O que assistir hoje na Netflix
06/05/2017 | Categoria: Séries

170208095938-dear-white-people-image-exlarge-169

Título: “Dear White People”

Estréia: 28 de Abril

Diretores (as): Justin Simien, Berry Jenkins, Nisha Ganatra, Tina Mabry, Charlie McDowell e Steven K. Tsuchida

Dear White People pode ser considerada uma das melhores séries já produzidas pela Netflix. O motivo? Com apenas 10 episódios, com 30 minutos cada, a série consegue abordar diversos temas importantes que envolvem a negritude: racismo, colorismo, militância, violência policial, e também a vida do negro nos espaços como a universidade. Na série, nós conhecemos Samantha White (Logan Browning) que é dona de um programa de rádio que leva o nome da série. Samantha usa a sua voz para denunciar todos os problemas que ela e os seus amigos vivenciam todos os dias. Tudo começa quando os estudantes de um dos jornais da faculdade organizam uma festa com o tema de “black face”, causando uma reação de Samantha e dos seus amigos, que também são personagens importantíssimos nesta história.

A série não possui só um protagonista, e sim vários, no qual temos a oportunidade de conhecer a história, os medos e a vivência de cada um. Os personagens são complexos e muito bem trabalhados em episódios dedicados à eles, dando espaço para mais assuntos serem abordados, como por exemplo, o desafio de Lionel (DeRon Horton) em lidar com a sua homossexualidade, em como as maneiras de resistência podem ser diferentes com Coco (Antonitte Robertson), o esforço de quem sempre é o líder dos movimentos, como o Reggie (Marque Richardson), e a busca pelos seus objetivos, por sempre querer agradar o pai, de Troy (Brandon P Bell).

Eu assisti tudo em uma só tarde, tamanho foi o jeito que a série me prendeu. Ela te faz questionar, refletir, e traz um episódio extremamente comovente: o episódio 5, dirigido por ninguém menos que Berry Jenkins, de Moonlight, é impactante, honesto e precisa ser discutido. Não quero dar spoilers, mas ele aborda um dos assuntos mais atuais do momento, que originou o movimento Black Lives Matter.

you-me-her-900x600

Título: You, Me, Her

Estréia: 10 de Fevereiro

Diretores (as): Nisha Ganatra e Sara St. Onge

You, Me, Her possui duas temporadas e a sua primeira estreou este ano na Netflix. A série é uma comédia (com um pouquinho de drama) bem diferente do que estamos acostumados a ver. Sem muitos clichês, a série aborda o casamento de Emma (Rachel Blanchard) e Jack (Greg Pohler). Os dois estão juntos faz um bom tempo e se amam. Eles não possuem problemas no casamento, mas algo os incomoda: a rotina bateu e os dois não tem mais aquele romance que possuíam antes. É aos poucos que Izzy (Priscila Faia) entra na história, após conhecer Jack. Ambos se atraem instantaneamente por Izzy, e ela pelos dois.

Izzy está na universidade. Ela tem uma rommate, a Nina (Melanie Papalia), e alguns relacionamentos frustrados na bagagem. Ela até tem alguns rolos, mas nenhum deles funciona de verdade. Izzy, de início, fica com medo de se envolver demais com Emma e Jack, mas eles tem muita química e a paixão acontece. You, Me, Her é sobre poliamor, aceitação, confiança, bissexualidade e relações não monogâmicas que funcionam sim, muito bem.

O enredo é responsável por desconstruir estereótipos e aqueles tramas em que relacionamentos LGBTQ+ sempre acabam em tragédias (estamos cansados de ver essa repetição). Óbvio que nem tudo são flores – assim como em qualquer outro namoro – mas  os personagens conseguem lidar com os conflitos, os ciúmes, e os problemas que aparecem no meio da relação. Eles também tem que encarar o preconceito dos amigos e das pessoas ao redor, que não tem absolutamente nada a ver com a vida deles, mas insistem em se meter na relação dos três. Sim, bem parecido com a vida real!

Ah, e o cast é excelente. Os três atores principais tem uma interação incrível juntos.


Série: GIRLBOSS
23/04/2017 | Categoria: Séries

netflix-girlboss-01

GIRLBOSS, que estreou nesta Sexta-Feira (20/04) na Netflix, é baseado no livro homônimo, escrito por Sophia Amoruso, a criadora da Nasty Gal, uma das lojas virtuais mais populares nos útimo anos. Quem nunca acessou o site da loja e desejou alguma roupa, apesar dos preços serem bem salgados? A história de Sophia já é bem conhecida na mídia: ela teve a ideia de criar a sua empresa literalmente do nada, vendendo roupas vintage no eBay. As suas vendas bombaram, e foi investindo na sua ideia que ela criou o site da loja e posteriormente, as lojas físicas.

O livro foi adaptado para a TV por Kay Cannon, que também produziu os três filmes de Pitch Perfect. Ele é produzido pela própria Sophia e a atriz Charlize Theron. Praticamente todo o time é composto por mulheres. A protagonista é a conhecida Britt Robertson, que tem uma extensa carreira no mundo cinematográfico.

O enredo basicamente nos apresenta à Sophia, uma jovem de 22 anos que vive em San Francisco, na Califórnia, e não segue nem um pouco os planos que a sociedade ou o seu pai planejaram para ela. Sophia não gosta do seu emprego e não possui quase nenhuma grana: na verdade, ela não tem ideia do que vai fazer para sobreviver, e a vida adulta a assusta completamente. A personagem é divertida, engraçada e egoísta sim, em muitos momentos. Ela está longe de ser perfeita. Para mim, esse foi um dos trunfos da série: a protagonista é crível, honesta, e tem um milhão de defeitos. Muita gente reclamou da personagem, mas a Sophia que nos é apresentada é uma pessoa complexa e meio sem rumo. Ela é humana, como todos nós.

girlboss-estreia-netflix03

Após ser demitida do emprego, Sophia tem a ideia de vender roupas vintage – que ela compra em brechós por preços baixos – no eBay, de maneira bem mais cara. A ideia é despretensiosa, mas dá muito certo. Ela é apaixonada por moda e possui uma visão do negócio que ainda não existia até então, e ela acaba lucrando bastante com a sua ideia, até conseguir pagar o seu aluguel (do qual ela seria despejada) e poder bancar as suas despesas mínimas sozinha. Desde o inicio da sua jornada, nada ocorre de maneira fácil. É claro que a visão da série sobre os fatos pode ser um pouco romantizada – e em alguns momentos, cair no clichê – mas ela cumpre bem o papel de divertir e de focar em mulheres como protagonistas.

Aliás, com uma equipe feminina tão grande na sua produção, seria díficil GIRLBOSS não fazer um retrato honesto das dificuldades que as mulheres empreendedoras sofrem. Sophia é descreditada a todo minuto. Tudo bem que a sua personalidade instável pode contribuir em alguns momentos, mas o tempo todo ela se vê sendo questionada por pessoas que não acreditam que uma mulher jovem possa ser a dona de uma empresa. Até mesmo quando a Nasty Gal já está famosa e rendendo lucros altos, ela continua sendo alvo de desconfiança. Enquanto eu assistia a série, eu consegui me lembrar de várias mulheres que eu conheço que são donas de negócios diferentes e sofrem com o machismo o tempo todo.

A amizade feminina também ganha um destaque especial e é a responsável por nos trazer as melhores e mais engraçadas cenas. A melhor amiga de Sophia é a Annie (Ellie Reed). Durante a história, ela é a única pessoa que não duvida de nenhum momento da amiga, mesmo que elas briguem e discordem uma da outra em diversos momentos. Pelo contrário, Annie está sempre lá para ajudar (até quando Sophia não merece). A amizade delas vem de anos, e é legal ver a evolução das duas personagens.

20girlboss1-master768

A série também traz romance, mas não é o foco principal. Sophia conhece o baterista de uma banda, Shane, e os dois se tornam próximos bem rapidamente. Apesar dele estar em turnê o tempo todo, o relacionamento continua bem. Mas justamente na semana de lançamento da Nasty Gal, Sophia descobre que o namorado a traiu. Mesmo com o choque, ela age de maneira bem madura frente ao final do relacionamento. O motivo? Ela não quer atrapalhar a sua carreira, mesmo que a traição a tenha machucado muito. A sua prioridade é seguir o seu sonho. Ou seja, ela não deixa nada de lado frente à uma figura masculina.

Aliás, a paixão que ela sente pelo próprio negócio é o ponto principal da série. Mesmo com muitas dificuldades, ela nunca desiste. E esses problemas podem ser tristes ou cômicos, mas Sophia os encara de frente. GIRLBOSS é uma série que te motiva a seguir aquilo que você realmente quer. E que mulheres jovens podem, sim, ser empreendoras incríveis, apesar de muitos desafios pelo caminho. A visão feminina foi a minha parte favorita da série. É raro nós vermos histórias sobre mulheres bem sucedidas sendo exibidas nos seriados.

Os episódios tem em torno de 25 minutos, e são 13 no total. A série é leve, engraçada, e tira sarro de muita coisa dos anos 2000 (como The O.C, por exemplo). É imperdível para quem quer assistir algo sobre empoderamento feminino, e também rir bastante.


Por que 13 Reasons Why é tão importante
02/04/2017 | Categoria: Séries

13reasonsposter

13 Reasons Why, produzido pela Netflix, estreou nesta Sexta-Feira (31/03) no serviço de streaming. A série é uma adaptação do livro homônimo de Jay Asher, publicado em 2007. Eu li o livro em 2011, quando eu tinha 12 ou 13 anos. Eu me lembro até hoje de como ele me impactou profundamente. A história é sobre Hannah Baker, uma adolescente de 17 anos que comete suicido. Ela deixa treze fitas explicando os motivos que a levaram a tomar essa decisão, e cada fita é para uma pessoa, que cometeu algum ato – de propósito ou não – que a magoou profundamente, e influenciou a sua vida de alguma maneira.

