Motivos para assistir Gilmore Girls
31/10/2016 | Categoria: Séries

rory-lorelai

Gilmore Girls é uma daquelas séries que você começa a assistir e se apaixona de primeira pelos personagens e pela história. Depois, fica impossível desapegar deles! Já faz um mês que eu estou maratonando a série na Netflix. Eu tinha vontade de assistir, mas comecei mesmo ao ficar sabendo que uma temporada especial seria lançada em Novembro. E eu não me arrependi. Agora, Stars Hollow já faz praticamente parte da minha rotina!

Se você, assim como eu estava fazendo, ainda está adiando a sua maratona, eu vou te dar bons motivos para começar a assistir Gilmore Girls. A série começou a ser exibida em 2000 e terminou em 2007, com sete temporadas e 153 episódios. Ela marcou uma geração e foi um dos maiores sucessos de audiência da CW. E ainda hoje possui milhares de fãs.

large

A série é feminista

O feminismo não era nem de perto tão debatido em 2000 como é hoje, principalmente na TV. Mas a série criada por Amy Sharman-Palladino já estava tratando deste tema. A série é protagonizada por duas personagens muito interessantes: Lorelai e Rory – mãe e filha – são melhores amigas e o foco é a relação das duas. Lorelai engravidou aos 16 anos, e criou Rory sozinha, mesmo quando ainda era muito nova. As duas tem muitas semelhanças, mas como em toda relação, elas também tem vários conflitos e ideias diferentes. Todas as personagens mulheres são fortes e complexas. Emily Gilmore, Paris Geller, Sookie, Lane… E as amizades femininas ganham um grande destaque nos episódios.

Os diálogos tem um formato diferente

Quando você começar a assistir os episódios, vai perceber que o seriado traz uma dinâmica bem inovadora. Os diálogos são todos rápidos e se aproximam da vida real. Os atores tem uma química incrível contracenando uns com os outros, principalmente Lauren Graham (Lorelai) e Alexis Bledel (Rory). As duas conversam como se fosse a vida real mesmo. Ah, e uma das marcas registradas de Gilmore Girls são as referências! Lorelai e Rory citam praticamente tudo: seja filmes, séries, programas de TV, músicos, artistas… e normalmente fazem piada sobre isso. Então, se você conhece a referência, vai poder rir bastante.

large-1

Os personagens te conquistam

Até a nossa série favorita tem personagens que a gente não suporta. Faz parte. Mas em Gilmore Girls é difícil achá-los. A atuação do elenco é a grande responsável por fazer você se apaixonar pela maioria dos personagens. Eles são engraçados e possuem personalidades únicas. Um dos meus favoritos – e da maioria dos fãs – é o Luke (Scott Patterson). Tem como não gostar do mau humor do personagem e os seus comentários sarcásticos? Também é complicado decidir qual personagem você prefere que fique com a Rory. Dean, Jess ou Logan? Essa é uma dúvida que atinge todo mundo que assiste a série. Eu preciso confessar que prefiro o Jess, mas eu vivo mudando de ideia (menos com o Dean, que é chato zzZZzz).

Recentemente a Netflix anunciou que iria produzir uma temporada especial, mostrando um ano na vida dos personagens. Cada episódio – serão quatro – terão uma duração de 90 minutos e vai se passar em uma respectiva estação do ano. Os fãs estão ansiosos para saber o destino de alguns personagens. A estreia está marcada para 25 de Novembro. Eu não sei se consigo terminar toda a série até lá, mas estou na expectativa!

large

<


Playlist de Novembro
29/10/2016 | Categoria: Música, Playlist

Nos dois últimos meses eu fui super influenciada por um dos meus amigos mais próximos e comecei a dar uma chance maior para a música pop. Que aliás, eu sempre gostei e é um gênero que está presente nas minhas playlists faz anos, mas eu acho que eu nunca me arriscava para ouvir os álbuns completos de alguns artistas ou realmente prestar a atenção na letra e na proposta musical deles. A música pop pode parecer superficial na rádio, mas alguns artistas estão sim, tentando reverter essa imagem.

A Lady GaGa lançou o Joanne na semana anterior, que já se tornou o meu álbum favorito da cantora. E a Tove Lo, que eu ouvi sem parar em 2015, também apresentou novas faixas com o aguardado Lady Wood. Os dois possuem potencial para consolidar diversos hits, mas ao mesmo tempo mostram letras honestas e músicas que passam longe de querer agradar todo mundo.


