• 80c13eb801803ddd50f19081bf729c15
    Looks, Moda

    O vintage que me inspira

    ver post
  • Captura de Tela 2018-11-03 às 12.04.50
    It Girl, Moda

    Estilo: brasileiras para acompanhar

    ver post
  • 257264ac0224c745bbb3d2f8fb6a7cc6
    Textos

    Uma pausa para resistir

    ver post
  • A-Star-Is-Born-2
    Filmes

    Filme: Nasce Uma Estrela

    ver post
  • Abril 10, 2017
    postado por
    large-2

    Abril está sendo um mês em que eu estou descobrindo várias playlists e músicas novas. 13 Reasons Why, além de ser uma ótima série, também é responsável por um soundtrack maravilhoso, cheio de canções que parecem antigas, mas na verdade são bem atuais. A minha banda favorita, The Maine, lançou o sexto álbum da carreira. A turnê do “Lovely, Little, Lonely” passa pelo Brasil em Julho (quem vai?) e eu tô super empolgada para ouvir algumas músicas ao vivo. Já a série que eu mais curto, Skam, voltou e com isso vem um monte de música boa em cada episódio (a playlist no Spotify é imperdível).

    Março 27, 2017
    postado por
    Zara-Larsson-So-Good-2017-2480x2480

    Zara Larsson tem 19 anos: a cantora e compositora sueca já está no mundo da música faz um tempo, mas foi apenas em 2015 que ela estourou de vez com “Lush Life”, e posteriormente com as faixas “Never Forget You” e “Ain’t My Fault”. As cantoras pop européias normalmente trazem um frescor para o mundo da música comercial, com letras mais honestas (que estão presentes nas baladas que Zara escreveu para o seu álbum de estréia). Um exemplo é a Tove Lo, Shura e a MØ.

    O álbum, que foi super aguardado pelos fãs (já que ele havia sido prometido para 2016) traz alguns hits que já conhecemos e faixas novas que focam em mostrar a voz da cantora, que mesmo ainda estando na adolescência, tem um vocal digno de cantoras mais antigas do R&B. Zara explora bastante isso em faixas como “Only You”, um dos maiores destaques. Suas letras acompanham esses momentos (“No one has ever touched me like I touch myself, only you”). “One Mississippi”, que traz como temática um relacionamento tóxico, cheio de vai e voltas e momentos indefinidos, em que o eu lírico confessa não fazer nada para sair daquela situação, é a minha favorita de todo o disco.

    Até mesmo as músicas mais românticas possuem refrões chicletes que grudam na cabeça e que mostram para o que Zara Larsson veio: ela é ambiciosa sim e quer conquistar mais espaço no mercado, principalmente na América, onde ela ainda não é tão conhecida, apesar de ter uma fã base bem forte na Europa.

    2016_ZaraLarson_BellaHoward_07_220916-2

    E depois desse álbum, na minha opinião, Zara tem as ferramentas que precisa para conquistar mais público. Talento e boas composições não faltam: “Make That Money Girl” é sobre o empoderamento feminino. Ela sempre fala sobre o feminismo nas suas redes sociais e questões políticas. A letra da canção é inspiradora e transmite bem a mensagem que a Zara gosta de passar constantemente. “What They Say” segue a vibe de letras sobre ter atitude, e não se importar com a opinião alheia.

    I Can’t Fall In Love Without You” e “Funeral” são baladas românticas com letras poderosas, sensíveis e emocionantes. Essas faixas do álbum não carregam tanto o espirito radiofônico, super presente nas músicas da Zara, mas isso mostra que não é só de possíveis singles que ela vive, e sim que ela é uma compositora capaz de escrever letras incríveis e mais profundas.

    A minha favorita é “Symphony” em parceria com Clean Bandit (que aliás, tem um clipe maravilhoso!). Além da letra ser ótima, a música também é perfeita pra tocar em baladas (ou seja, é o conjunto completo).