O tema principal do enredo é o bullying e o ensino médio. Com este último, muitos de nós estamos familiarizados, mas com o primeiro, talvez nem todos. Bullying, cyberbullying e slut shaming se tornaram mais presentes do que nunca nos últimos anos. Todo mundo conhece alguém que já sofreu bullying: talvez você mesmo, como eu, já tenha ter passado por isso. Porém, esses são temas que as pessoas muitas vezes se negam a discutir. Doenças mentais e suicídio também são um deles. A proposta da série é tratar sobre tudo isso, de maneira honesta e brutal. Sem delicadeza, sem papas na língua. É uma verdade nua, crua e muito dolorida, mas que expõe sem medo como é difícil ter que enfrentar estes problemas.

13-reasons-crop

O protagonista é Clay Jensen, um garoto tímido e nerd que nutria uma paixão quase platônica por Hannah. Os dois eram amigos, mas ele não sabia de tudo que se passava com ela, e também tinha medo de confessar seus sentimentos. Clay não entende porque ele está na fita, já que tecnicamente ele não faz nada de mal para Hannah. Mas posteriormente ele vai entender o porque está lá. A história mistura flashbacks e momentos atuais, que explicam o que cada pessoa fez. As situações são complicadas: Justin (Brandon Flynn) é um garoto bonito que chama Hannah para sair. Ela aceita, mas depois ele espalha mentiras sobre ela, contribuindo para que sua reputação fosse estragada na escola. Jessica (Alisha Boe) Alex (Miles Heizer), assim como a personagem, também eram alunos novos na escola. Eles se tornaram amigos, mas eles traem a confiança de Hannah, a deixando de lado e acreditando em rumores falsos sobre ela.

13-reasons-why-season-1_poster_goldposter_com_5.jpeg@0o_0l_800w_80q

Ela é alvo constante na escola: assim como Hannah, outros personagens também sofrem com humilhações e violências, verbais ou físicas. A série também faz um contraponto em como o ser humano pode ser hipócrita, e mostra a cultura do ensino médio, com a pressão e as ameaças que os jovens encaram todos os dias. Alunos brilhantes e que participam do grêmio estudantil também podem ser cruéis, sempre maquiando a sua personalidade real com notas altas, por exemplo. É o caso de Marcus (Steven Silver), Courtney (Michele Selene) e Tyler (Devin Druid).

Cada episódio traz uma nova revelação, e além de te deixar com vontade de ver o próximo, eles também trazem uma carga psicológica pesada muito grande. O objetivo é cumprido com maestria, e é impossível ver a série sem se questionar e refletir de como a maneira que tratamos os outros pode impactar de maneira irreparável na vida de alguém. De como o jovem pode ser manipulador, mas os adultos também entram no pacote. E uma das lições mais importantes é que devemos reparar mais nos outros e nos sinais que eles demonstram. Muitas vezes as agressões são ignoradas em ambiente escolar, até mesmo pela própria instituição, outro tema abordado em 13 Reasons Why. A ignorância do ser humano muitas vezes pode sim, acabar com a vida de alguém.

Os temas são bem explorados, e é difícil assistir esta série – com episódios que possuem em torno de 55 minutos – sem se deixar abalar. O estupro e o assédio sexual também ganham um espaço enorme. As cenas são as mais verdadeiras possíveis, e é algo desconfortável de assistir, mas esse foi exatamente o objetivo dos produtores da série ao fazerem as cenas. Dói e você sofre de verdade junto com o personagem. Acredito que isso é necessário, pois nos deixa uma mensagem que as pessoas precisam entender: a culpa nunca é da vítima.

13-reasons-why

Sobre o cast da série: só é possível dizer maravilhas sobre os atores que foram escolhidos. Eles deram vida aos personagens de maneira impecável, e o grande destaque fica para a australiana Katherine Langford, como Hannah, Dylan Minnette, como Clay, e Kate Walsh, como a mãe de Hannah. Kate é uma das melhores atrizes da série, e ela e Bryan D’Arcy James obtiveram a complicada tarefa de interpretar os pais de Hannah. Mas ambos fazem isso muito bem, e é possível enxergar o sofrimento que os pais dela sentem, e de como isso vai afetá-los para sempre. Todos os atores estão ótimos nos papéis.

Confesso que assisti a série com uma dor enorme no coração em muitos momentos. A gente já sabia desde o inicio o que aconteceria com a Hannah, mas ver a morte da personagem foi horrível e realista, ao mesmo tempo. Horrível porque é péssimo ver algo assim acontecendo, e realista, porque isso infelizmente acontece com milhares de pessoas a todo momento no mundo. E é por isso que precisamos, urgentemente, falar mais sobre isso. E eu acredito que 13 Reasons Why pode incentivar debates importantes sobre o suicídio e a saúde mental. Durante o decorrer da série, a gente sente vontade de ajudar a personagem e dizer que tudo vai passar. Um dia o ensino médio acaba. Um dia coisas melhores aparecem na nossa vida. Mas nem sempre as pessoas tem a ajuda necessária para entender que vale a pena ficar.

E se teve algo que essa série me ensinou (além de muitas outras) é que é preciso ser gentil. É preciso ser compreensivo. É necessário enxergar melhor as outras pessoas.