Os livros que amei em Outubro
27/10/2016 | Categoria: Livros

Outubro foi um ótimo mês para adiantar as minhas leituras. Os meus dias andam super corridos e por isso às vezes a leitura fica de lado, mas eu consegui retomar o meu hábito aos poucos em Agosto e li alguns livros que já entraram para a lista dos meus favoritos de 2016. Todas as sugestões aqui foram obras que me fizeram rir, se emocionar, e acreditem, chorar muito também (acho que esse foi um mês emotivo gente). 

por-lugares-incriveis

Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven – Editora: Seguinte

Este livro pode ganhar o título de o melhor que eu já li em 2016. Eu sei, talvez eu diga isso em muitos posts aqui do blog, mas eu nunca havia me envolvido tanto com os personagens como aconteceu em “Por Lugares Incríveis.” Violet Markey é uma menina de 17 anos que perdeu a irmã mais velha em um acidente de carro já faz algum tempo. Mas ela ainda não conseguiu superar a morte da irmã, e agora é uma pessoa muito diferente do que ela era antes do acidente. Theodore Finch tem poucos amigos, sofre bullying na escola, lida com a rejeição do pai – que agora possui outro filho e uma nova família – e vive na inconstância. Um dia ele está feliz, e no outro, profundamente triste.

Os dois se conhecem e vão despertar um no outro sentimentos que muda a vida dos dois drasticamente, de uma hora para a outra. O tema principal do livro são as doenças mentais, como depressão, transtorno bipolar e ansiedade. A autora trata de temas complexos de maneira mais aprofundada, e acredite, você vai se emocionar e entender um pouco mais sobre a luta das pessoas (e na história, dos jovens, principalmente) que lidam com isso. O livro, de certa maneira, também pode ser levado como um alerta: os nossos problemas e os das outras pessoas devem ser reconhecidos e validados, e não ignorados. Eu senti uma conexão enorme com essa história e me apeguei muito aos personagens. Sabe aquele livro que você termina e parece que te deixa um aprendizado? Foi exatamente assim comigo. Indico para todo mundo ler. Mas se prepare, porque ele mexe com o seu emocional de verdade!

harry-potter

Harry Potter and The Cursed Child – J.K Rowling, John Tiffany e Jack Thorne 

Foi emocionante para mim visitar o mundo criado por J.K Rowling outra vez. Não quero dar spoilers, mas se você é fã da série, não deixe de ler o livro: você não vai se arrepender. Além de saber mais sobre o futuro de personagens queridos, acompanhamos uma história praticamente protagonizada por Albus Potter, que desafia Harry constantemente. O personagem agora já tem 40 anos e é pai de três filhos. Ele trabalha no Ministério da Magia e conhecemos uma versão bem mais madura do antigo protagonista. O melhor amigo de Albus é Scorpius Malfoy, que possui poucas semelhanças com o pai. Os dois se dão bem logo de cara e desenvolvem uma forte amizade.

A história é instigante, e você não vai ficar satisfeito até chegar na última página. Eu li apenas em dois dias: o enredo é extremamente envolvente e cheio de surpresas para os fãs da série. Não deixa nada a desejar, e o formato de peça dá um tom diferente para essa série de livros tão consagrada. Eu li a versão em inglês, mas foi tranquilo, pois o vocabulário não é difícil. A versão em português será lançada pela Rocco no dia 31 em todo o Brasil.

sarah-dessen

Uma Canção de Ninar – Sarah Dessen – Editora: Seguinte

Sarah Dessen é uma das minhas escritoras favoritas de livros Young Adult. “Uma Canção de Ninar” é romântico, envolvente, mas com alguns toques de realidade. Ele não cai nos clichês e traz uma protagonista cética: Remy não acredita no amor. Sempre que está próxima de se envolver muito com alguém ela termina tudo. Ela tem medo de se magoar, principalmente após ver a mãe se casando e logo depois se divorciando, como se fosse quase um hábito, ano após ano. Com o fim do colégio e o início da faculdade em outro estado se aproximando, Remy quer aproveitar o seu último verão em casa. É aí que ela conhece Dexter, vocalista de uma banda que está fazendo shows na cidade. E ela tem uma regra bem clara: nada de músicos.

Mas Dexter é muito diferente de qualquer outro cara que Remy já ficou. A começar pelas manias irritantes dele, e o seu jeito atrapalhado e nada perfeccionista. Ele não tem nada a ver com ela, mas por insistência do próprio Dexter, os dois se aproximam, e de maneira surpreendente, eles dão muito certo juntos. O livro fala sobre diversas formas de amor e de como as pessoas o visualizam de maneira diferente. Cada personagem lida com esse sentimento de uma maneira muito distinta, e isso foi o mais legal de perceber durante a leitura.


O pop sueco de Zara Larsson
01/10/2016 | Categoria: Música

zara-larssonFoto: NME

Zara Larsson tem 18 anos e nasceu na Suécia; ela é uma das novas apostas do pop, mas a cantora não apareceu ontem! Ela já havia lançado o seu primeiro EP em 2012, quando tinha apenas 15 anos, e alcançou um sucesso enorme na Europa com o single “Uncover”, seguido do hit “Never Forget You”, em parceria com o MNEK, cantor britânico que já trabalhou e escreveu algumas músicas com ela. Aliás, o seu sucesso na Inglaterra está crescendo cada vez mais. Ela possui bastante público por lá, e inclusive foi capa da NME em Setembro. Zara também marca presença nas rádios norte-americanas.                                                                                   

zara-larsson-nme

A cantora sempre expressa a sua opinião sobre diversos temas, e nas redes sociais, luta constantemente pela bandeira do feminismo. Ela tem vários posts em um blog antigo em que expõe sua opinião sobre a desigualdade de gêneros. Fã declarada de Beyoncé, Zara também comentou a importância da cantora ser uma ativista pelos direitos das mulheres negras nos Estados Unidos e no mundo.