    Fevereiro 11, 2017
    postado por
    Sem título

    Em Fevereiro eu descobri várias músicas novas pela rádio durante a viagem. Algumas fizeram eu ficar viciada, e eu acabei começando a gostar de novas bandas também, como Hey Violet. E em Janeiro, a minha banda favorita, The Maine, anunciou as datas da nova turnê mundial, após o lançamento do disco novo, “Lovely Little Lonely”, em 4 de Julho. Eu já comprei o meu ingresso para o show de Porto Alegre. Quem mais vai?

    Dezembro 29, 2016
    postado por
    seafret

    A última indicação musical do ano vai para o duo britânico Seafret, que me conquistou de primeira, após eu assistir o clipe de “Oceans”, o single que fez a dupla despontar de vez. Eles são da cidade de Bridlington, e lançaram o primeiro disco, “Tell Me It’s Real” em Janeiro de 2016, estreando na parada musical da Inglaterra. Com Jack Sedman no vocal – dono de uma voz maravilhosa – e Harry Draper na guitarra, o som da banda é ideal para quem gosta de Tom Odell, James Bay, Gabrielle Aplin e bandas que misturam letras românticas com guitarras e violão.

    Vale super a pena ouvir todo o álbum, que é um dos meus favoritos lançados neste ano. As músicas tem letras muito boas (que é o que eu sempre levo em consideração!). Além dos singles, não deixe de ouvir: “Missing”, “Breathe”, “To The Sea”, e “Out Of Nowhere”. O estilo da banda é indie folk.

    Os clipes da banda são todos criativos e bem diferentes: eles escolhem temas inesperados que vão ser a história dos vídeos. O clipe de Oceans é estrelado por Maisie Williams de Game of Thrones, e em Wildifre (que já foi trilha sonora de “The Longest Ride”), eles recriam um experimento amoroso famoso que ocorreu em 1997.

    Você pode ouvir aqui. A banda está ganhando bastante repercussão aqui no Brasil, tanto que no ranking do seu perfil no Spotify, a cidade que eles mais tem acessos é São Paulo. Incrível, né? Eu acho que eles combinariam muito com o Lollapalooza. Ouçam e se apaixonem também!

    Novembro 22, 2016
    postado por
    A banda é formada por Wesley Schultz, Jeremiah Fraites e Neyla Pekarek.

    A banda é formada por Wesley Schultz, Jeremiah Fraites e Neyla Pekarek.

    O The Lumineers estourou em 2012, com “Ho Hey”, um dos singles que com certeza você já ouviu diversas vezes na rádio. A banda de Denver, Colorado, conquistou um espaço enorme na música e lançou em 2016 o seu segundo álbum, intitulado de “Cleopatra.” Sabe aqueles discos que você se apaixona e não consegue parar de ouvir de jeito nenhum? Foi isso que aconteceu comigo ao me deparar com um clipe de um dos singles, e procurar todo o álbum no Spotify. O estilo da banda é indie folk, e se você gosta de artistas como Vance Joy, Mumford & Sons e Of Monsters and Men, também vai se interessar.

    O álbum estreou em #1 na Billboard 200.

    O álbum estreou em #1 na Billboard 200.

    O que mais me chamou a atenção, além da sonoridade das músicas – que contam com a presença de violão, piano e guitarra – (que se encaixariam muito bem na trilha sonora de alguns filmes e numa playlist de viagem), são as letras sensacionais. Esse é um dos pontos principais para mim na música. Ela são escritas pelos integrantes da banda e a intenção deles é contar histórias que aconteceram na sua vida e na de outras pessoas também.

    Não deixe de ouvir: Ophelia, Gale Song, Long Way From Home, Sleep On The Floor, Angela, Cleopatra.

    Os clipes lançados são maravilhosos e contam uma história. Os fãs da banda estão sempre compartilhando teorias na internet (e os integrantes respondem algumas) que explicam o sentido dos clipes; as músicas lançadas como single até agora são sobre a mesma pessoa, segundo o próprio vocalista Wesley já explicou. Porém, os vídeos não seguem a ordem cronológica da história (ou seja, tem que tentar compreender mesmo, mas essa é a graça!).

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA