• large-2
    Comportamento, Séries, TV

    As personagens femininas de Skam

    ver post
  • large
    Música

    Playlist: Junho

    ver post
  • large-2
    Culinária, Diversão

    Os melhores burgers de Florianópolis

    ver post
  • large-2
    Blogs

    O blog está de cara nova!

    ver post
  • June 8, 2017
    postado por

    Um dos meus temas favoritos para falar aqui no blog é música, e eu amo descobrir artistas novas. Ultimamente eu ando tentando inovar e conhecer artistas que não são só do círculo EUA-UK, que a gente sempre ouve nas rádios; e o Spotify é o melhor amigo na hora de conhecer novas músicas boas. Nos últimos meses eu conheci duas cantoras da Escandinávia que se tornaram as minhas favoritas atualmente: Astrid S e a Zara Larsson. Nesse post eu indico mais algumas que valem muito a pena ouvir!

    Aurora

    large

    Ouça Siga

    Se você ainda não ouviu Aurora, corre! A norueguesa de 21 anos já tem vários fãs aqui no Brasil, e ela explodiu na Europa com a sua voz doce, que embala músicas com letras profundas que falam sobre diversos assuntos; as músicas dela tem um toque bem diferente, e um clima bem inovador na indústria musical. Aliás, o instrumental é um dos grandes destaques das músicas de Aurora. Todas as letras são escritas por ela, e a cantora disse que as suas músicas são sobre aceitar as coisas obscuras sobre si mesmo. Eu a conheci por meio da trilha sonora de Skam. Ah, e ela vai passar pelo nosso país em Outubro, com show em SP e RJ!


    Julia Michaels

    Julia-Michaels-bb1-predictions-2017-billboard-1240

    OuçaSiga 

    Julia Michaels cresceu em Santa Clarita, na Califórnia, e desde cedo ela já tinha habilidade para fazer o que faz de melhor: escrever músicas. Muitas vezes nós não sabemos quem está por trás de grandes sucessos dos artistas pop, e assim como Sia, ela passou anos escrevendo para artistas e emplacando músicas nas rádios (Hands to Myself, Good for You, Sorry, Love Myself, todas foram escritas por ela!) e não pensou em cantar – segundo Julia, ela sempre preferiu ficar por trás das câmeras -, mas foi o presidente de uma das gravadoras do qual ela trabalhava que insistiu nela. O seu primeiro single, “Issues”, foi um sucesso. Ela diz que quer fazer músicas emocionais, que faça as pessoas sentirem algo.


    Sigrid

    16473359_1172381729546487_4324564842816160771_n

    OuçaSiga

    Sabe aquele pop de qualidade que a galera da Noruega/Suécia/Dinamarca faz tão bem? Esse é o som de Sigrid Solbakk Raabe, que começou a sua carreira em 2013, e lançou em 2017 – aos 20 anos – o seu primeiro EP, intitulado de “Don’t Kill My Vibe”, que também dá título ao seu single principal. Uma mistura de eletrônica com letras chicletes e elaboradas (sim, tem muitos artistas pop cheios de conteúdo por ai!) ela é uma das promessas deste ano. Mas no catálago também tem espaço para baladas mais calmas, como “Dynamite“, que mostra a sua voz poderosa.

    June 4, 2017
    postado por
    mulher-maravilha-poster-nacional

    Título: Wonder Woman (Mulher-Maravilha)

    Lançamento: 1 de junho

    Direção: Patty Jenkins

    Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Connie Nielsen, Robin Wright, David Thewlis, Danny Huston, Elena Anaya

    Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

    Não é exagero dizer que Mulher-Maravilha é um dos filmes mais aguardados de 2017. Criando expectativas desde o ano passado, o longa dirigido pela californiana Patty Jenkins pode ser considerado uma das melhores estréias do ano. A protagonista Diana (Gal Gadot) foi criada desde criança em uma ilha, vivendo cercada pelas Amazonas. Para quem não as conhece, essas são as mulheres – na mitologia grega – participantes de uma nação de guerreiras. Elas vivem em comunidades exclusivamente femininas. Diana é filha da rainha das Amazonas, e ela sempre teve interesse em aprender a lutar e a se defender.