Quando questionada sobre o domínio dos homens na indústria musical, e de como ela lida com essa questão  -principalmente por ter entrado nesse meio aos 15 anos – ela diz que aprendeu a ter confiança para dizer “não”, e que a decisão final é sempre dela.

O sucesso mundial chegou com o single “Lush Life”, que a rendeu indicações como Best New Artist em algumas premiações (incluindo o VMA). A música mais recente dela é “It Ain’t My Fult” bem dançante e com letra chiclete, que ganhou clipe recentemente.



A Zara chamou a minha atenção pela personalidade e a atitude sincera dela, que diz o que pensa e faz um pop divertido com batidas que a gente não vê toda hora – algumas tem influência de R&B – e eu acredito que ela ainda vai conquistar um espaço enorme na música. Ela vive compartilhando as suas opiniões no Twitter.


Livro: O livro de Memórias
25/09/2016 | Categoria: Livros

livro-de-memorias

Título: O Livro de Memórias

Autor (a): Lara Avery

Editora: Seguinte

Gênero: Young Adult

Sinopse: Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever “o livro de memórias”: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.

Quando me deparei com a capa maravilhosa do “O Livro de Memórias”, da autora norte-americana Lara Avery, eu me apaixonei na hora e fiquei louca para comprá-lo. Mas eu não fazia a menor ideia de que a história iria me impactar tanto! A protagonista é Sammie, uma menina que está prestes a se formar no colégio e embarcar no próximo ano para a NYU, sua faculdade dos sonhos em Nova York. Ela trabalhou durante quatro anos da sua vida para conquistar esse objetivo, dando atenção total aos seus estudos.

Sammie sempre teve muitos planos e ela quer fazer algo de diferente para a sociedade e ter uma carreira de sucesso. Com poucos amigos, a sua única companheira na escola é Maddie, que é sua parceria no Clube de Debate, e a acompanha até a final nacional. A sua vida é planejada em detalhes, mas quando ela descobre que possuí uma doença genética incurável, a NPC (Niemann Pick Type C), conhecida popularmente como uma “Alzheimer de jovens”, todo o seu futuro parece estar em risco. A NPC é uma doença real e muito rara em jovens: apresenta inúmeros efeitos, entre eles a demência, a perda das habilidades motoras, expectativa de vida reduzida, e a perda de memória.

Ela não suporta a ideia de se esquecer de tudo que planejou, e por isso, tem a ideia de iniciar um diário em seu notebook para lembrar de todos os momentos importantes de sua vida e as experiências recentes que ela passou. Dentre elas, está o seu primeiro romance. Sammie teve, por anos, uma paixão platônica por Stuart Shah, um menino inteligente e mais velho da sua escola, que estava tentando a vida de escritor em Nova York. Quando ele volta para a cidade, é a sua chance de tentar se aproximar dele.

O romance está muito presente no livro, de forma delicada e empolgante. Ele é intercalado com os capítulos mais sérios, em que a doença começa a progredir com mais rapidez na personagem. É um livro que te faz embarcar na história. Encontrei na Sammie algumas características semelhantes às minhas, e outras muito diferentes. Mas mesmo assim, você se apega a personagem e a luta diária dela. A presença da mãe e do pai, e o envolvimento da família com a doença também abala o leitor. Sammie possui irmãos mais novos, e eles também vão ter que lidar com as inconstâncias da doença.

Um dos meus personagens favoritos foi o Cooper, o amigo de infância da personagem. Eles eram muito próximos quando novos, mas o ensino médio e suas transformações inevitáveis entraram no caminho. Porém, com a descoberta da doença, os dois se aproximam de novo, e Sammie encontra naquele garoto – que aparentemente não tem nada a ver com ela – uma pessoa que consegue mudar a sua vida para melhor.

Eu confesso que eu não esperava me envolver tanto com essa leitura. Não sei é porque eu ando meio emocional nos últimos dias, mas o enredo me pegou de jeito. E depois de algumas pesquisas, eu achei o Tumblr criado pela Laura Avery, em que famílias reais contam suas experiências dolorosas com a NPC. Mais do que apenas um livro jovem adulto, ele me fez refletir muito sobre o quanto algumas pessoas tem que lutar para sobreviver todos os dias, e como nós devemos dar atenção e visibilidade para doenças que muitas vezes, não vemos na mídia. E a autora conseguiu fazer isso com maestria neste livro.