Skam, a melhor série norueguesa que você respeita
17/12/2016 | Categoria: Séries

skam

Sabe aquelas séries que te deixam completamente viciado e você assiste todas as temporadas em um final de semana? Foi isso que aconteceu comigo após assistir o primeiro episódio de SKAM, série da Noruega exibida desde 2015 e criada por Julie Andem. A premissa da série é básica: ela fala sobre a vida de jovens que entraram ou estão saindo do ensino médio, seus relacionamentos, e as experiências que praticamente todo mundo vive na adolescência. Mas o diferencial está na construção dos personagens: cada temporada é focada em um, ou seja, nós vemos a visão dele sobre os acontecimentos e os seus problemas.

A série também tem características inovadoras: antes do episódio completo ser liberado, as cenas que acontecem em “tempo real” são exibidas naquele exato horário no site do seriado, assim como mensagens de texto trocadas pelos protagonistas. Cada personagem também tem a sua conta no Instagram, que é atualizada constantemente. Os temas são atuais e recorrentes: islamofobia, feminismo, crise dos refugiados e doenças mentais ganham destaque em alguns episódios. 

Even e Isak, o casal foco da terceira temporada

Even e Isak, o casal foco da terceira temporada

Até agora, três temporadas já foram exibidas (a season 3 terminou ontem). A primeira protagonista é Eva, uma garota que tem poucos amigos: a sua única companhia é o namorado Jonas, e o melhor amigo dele, Isak. Acompanhamos-na em sua jornada tentando se descobrir, enquanto procura fazer novas amizades. A segunda é sobre a Noora (minha personagem favorita). Ela é independente, feminista e tem convicção das suas opiniões. Só que como nada é perfeito, ela acaba se apaixonando por William, o cara mais clichê que ela já conheceu na vida. E a última, que até agora já é a queridinha dos fãs, aborda o desenvolvimento de Isak, que passou anos fingindo ser heterossexual, até se arriscar de verdade e ter certeza que ele gostava de garotos, e se aproximar de Even.

Eles abordam temas com profundidade, e ao mesmo tempo, de maneira delicada. Dá para se identificar com os personagens: todos eles possuem diversos defeitos e qualidades, de maneira realista e bem próxima do que nós vemos todos os dias na escola ou na faculdade.

evak

A trilha sonora também não deixa nada a desejar. É possível ouvir artistas indies que você já conhece, e descobrir outras músicas e bandas maravilhosas (principalmente da música Norueguesa). Todas as músicas são disponibilizadas no Spotify nessa playlist, atualizada sempre que o episódio é liberado.

Não deixem de assistir! Eu me tornei fã da série e tenho certeza que vai acontecer o mesmo com vocês. É uma pedida ótima para as férias.

Assista aqui, aqui e aqui no grupo de fãs da série no Facebook, sem precisar fazer download.


Motivos para assistir Gilmore Girls
31/10/2016 | Categoria: Séries

rory-lorelai

Gilmore Girls é uma daquelas séries que você começa a assistir e se apaixona de primeira pelos personagens e pela história. Depois, fica impossível desapegar deles! Já faz um mês que eu estou maratonando a série na Netflix. Eu tinha vontade de assistir, mas comecei mesmo ao ficar sabendo que uma temporada especial seria lançada em Novembro. E eu não me arrependi. Agora, Stars Hollow já faz praticamente parte da minha rotina!

Se você, assim como eu estava fazendo, ainda está adiando a sua maratona, eu vou te dar bons motivos para começar a assistir Gilmore Girls. A série começou a ser exibida em 2000 e terminou em 2007, com sete temporadas e 153 episódios. Ela marcou uma geração e foi um dos maiores sucessos de audiência da CW. E ainda hoje possui milhares de fãs.

large

A série é feminista

O feminismo não era nem de perto tão debatido em 2000 como é hoje, principalmente na TV. Mas a série criada por Amy Sharman-Palladino já estava tratando deste tema. A série é protagonizada por duas personagens muito interessantes: Lorelai e Rory – mãe e filha – são melhores amigas e o foco é a relação das duas. Lorelai engravidou aos 16 anos, e criou Rory sozinha, mesmo quando ainda era muito nova. As duas tem muitas semelhanças, mas como em toda relação, elas também tem vários conflitos e ideias diferentes. Todas as personagens mulheres são fortes e complexas. Emily Gilmore, Paris Geller, Sookie, Lane… E as amizades femininas ganham um grande destaque nos episódios.

Os diálogos tem um formato diferente

Quando você começar a assistir os episódios, vai perceber que o seriado traz uma dinâmica bem inovadora. Os diálogos são todos rápidos e se aproximam da vida real. Os atores tem uma química incrível contracenando uns com os outros, principalmente Lauren Graham (Lorelai) e Alexis Bledel (Rory). As duas conversam como se fosse a vida real mesmo. Ah, e uma das marcas registradas de Gilmore Girls são as referências! Lorelai e Rory citam praticamente tudo: seja filmes, séries, programas de TV, músicos, artistas… e normalmente fazem piada sobre isso. Então, se você conhece a referência, vai poder rir bastante.

large-1

Os personagens te conquistam

Até a nossa série favorita tem personagens que a gente não suporta. Faz parte. Mas em Gilmore Girls é difícil achá-los. A atuação do elenco é a grande responsável por fazer você se apaixonar pela maioria dos personagens. Eles são engraçados e possuem personalidades únicas. Um dos meus favoritos – e da maioria dos fãs – é o Luke (Scott Patterson). Tem como não gostar do mau humor do personagem e os seus comentários sarcásticos? Também é complicado decidir qual personagem você prefere que fique com a Rory. Dean, Jess ou Logan? Essa é uma dúvida que atinge todo mundo que assiste a série. Eu preciso confessar que prefiro o Jess, mas eu vivo mudando de ideia (menos com o Dean, que é chato zzZZzz).

