Talento e boas composições não faltam: “Make That Money Girl” é sobre o empoderamento feminino. Ela sempre fala sobre o feminismo nas suas redes sociais e questões políticas. A letra da canção é inspiradora e transmite bem a mensagem que a Zara gosta de passar constantemente. “What They Say” segue a vibe de letras sobre ter atitude, e não se importar com a opinião alheia.

I Can’t Fall In Love Without You” e “Funeral” são baladas românticas com letras poderosas, sensíveis e emocionantes. Essas faixas do álbum não carregam tanto o espirito radiofônico, super presente nas músicas da Zara, mas isso mostra que não é só de possíveis singles que ela vive, e sim que ela é uma compositora capaz de escrever letras incríveis e mais profundas.

A minha favorita é “Symphony” em parceria com Clean Bandit (que aliás, tem um clipe maravilhoso!). Além da letra ser ótima, a música também é perfeita pra tocar em baladas (ou seja, é o conjunto completo).


Lorde lança primeiro single do álbum novo
02/03/2017 | Categoria: Música

C5799vIUwAAWoSh

Demorou, mas a espera oficialmente chegou ao fim! Lorde lançou o primeiro single do seu segundo CD, intitulado de Melodrama, e com previsão de lançamento para este ano. O primeiro trabalho dela havia sido lançado em 2013, e foi um sucesso, levando a artista alternativa para o topo das paradas. Eu confesso que já estava morrendo de saudades da cantora: o álbum dela foi um dos meus favoritos durante muito tempo. Sabe aquele que você ouve até enjoar?

Green Light é a primeira faixa divulgada, e traz um toque ainda mais pop para o som da cantora, sem deixar de lado uma letra incrível, que tem tudo para virar aquela música pra gente se acabar de dançar na balada. Vem álbum novo!


Playlist: Fevereiro
11/02/2017 | Categoria: Música, Playlist

Sem título

Em Fevereiro eu descobri várias músicas novas pela rádio durante a viagem. Algumas fizeram eu ficar viciada, e eu acabei começando a gostar de novas bandas também, como Hey Violet. E em Janeiro, a minha banda favorita, The Maine, anunciou as datas da nova turnê mundial, após o lançamento do disco novo, “Lovely Little Lonely”, em 4 de Julho. Eu já comprei o meu ingresso para o show de Porto Alegre. Quem mais vai?


O Ed Sheeran está de volta!
08/01/2017 | Categoria: Música

ed

Depois de um ano sem atualizar nenhuma rede social e sem um álbum novo desde 2014, o britânico Ed Sheeran finalmente está de volta! Na madrugada do dia 6 de Janeiro ele lançou dois singles: “Castle on The Hill” e “Shape of You”, que são as primeiras músicas liberadas do álbum “Divide”, que ainda não tem previsão de lançamento, mas obviamente vai sair ainda em 2017.

ed2

Castle on The Hill é sobre a cidade natal do cantor. Ele revelou que sua intenção na letra – que é muito pessoal e fala sobre a sua família – era fazer uma homenagem a cidade, que segundo ele, nunca é visitada pela maioria das pessoas.

ed3

Shape of You é sobre a forma feminina, e é a única música do álbum que tem conotação sexual. Ela foi escrita há um mês e foi a última a ser incluída no disco. Essa é a minha favorita até agora e na minha opinião tem tudo para ser uma das canções de maior sucesso do Ed.

E apesar das músicas terem saído recentemente, o cantor já fez uma performance live de Castle on The Hill na BBC Radio 1, na Inglaterra. Vale a pena assistir!


Música: Seafret
29/12/2016 | Categoria: Música

seafret

A última indicação musical do ano vai para o duo britânico Seafret, que me conquistou de primeira, após eu assistir o clipe de “Oceans”, o single que fez a dupla despontar de vez. Eles são da cidade de Bridlington, e lançaram o primeiro disco, “Tell Me It’s Real” em Janeiro de 2016, estreando na parada musical da Inglaterra. Com Jack Sedman no vocal – dono de uma voz maravilhosa – e Harry Draper na guitarra, o som da banda é ideal para quem gosta de Tom Odell, James Bay, Gabrielle Aplin e bandas que misturam letras românticas com guitarras e violão.

Vale super a pena ouvir todo o álbum, que é um dos meus favoritos lançados neste ano. As músicas tem letras muito boas (que é o que eu sempre levo em consideração!). Além dos singles, não deixe de ouvir: “Missing”, “Breathe”, “To The Sea”, e “Out Of Nowhere”. O estilo da banda é indie folk.

Os clipes da banda são todos criativos e bem diferentes: eles escolhem temas inesperados que vão ser a história dos vídeos. O clipe de Oceans é estrelado por Maisie Williams de Game of Thrones, e em Wildifre (que já foi trilha sonora de “The Longest Ride”), eles recriam um experimento amoroso famoso que ocorreu em 1997.

Você pode ouvir aqui. A banda está ganhando bastante repercussão aqui no Brasil, tanto que no ranking do seu perfil no Spotify, a cidade que eles mais tem acessos é São Paulo. Incrível, né? Eu acho que eles combinariam muito com o Lollapalooza. Ouçam e se apaixonem também!