    Mesmo criança, ela queria fazer parte daquele grupo de mulheres poderosas e que eram mestres no arco e flecha e na luta. Desde as suas primeiras cenas, o filme já nos dá um banho de girl power. São personagens independentes e interessantes a cada cena nova; desde a mãe de Diana, até a guerreira Antiope que a ensina a lutar. Ou seja: em cinco minutos de filme, ele já cumpre a sua proposta de colocar os personagens femininos em uma visão totalmente diferente do qual elas são mostradas em filmes de super-heróis. Elas não estão ali para figuração ou ser alvo de piadinhas.

    Diana cresce e com o tempo adquire as habilidades das suas companheiras, se tornando uma das melhores Amazonas. Tudo ocorria relativamente bem – a paz estava instaurada – até a chegada dos soldados alemães na ilha, e de um soldado britânico em especial, Steve (Chris Pine) que era um espião. O longa se passa durante a primeira guerra mundial, e Diana não tinha nenhuma noção de que uma guerra enorme matava milhares de pessoas no mundo dos humanos; ela, instantaneamente, quer sair da ilha para lutar. As amazonas acreditam que a única pessoa que pode destruir Ares – o deus da Guerra, na mitologia – o homem responsável por influenciar os seres humanos a serem ao egoístas e fazer a guerra, seria uma amazona, que nesse caso, é Diana.

    f612b71f2d09c8334d3739343153d22d

    Mesmo com o medo da sua mãe, Hipólita, de perdê-la, Diana parte para a primeira guerra mundial na companhia de Steve. A guerra não é apenas um pano de fundo para a história da protagonista: ela é um dos arcos principais da história, motivando a indignação da personagem e a sua força, que a tornam uma super-heroína. As cores utilizadas nessa parte do filme, diferente das do início, são frias e cinzas, representando o terror das cidades da Europa durante a guerra. Detalhes são mostrados, como as lutas das tropas alemãs e britânicas nas trincheiras, assim como uma representação plausível de todo o sofrimento que a população sofria, ao morrer de fome e violência durante a guerra.

    Diana acredita que o responsável por tudo isso é Ares, que motivou os homens a agirem dessa forma, numa tentativa de mostrar aos Deuses do Olímpo que Zeus havia errado ao criar os humanos. Mas enquanto age, ela precisa se adaptar também à realidade de Londres: as cenas em que o machismo fica explícito são muitas. O tema é abordado o tempo todo durante o longa, quando a personagem é constantemente descreditada da sua inteligência, tirada do seu lugar de fala e excluída pelos homens. Diana é inteligente, sabe falar diversas línguas e tem um senso de estratégia enorme: mesmo assim, os personagens masculinos só compreendem o seu valor quando ela demonstra a sua força física, ao derrotar e impedir milhares de mortes.

    WONDER WOMAN

    As cenas de ação merecem um destaque à mais. As lutas foram perfeitamente orquestradas e a Gal Gadot rouba todos os minutos de tela. Ela se encaixou perfeitamente na personagem, e acreditamos na sua força e torcemos por ela a todo momento. É impressionante como as cenas em que Diana luta foram muito bem feitas; é incrível poder ver finalmente uma super-heroína no cinema tendo esse espaço para mostrar que elas também são capazes. Grande parte da simpatia que temos pela protagonista se deve à atriz, que nos conquista desde o primeiro momento.

    Diversos nuances de Diana são mostrados: ela também tem um lado ingênuo, que não conhece muito do mundo dos humanos, ao mesmo tempo que aprende tudo rapidamente, e não deixa que ninguém a diga o que fazer. Sempre que é questionada sobre as suas convicções, ela insiste e não desiste das suas ideias e dos seus conceitos.

    WW-17431r

    O elenco está afiadíssimo e o filme reúne tudo de interessante que um longa pode ter: uma trama bem trabalhada – aos seu detalhes, sem nada feito às pressas -, momentos irônicos e alfinetadas (feitos com maestria por Gal Gadot, quando a personagem afirma que uma mulher não precisa de um homem para satisfazer o seu próprio prazer), romance, cenas de luta empolgantes e uma trilha sonora bem feita.

    Um dos trunfos do filme é a luta da Mulher-Maravilha com o Ares. Também rolam alguns plots twists bem legais, que deixam o telespectador surpreso. Eu confesso que eu saí do cinema super feliz, porque o filme foi ainda melhor do que eu esperava. Dá uma alegria enorme ver um longa tão bem feito que representa as super-heroínas e as mulheres de uma maneira honesta e importante. Representatividade importa sim, e fica claro que a visão do mundo feminino fica bem diferente quando o filme é dirigido por uma mulher (é algo óbvio, mas constantemente ignorado na indústria cinematográfica).