Recentemente a Netflix anunciou que iria produzir uma temporada especial, mostrando um ano na vida dos personagens. Cada episódio – serão quatro – terão uma duração de 90 minutos e vai se passar em uma respectiva estação do ano. Os fãs estão ansiosos para saber o destino de alguns personagens. A estreia está marcada para 25 de Novembro. Eu não sei se consigo terminar toda a série até lá, mas estou na expectativa!

large

<


O que assistir na Netflix
20/08/2016 | Categoria: Séries

large (1)

Unbreakable Kimmy Schmidt – 2 temporadas (26 episódios) – Download aqui

Eu comecei a assistir Kimmy Schmidt – criado pela maravilhosa Tina Fey – nas férias de Julho e vi a primeira temporada em apenas dois dias. Quando você começa, é impossível parar! A série de comédia tem como protagonista a Kimmy, uma mulher de 30 anos que foi sequestrada (de um jeito bem cômico) quando tinha apenas 15, por um pastor maluco que fraudou um suposto apocalipse, enganando Kimmy e outras três mulheres, que passaram quinze anos juntas em um abrigo. A história pode parecer meio maluca, mas é uma das séries mais engraçadas da Netflix. Agora, ela quer recomeçar a sua vida, e vai morar em Nova York. Lá, ela conhece Tituss, seu futuro melhor amigo, que é talentoso e quer começar uma carreira na Broadway, e Lilian.

large (1)

Cheio de piadas sobre a cultura pop e muitas referências ao feminismo, é difícil não amar os personagens, que são cômicos e muito bem explorados no decorrer dos episódios. P.s: a música de abertura vai grudar na sua cabeça.

258537

Stranger Things – 1 temporada (8 episódios) – Download aqui 

Com certeza você já ouviu falar de Stranger Things, a série mais comentada no último mês na internet. E não é por acaso! Se você ainda não assistiu, vale muito a pena. Sério: não deixe de ver. Sabe aquelas séries envolventes, que te conquistam de um jeito que você termina o episódio e continua horas pensando sobre o que assistiu? Inspirado nos filmes de suspense e sci-fi dos anos 80 e 90, o seriado, criado pelos irmãos Matt e Ross Duffer, faz homenagem a diversos clássicos cinematográficos (a começar pelo pôster de divulgação: te lembrou Star Wars?).

large (2)

Tudo começa quando o jovem Will Byers desaparece sem explicações. Sua mãe Joyce – interpretada de maneira incrível por Winona Ryder – não desiste de encontrar uma justificativa válida para o sumiço do filho e continua procurando-o. Nesse meio tempo, um monte de coisas estranhas começam a acontecer na cidade, inclusive o surgimento de Eleven, uma menina fugitiva que possui poderes surpreendentes. Destaque para o elenco excelente, de crianças, passando pelos jovens, até chegar nos adultos. A atuação deles é de impressionar qualquer um. O sucesso foi tanto, que uma segunda temporada já está nos planos da Netflix. Só não se sabe para quando… :(

The_Fundamentals_Of_Caring_poster

The Fundamentals Of Caring – 2016 – Download aqui

Se você quer assistir um filme leve e que te faça dar boas risadas, mas também refletir, The Fundamentals of Caring, estrelado por Paul Rudd, Selena Gomez e o ótimo Craig Roberts (o ator britânico que protagonizou Submarine e também participou de Skins) é uma boa pedida. Ben é um cara meio sem rumo na vida: ele está prestes a se separar da mulher e é desempregado. Após fazer um curso de cuidador, ele consegue um emprego para ajudar o Trevor, um garoto de 18 anos com distrofia muscular. Trevor é meio amargurado, mas ele é engraçado e não perde a oportunidade de tirar sarro de Ben – e de si mesmo -, mesmo que a sua doença o impeça de realizar diversas atividades.

Os dois embarcam em uma roadtrip juntos nos Estados Unidos. Meio contrariado, Trevor tem medo de realizar a viagem por causa das suas condições de saúde. Mas no meio do caminho, os dois encontram outras pessoas que fazem o trajeto tomar um rumo diferente, e uma delas é Dot, uma garota de idade próxima a dele que vai fazer Trevor se apaixonar. Pode parecer que sim, mas o filme não é clichê: pelo contrário, ele é realista em vários momentos, mas sem perder a graça.


Série: The Shannara Chronicles
05/02/2016 | Categoria: Séries

série

Quero indicar para vocês uma série incrível que estreou faz pouco tempo (então não tem desculpa: ainda dá para se atualizar nos episódios!). The Shannara Chronicles, produzido pela MTV e baseado na trilogia de livros “A Espada de Shannara”, do autor Terry Brooks, é uma das estreias mais legais dessa mid season (período nos EUA que definem as séries que começam a serem exibidas em Janeiro, quando a maioria está em pausa). O seriado tem uma mega produção, ou seja, você pode esperar por cenários muito legais e que transmitem com maestria o universo onde o enredo acontece.

Milhares de anos depois da destruição da nossa civilização, a Terra é dividida em o que é conhecido como Quatro Terras, cujos habitantes são uma mistura de raças, incluindo elfos, anões, trolls, gnomos e seres humanos. No centro está a família Shannara, cujos descendentes são capacitados com magia antiga e cujas aventuras continuam a mudar o futuro do mundo. Quando a história começa, as forças escuras e terríveis que se pensava estarem confinados por anos, começam a escapar.

Quando Amberle, uma jovem princesa élfica; Wil, o último descendente da família Shannara; e Eretria, uma Rover humana, aprendem que apenas eles têm o poder de parar o avanço do mal, eles formam uma aliança. A missão aparentemente impossível para salvar o mundo, torna-se uma viagem de auto-descoberta, enquanto eles encontram a força interior para superar a auto-dúvida e o medo, e abraçam seus destinos.

A protagonista dessa história é a princesa Amberle (Poppy Drayton), que precisa liderar uma missão para salvar a Ellecrys, uma árvore sagrada. Cada folha que cai dela representa um novo demônio que é liberado para a Terra. O enredo é cheio de mitologias interessantes, que vamos descobrindo aos poucos em cada episódio. O elenco também é super competente e os personagens são complexos. A Eretria (Ivana Baquero), uma nômade, vai roubar a sua atenção: ela completa o triângulo amoroso entre Amberle e o Will (Austin Butler). Mas a série, mesmo sendo teen, foge daqueles clichês de sempre e te surpreende bastante. Em outros arcos da história, também temos o Allanon (Manu Bennett) que é um druida e feiticeiro, e o Bandon (Marcus Vanco), que pode ver as possibilidades do futuro e a morte de quem o toca.

shannara

Se você gosta das séries feitas pela MTV, provavelmente também irá gostar de Shannara, que traz um diferencial com ótimos efeitos especiais e personagens femininas fortes. Eretria, Amberle e a comandante Tilton são guerreiras natas e conquistam de primeira quem assiste. A audiência anda bem e é provável que ela seja renovada para uma segunda temporada. A season one tem dez episódios confirmados até agora.

shannara1

  • Você pode fazer o download dos episódios em torrent aqui e assistir online aqui.
  • Se você, como eu, já está viciado, não deixe de conferir o Shannara Brasil, site da série que sempre tem novidades.

Séries que você precisa ver nas férias
17/01/2016 | Categoria: Séries

Durante o ano eu quase não tive tempo para ver séries, mas quando as férias chegaram eu aproveitei o tempo para me atualizar nas minhas séries favoritas e começar novas, principalmente as do Netflix, que são as que eu mais gosto no momento (vamos combinar que eles arrasam na produção e nos roteiros). Depois de me apaixonar por Jessica Jones – na minha opinião a melhor estreia de 2015 -, eu comecei Sense8 e Narcos, que foram muito elogiadas. E também conferi lançamentos. Pega a pipoca!

sense8

Sense8 – Download

Tá a fim de assistir uma série incrível e que não vai deixar você descansar (literalmente) até terminar todos os episódios? Sense8, que foi lançada em Junho do ano anterior, é imperdível. Uma das melhores séries que eu já vi, e a história é meio complexa e cheio de mistérios (que você só consegue entender mais após cada episódio) e nos apresenta oito personagens, espalhados por lugares diferentes no mundo, que se conectam entre si de várias formas. Se não bastasse isso, eles são perseguidos por uma corporação que deseja descobrir mais sobre eles, e ameaça suas vidas. Riley é uma DJ que vive em Londres, Will é um policial de Chicago, Kala é uma indiana, Capheus vive na Quênia, Lito é um ator mexicano de sucesso, Wolfgang é um ladrão de cofres na Alemanha, Nomi é transexual e mora em San Francisco e Sun trabalha em uma empresa da família na Coréia do Sul.

O elenco da série é maravilhoso e vai te prender. Os personagens são muito bem elaborados e você vai conhecendo-os aos poucos, se identificando com a história de cada um deles e como elas podem se conectar (quando a gente menos espera). Ah, e os personagens coadjuvantes também não deixam a desejar: Alfonso Herrera sim, do RBD  interpreta o Hernando, e a namorada de Nomi, a Amanita, traz Freema Agyeman para o mundo das séries novamente depois do final de The Carrie Diaries. A maioria dos atores tem nacionalidades diferentes; todos falam inglês na série, mas é possível perceber o sotaque carregado. A Netflix mais uma vez samba trazendo uma série com diversidade e etnias distintas, do jeito que tem que ser!

A segunda temporada já foi confirmada e vai ser lançada este ano.

Narcos

Narcos – Download

Se você ainda não assistiu Narcos, corre! Depois de ver tantos elogios sobre o seriado eu resolvi assistir e terminei em uma semana. A trama é bem viciante e te deixa muito intrigado para descobrir o que vai acontecer em seguida. Só o desempenho impressionante do brasileiro Wagner Moura como protagonista já é um motivo excelente para você assistir. Sim, a atuação do Wagner é tudo isso que estão falando, e mais um pouco. Ele interpreta com maestria o famoso traficante Pablo Escobar, que é um mito até hoje na Colômbia. O enredo conta a história do cartel de drogas de Medellín, que já foi um dos mais ricos e violentos do mundo. A série é narrada pelo agente da DEA, o Steve (Boyd Holbrook), que tem como parceiro Javier Penã (Pedro Pascal, seu lindo).

A série foi indicada como “Melhor Série de Drama” no Globo de Ouro e o Wagner – como a maioria já sabe – como “Melhor Ator” pelo seu papel. Infelizmente eles não levaram os prêmios, mas eu estou torcendo para que as indicações rolem de novo para o ano que vem: Narcos merece muito e foi a minha segunda estreia favorita do ano. A série é dirigida pelo José Padilha, brasileiro que é responsável pelos filmes Robocop, Tropa de Elite 1 e 2, Rio Eu Te Amo e outros longas consagrados.

Sem título

Shadowhunters estreou nesta semana, no dia 12, na ABC Family. Baseado na popular série de livros “Os Instrumentos Mortais” de Cassanda Clare, ela estava sendo aguardada pelos fãs com muita expectativa. Depois que o filme foi lançado e não agradou a maioria, a esperança era que o seriado trouxesse a essência da saga. Até agora, só dois episódios foram exibidos. Eu assisti o primeiro e não dá pra formar aquela opinião ainda, mas eu posso dizer que me agradou muito mais que o filme. Eu achei fiel ao livro – na medida do possível – e gostei bastante da atuação do Dominic Sherwood como Jace. Agora, é esperar para ver se a série vai nos surpreender positivamente! (Download)

Mr. Robot foi uma das estreias mais elogiadas do ano: tanto que conquistou o Globo de Ouro por melhor série dramática. Sabe aquelas séries em que você não consegue entender tudo de primeira, e tem que continuar assistindo para compreender melhor? Mr. Robot, que tem como protagonista o Elliot (Rami Malek) um programador que trabalha durante o dia e a noite, exerce suas habilidades como hacker, é justamente assim. A história é cheia de pontas em aberto que vão te deixar curioso. Os atores são ótimos e o Rami Malek surpreende e consegue interpretar com habilidade um personagem que é solitário, ansioso e que não tem habilidade nenhuma para se comunicar com outras pessoas. Quem gosta de séries sem tanta ação, mas com tramas inteligentes, vai curtir. (Download)


Sugestões do mês
02/12/2015 | Categoria: Filmes, Séries

A maioria das pessoas já está entrando de férias no inicio de Dezembro (finalmente!) e essa é aquela época que a gente só quer se jogar no sofá e descansar pelos próximos dois – ou três – meses. Falta pouco para as minhas férias, que só vão chegar depois do vestibular (dia 12, 13 e 14) e depois disso eu quero passar um bom tempo sem ver qualquer material de estudo na minha frente, rs. Mas para quem já tá entrando no clima ou definitivamente já está sem aulas, fiz uma seleção de dois filmes e séries que eu assisti/estou vendo e curti.

mockingjay 1

A Esperança – Parte II

Eu sei, já faz um tempinho que estreou o último filme da saga Jogos Vorazes (uma das minhas favoritas), mas eu só consegui assistir o desfecho da história nos cinemas recentemente. Katniss decide enfrentar Snow de vez, e a guerra só se torna ainda mais intensa; Gale, Finnick, Cressida e Pollux são personagens que ganham mais destaque. Eu achei o filme extremamente fiel ao livro (e olha que eu nem lembrava todos os detalhes!). Eles seguiram muitas coisas à risca – para a felicidade dos fãs – e o desfecho foi digno. Todo mundo já sabe, mas vou repetir: a atuação do cast está ainda mais impecável neste longa final. Jennifer Lawrence mais uma vez mostra que é perfeita para o papel de Katniss. Os momentos de tensão são muitos: você não vai desgrudar os olhos da tela do cinema. E é claro, tem espaço para drama e cenas que dão aquela tristeza ao pensar em se despedir da série, pelo menos nos cinemas.

me earl and the dying girl

Me and Earl and The Dying Girl – 2015

Esse filme é indicado para quem gosta de produções mais indie (no estilo de As Vantagens de Ser Invisível), com referências a cultura pop, temas que te fazem refletir sobre o enredo, e diálogos e cenas mais lentas. “Me and Earl and The Dying Girl” que estréia em 25 de Janeiro no Brasil, traz como protagonista o Greg. Ele está terminando o ensino médio e sempre conseguiu viver na neutralidade: não fazia muitos amigos, mas também não tinha problemas com ninguém. Não sabe muito bem o quer fazer da vida, e tem um melhor amigo, o Earl (o personagem mais legal do filme na minha opinião), que é o parceiro dele na produção de filmes caseiros. Porém, a sua rotina é alterada quando a sua mãe o obriga a fazer amizade com a Rachel, uma colega de escola que está com câncer. Ele começa a dedicar um bom tempo da sua vida à ela, e os dois desenvolvem uma amizade inesperada.