    Concluindo: chama as amigas, a família inteira, e vá assistir ao filme, porque você não vai se arrepender!

    May 30, 2017
    postado por
    01_large

    A autora que eu quero apresentar para vocês essa semana é a Jennifer Niven. Norte-americana nascida em Charlotte, na Carolina do Norte, ela despontou de vez no mundo do gênero Young Adult em 2015, quando lançou “All The Bright Places” (Por Lugares Incríveis), o seu livro mais reconhecido até então, que ganhou diversos prêmios. A autora, além de ser muito talentosa, tem uma preferência por abordar temas difíceis. Jennifer escreve livros para jovens, mas eles não são romantizados. Os temas abordados passam entre depressão, suícidio, transtorno bipolar, gordofobia e prosopagnosia. Eles são retratados a partir dos seus personagens, que são na maioria das vezes adolescentes.

    Os protagonistas de Jennifer são complexos e bem trabalhados durante toda a leitura, e acima de tudo, são humanos. Uma das características dela é de realmente tocar o leitor: ela consegue te sensibilizar durante toda a leitura, nos fazendo refletir sobre tudo o que os personagens passam e nós realmente nos apegamos a eles, desenvolvendo a nossa empatia. Além de entender a importância de falar sobre os transtornos mentais, Jennifer já enfrentou muitos deles durante a sua vida. Alguns personagens tem inspiração em pessoas que ela conheceu na vida real, e isso fica claro na parte dos agradecimentos no final de cada livro.

    tumblr_oc4gdpfVm21vacvtpo1_1280

    O meu livro favorito (olha, é complicado escolher, mas esse está em primeiro lugar) se tornou Por Lugares Incríveis. Violet Theodore Finch são dois jovens muito diferentes. Porém, eles tem em comum o fato de estarem passando por um momento bem difícil em suas vidas. Eles se conhecem quando estão quase desistindo da própria vida, mas encontram um no outro uma maneira de continuar. No inicio, eles não se dão muito bem. Afinal, ambos tem poucas coisas em comum. Mas um trabalho da escola os une e eles descobrem diversos lugares novos juntos; e vão aprendendo a lidar mais com a vida. Finch ajuda Violet, que ainda não havia conseguido superar a morte da irmã.

    O livro aborda muito os transtornos psicológicos de Finch, que não tem consciência total sobre eles. Ele sofre de ansiedade, depressão e possívelmente transtorno bipolar. Mas ele não tem o apoio da família e possui poucos amigos na escola. Violet é a pessoa que tenta entendê-lo. Jennifer consegue trabalhar bem o personagem, apesar dele ter uma grande complexidade. Nós terminamos o livro sentindo que queríamos ter feito algo por ele, e a autora consegue nos ensinar a lição do quanto nós devemos prestar a atenção nas pessoas, mesmo que um ser humano, sozinho, não consiga salvar o outro.

    https://thatldiotfranklin.tumblr.com

    https://thatldiotfranklin.tumblr.com

    “Juntando os Pedaços”, lançado em 2016, se tornou best seller do The New York Times e abordou um tema até então desconhecido do grande público: a prosopagnosia, uma doença rara que faz com que o cérebro não seja capaz de identificar rostos. Jack vive grande parte da sua vida baseado na mentira em que ele não reconhece ninguém, até mesmo a namorada, os familiares e os seus melhores amigos. Ele passa pelo ensino médio tentando não se destacar demais – ao mesmo tempo que tem um círculo grande de amigos -, porque o seu maior medo é que descubram a sua doença.

    Libby ganhou as manchetes dos jornais por ter que ser resgatada da sua casa após atingir um peso em que não conseguia fazer mais nada sozinha, e vivia em casa apenas com a companhia do pai. Depois de anos tentando se recuperar ela tenta voltar à escola, algo difícil, pois ela tem um medo constante do bullying e das críticas sobre o seu peso. A gordofobia que ela sofre no dia-dia e principalmente no ambiente escolar são intensos. O livro aborda muito esse assunto, que está extremamente presente na nossa sociedade, principalmente em locais ambientados pelos jovens.

    qBl64qUXLaEGqpDesMF3f3yFQHrbfiSYaUt_oQmfn2O18dDHpsfUy7Pw_CYxl01ys6kzAuB_95L4huBPj4hxrQ==

    “Por Lugares Incríveis” vai virar filme e a Violet será interpretada por ninguém menos que Elle Fanning. Eu amei a decisão e acho que ela pode ficar ótima no papel, já que a Elle atua muito bem. O roteiro do filme está sendo escrito pela própria Jennifer, e a direção ficará por conta do porto-riquenho Miguel Arteta. Porém, o Finch ainda não foi escolhido, e a autora está em busca do ator ideal para o papel. Toda semana, ela posta no Instagram uma lista de possíveis atores, e pede a opinião dos fãs. Estão presentes na lista o Freddie Highmore, Cole Sprouse, Asa Butterfield, Miles Heizer, e outros.

    Na minha opinião, o Freddie e o Asa se parecem muito fisicamente com o Finch e eu acho que os dois são ótimos atores (o Freddie simplesmente arrasa em Bates Motel). E vocês, o que acham?

    May 25, 2017
    postado por
    large

    Um tema que vem passando bastante pela minha cabeça – principalmente após aprender mais sobre o Fashion Revolution – é o fator de como as mídias sociais e a internet nos fazem querer consumir mais. Ter mais, e desejar coisas que não são nossas (mas que nós sentimos que só seremos verdadeiramente felizes quando a tivermos). Eu percebo que as redes sociais exercem um papel enorme na nossa insegurança. Em um mundo em que nós estamos usando o celular o tempo todo, parece que 50% da nossa vida é virtual. E que tudo que está ali domina também a nossa vida fora das telas. É difícil não se comparar com a vida das outras pessoas no Instagram, quando tudo mundo parece estar vivendo os seus melhores dias.

    Mas na prática, é óbvio que não é bem assim. A internet te dá as ferramentas para que você crie e mostre o lifestyle que quiser. Aliás, “lifestyle” se tornou uma palavra bem popular nos últimos anos. Utilizada para definir um estilo de vida e práticas de comportamento, parece que as notícias, as fotos e o Instagram tentam te convencer o tempo todo que a sua vida sempre pode melhorar, que você sempre pode ter mais. É só viajar para a cidade X, ter o batom Y, ou estar na profissão Z. Mas ninguém fala sobre como é impossível alcançar a perfeição.

    E uma das coisas mais problemáticas sobre isso é que nós somos o público alvo de toda essa insistência para que a gente consuma mais todos os dias. Eu tenho 19 anos e sou super afetada por isso, porém, no meu trabalho eu convivo com pessoas mais novas que eu: adolescentes de 13, 14 e 15 anos, que eu percebo que são muito afetados pelas redes sociais. Todos os dias, eu os ouço dizendo: “eu queria ser bonita que nem essa menina do Instagram”, ou “eu não vou postar essa foto porque não vai ter likes”. Alguém pode os culpar? Não. Eles, e nós, fomos ensinados a acreditar que o nosso valor está em um número de curtidas, em uma foto, ou em um produto que a gente pode comprar.

    E isso afeta de maneira ainda pior as mulheres, que já são expostas o tempo todo a propagandas – principalmente na internet – que querem nos convencer de que precisamos ser de tal jeito e ter uma roupa, uma maquiagem ou o peso tal para realmente alcançar “a felicidade”. Quando eu tinha 14 anos eu era muito afetada por isso: eu achava que a minha vida era a mais sem graça do mundo, enquanto todo mundo da minha idade estava se divertindo. Eu me comparava demais com outras pessoas, e é claro, estava longe de estar feliz com a minha aparência.

    Não é de um dia para o outro que nós vamos aprender a lidar com isso, mas na minha opinião o primeiro passo é perceber que o tempo todo as marcas querem que a gente consuma mais. Isso faz parte da premissa do capitalismo: quanto mais insatisfeito você estiver, mais você vai querer comprar para mudar de vida. Mas a gente nunca chega em um ponto em que está realmente satisfeito. Outro dia, conversando com a minha psicóloga, ela afirmou que toda essa onda de informação excessiva e marketing contribui, e muito, para os transtornos psicológicos que muitos jovens enfrentam, como a ansiedade e depressão.

    Filtrar as informações que queremos receber é um bom primeiro passo, e tomar consciência disso também. Eu tento, aos poucos, ser mais cautelosa com o que eu estou consumindo, seguindo e prestando a atenção. Quando eu começo a me comparar demais com alguém, eu me forço a fechar o aplicativo. Por quê eu sei que as fotos e os vídeos vão tentar me convencer de que ainda tem algo que está faltando na minha vida, quando na verdade eu estou muito bem assim, obrigada.