O elenco do filme é ótimo. Rachel é interpretada pela Olivia Cooke, a Emma de Bates Motel. A atriz consegue transmitir o sofrimento e a angústia da personagem muito bem; o ator Thomas Mann nos convence bastante na pele de um garoto confuso e inseguro, e RJ Cyler rouba a cena como Earl. E para completar, como os pais de Greg, estão Nick Offerman (famoso pelo seu papel em Parks and Recreation) e a Connie Britton (quem lembra dela na season 1 de AHS?).

Na internet tem vários links para download.

Jessica Jones

Jessica Jones

Acho que antes de assistir a nova série do Netflix, baseada em uma das personagens da Marvel, “Jessica Jones”, a minha vida não tinha sentido e eu só fui descobrir isso agora. Se você tem o serviço de streaming, corra para assistir todos os episódios, porque vale a pena. Ou, faça o download. Jessica tem poderes, mas ela não é uma super-heroína: aliás, ela foge constantemente desse rótulo, e vive despercebida em um bairro de Nova York, enquanto trabalha como investigadora. Mas ela possui traumas do passado do qual precisa lidar. Jessica foi uma das vítimas de Kilgrave: ele possui o poder de influenciar as pessoas a agirem do modo como ele quiser. Ele é obcecado por Jessica, e quando ela acha que se livrou dele, ele tenta voltar para a sua vida.

A série é uma das melhores estreias do ano, e a roteirista, Melissa Rosenberg, revelou que um dos objetivos dela era mudar a forma como as mulheres são representadas nas histórias de super-heróis: “Esse sempre foi o meu objetivo durante a minha doída e longa carreira (…). Aparentemente as únicas pessoas que podem ter personagens obscuros, complexos e interessantes são os caras brancos. Quando será a hora das mulheres de interpretar esses personagens? Quando nós vamos poder mostrar as mulheres como seres humanos como quaisquer outros?” ela disse, em entrevista a Rolling Stone. O enredo também aborda temas como relacionamentos abusivos e estupro.

O cast é super competente e os atores trazem performances incríveis: Krysten Ritter interpreta Jessica e eu não poderia imaginar outra atriz no seu lugar. A atuação de David Tennant como Kilgrave é de tirar o fôlego. Você vai odiar o vilão, acredite. Destaque também para Mike Colter como Luke Cage, Eka Darville como o Malcom e a Rachel Taylor no papel de Trish.


O álbum da Halsey, Beach Weather e mais
14/09/2015 | Categoria: Música, Séries

large

O primeiro álbum da Halsey, Badlands

Eu já falei da Halsey aqui no blog, mas se você ainda não a conhece: ela é uma das apostas atuais do pop alternativo. Ela lançou faz algumas semanas o seu debut, que emplacou o #2 lugar na parada da Billboard. Incrível, né? Além das suas canções terem um conteúdo diferente, com letras incríveis (sobre os mais variados assuntos) ela trouxe uma visão mais legal pro mundo da música, na minha opinião. O título do álbum, Badlands, acompanha todo um conceito especial; é um local que não existe de verdade, mas é onde o disco é ambientado. Você pode ouvir de graça no Spotify. Faixas que eu recomendo (se você vai ouvi-la pela primeira vez): Colors, Drive, Hurricane, Ghost e Gasoline.

 beach weather

Conheça a Beach Weather

Para mim não existe um limite máximo de bandas para se viciar, e eu gosto muito de conhecer novas. Então quero indicar pra vocês uma banda que (literalmente) se formou há bem pouco tempo. A Beach Weather faz parte da 8123 e eles lançaram o seu primeiro EP, que tem 5 faixas, faz umas duas semanas. Ele leva o título de “What A Drag” e eu estou absolutamente viciada. As letras grudaram na minha cabeça; é aquele tipo de música boa pra ouvir com os amigos e cantar no carro. A banda é composta pelo Nick Santino nos vocais, Reeve Powers no baixo, Ian Holubiak na guitarra e Austin Scates na bateria. Ouça aqui.

large

Última temporada de Awkward

Sempre que nós acompanhamos uma série por muito tempo e ela chega ao fim, parece que vai faltar uma parte da vida sou dramática e quando ela tem um número de temporadas considerável, como Awkward, que está na quinta, você se torna “próximo” aos personagens. Quando eu assisti Awkward pela primeira vez fiquei muito viciada. Assisti toda a temporada em apenas dois dias, e eu AMEI a Jenna, e é claro, torci muito por ela e o Matty. Já nas outras temporadas eu juro que comecei – assim como os outros fãs – a sentir vontade de matar a Jenna, mas continuei assistindo. E agora o fim chegou. A season 5 estreou no final de Agosto e vai ser o desfecho da série. Vou sentir muita falta. Você pode fazer o download aqui.

Para suprir o fim, a MTV já confirmou que Faking It vai continuar rolando; a sexta temporada de Teen Wolf já está mais que confirmada amém e a segunda de Scream estréia em 2016.