    Pode ser complicado ir contra a maré, mas é um jeito diferente de pensar e agir, de escolher não ser bombardeado por um conteúdo que pode nos tornar infelizes com quem nós somos, e minar a nossa autoestima (algo perigoso, e que acontece muito).

    Quer saber mais sobre o assunto?

    May 21, 2017
    postado por
    h3

    Em Maio, o cantor britânico Harry Styles lançou o seu primeiro álbum solo, dando o passo para a carreira pós One Direction. Começo a resenha dizendo que eu não costumava ouvi-lo antes, e para quem não é famíliar ao trabalho dele, este disco veio para mudar totalmente a sua ideia (assim como fez com a minha!). Composto de 10 faixas, todas elas escritas pelo artista, o álbum traz um misto de rock com pop, influências dos anos 60 e 70, e algumas faixas que vão te lembrar a sua banda indie favorita, e alguns clássicos da música.

    É notável que agora Harry possui algo que ele não tinha antes: liberdade criativa. Em entrevista, ele revelou que todas as letras são muito honestas e não foram alteradas: “Fazer esse álbum foi um dos melhores momentos que já tive. Mas é um sentimento muito mais vulnerável, lança-lo, do que qualquer outro que já senti antes.”

    O álbum começa com “Meet Me in the Hallway”, já mostrando o tom do disco que segue por várias outras faixas. As letras falam sobre relacionamentos – e a falta de dialógo neles é um tema muito abordado -, paixão, sexo, tristeza, e as canções são bem detalhadas. Ou seja, ele realmente se expõe, tudo embalado em um som mais alternativo. “Sign Of The Times” é um dos maiores trunfos do disco. Com vários mínutos de duração, a música é grandiosa e a gente pode apostar que é uma das melhores lançadas nesse ano. Ela conta com notas altas, refrão empolgante e até um coral. É uma escolha perfeita para primeiro single, e as suas performances ao vivo mostram a voz incrível de Harry.

    h2~0

    Representando os momentos mais rock do disco – o cantor sempre citou bandas como Rolling Stones e The Beatles como as suas favoritas -, temos “Carolina”. “She’s a good girl, she’s such a good girl, she feels so good”, é um dos exemplos de refrões bem trabalhados por Styles e da maneira de como ele consegue levar uma canção ao ápice. “Two Ghosts“, uma das minhas músicas favoritas, é uma balada sobre quando o casal não se reconhece mais; quando as coisas não se encaixam. A letra é muito boa, e aborda o tão presente tema da falta de comunicação:  “Telling those stories we already told, cause we don’t say what we really mean.”

    “Sweet Creature”, que agradou muito o público, é uma música romântica que você imagina sendo a trilha sonora do seu filme ou série favorita. Além de viciante, a letra é linda e lembra um pouco as músicas sobre amor do Ed Sheeran . Ela fala sobre o fato de não importa onde ele estiver, a pessoa amada vai fazê-lo se sentir em casa. É difícil não amar a música.

    Mas depois da balada, vem sequencias empolgantes em que Harry retoma de novo o seu lado mais rock’n’roll, que aparece de forma bem genuína no álbum, mostrando que ele se sai muito bem no gênero. “Only Angel” e “Kiwi” são as grandes representantes desta vibe no disco.

    “Ever Since New York”, que também é uma das faixas que eu mais gostei (fica complicado escolher apenas uma!), tem um pé em baladas dos anos 80 e traz a cidade de New York como pano de fundo para falar sobre um relacionamento que não possui mais nenhum futuro. Também não podemos deixar de destacar “Woman”, que nos leva novamente para o lado mais experimental do cantor.

    O disco termina com “From the Dining Table”, que tem um tom triste e melancólico, e apesar de não sabermos com certeza se as faixas falam sobre a mesma experiência amorosa, a canção final parece falar mais sobre o fim do relacionamento citado outras vezes, e a esperança de que o silêncio entre o casal seja quebrado. “Maybe one day you I’ll call me, and tell me that you’re sorry too”. A música possui a presença de violinos.

    Na minha opinião esse é um dos melhores álbuns lançados em 2017, mostrando que Harry Styles tem uma carreira brilhante pela frente, porque talento e letras sensacionais certamente não faltam no repertório dele. O disco alcançou o primeiro lugar nas paradas britânicas.

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA