• large-2
    Comportamento, Textos

    O que fazer em tempos de ódio?

    ver post
  • large-2
    Playlist

    Playlist: Agosto

    ver post
  • large
    Amor, Textos

    Ser sensível é corajoso

    ver post
  • imagem.aspx
    Livros

    Livro: Siga Os Balões

    ver post
  • July 6, 2017
    postado por
    imagem.aspx

    Título: Outros Jeitos de Usar A Boca (Milk & Honey)

    Autor (a): Rupi Kaur

    Editora: PLANETA

    Preço: R$17,94, R$19,90 e R$19,90

    Sinopse: Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume – publicado nos EUA como “milk and honey” – é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

    Rupi Kaur é uma poeta contemporânea nascida na Índia, que vive em Toronto, no Canadá. Ela tem 24 anos e começou a chamar a atenção do público na internet quando postava os seus poemas no Instagram. Sim, uma maneira diferente de mostrar arte, e que deu muito certo: em 2014, Rupi lançou “Milk & Honey”, que conquistou #1 lugar no “The New York Times” e abriu as portas para um novo jeito de fazer poesia. A artista (que também desenha), é feminista e grande parte dos seus poemas aborda os traumas, as dores e as histórias sobre ser mulher.

    O livro é dividido em quatro partes: “a dor”, “o amor”, “a ruputura” e a “cura”. Cada um deles trás poemas honestos e dolorosos sobre as vivências de Rupi e de muitas outras mulheres. É possível se identificar com cada um deles; os poemas são escritos com poucas pontuações e com versos bem livres.

    A dor

    O livro já começa de forma abrupta e dolorosa. Os primeiros versos nos contam experiências sobre repressão, abuso (tanto de maneira física quanto em relacionamentos tóxicos), e de ter a sua voz tirada de você desde o inicio.

    “O terapeuta coloca

    a boneca na sua frente

    ela é do tamanho das meninas

    que seus tios gostam de apalpar

    mostre onde ele colocou as mãos

    você mostra o lugar

    entre as pernas aquele

    que ele arrancou com os dedos

    igual a uma confissão

    como você está se sentindo

    você desfaz o nó

    da garganta

    com os dentes e diz bem

    um pouco dormente

    sessões nos dias da semana

    As palavras de Rupi tem o poder de tocar o leitor desde o inicio. Elas nos machucam, nos dão alívio e também nos fazem refletir. A autora consegue expor tudo o que ela sentiu: desde as sensações até as mágoas que ela guarda no corpo. Sabe aquele sentimento de sororidade? É exatamente isso que o livro nos provoca: vontade de nos unir, de dar as mãos e de encontrar apoio em outras mulheres (e também, dar esse apoio para elas).

    É nesta parte do livro que a autora também escreve bastante sobre as suas relações famíliares e o relacionamento complicado com o seu pai, que é pouco presente. Ela cita os momentos em que o ambiente familiar a reprime, e não a deixa realmente ser quem ela é, ou seja, ter voz.

    “Você me diz para ficar quieta porque

    minhas opiniões me deixam menos bonita

    mas não fui feita com um incêndio na barriga

    para que pudessem me apagar

    não fui feita com leveza na língua

    para que fosse fácil de engolir

    fui feita pesada

    metade lâmina metade seda

    difícil de esquecer e não tão fácil

    de entender”

    O amor

    A segunda parte do livro possui diversos poemas que falam sobre um relacionamento importante da vida da autora, que a desperta sentimentos conflituosos. Em alguns momentos eles são positivos e em outros, a fazem questionar tudo. Mas não é apenas sobre amar ao outro, e sim, amar a si mesmo e saber se respeitar. Porém, Rupi questiona constantemente o fato de nós, mulheres, sermos influenciadas pelos fatores externos a nunca gostarmos de nós mesmas.

    “tenho tanta dificuldade

    de entender

    como alguém

    pode derramar sua alma

    sangue e energia

    em alguém

    sem pedir

    nada em troca”

    tenho que esperar até ser mãe

    Ela também explora a sexualidade de forma aberta, ao mesmo tempo que utiliza metáforas (ou em outros momentos, poemas que vão direto ao ponto) para falar dos desejos e do prazer da mulher, um assunto essencial que muitas vezes, fica de fora das publicações literárias, como se as pessoas do sexo feminino só estivessem aqui para dar o prazer à alguém, e não obtê-lo para elas mesmas.

    “Só de pensar em você

    minhas pernas abrem espacate

    como um cavalete com uma tela

    implorando por arte”

    As ilustrações de Rupi também desempenham papel importante nos poemas, e suas ilustrações são responsáveis por dar vida à todas as palavras. Elas aparecem em praticamente todas as páginas.

    A Ruptura

    A penúltima parte do livro mergulha fundo em um sentimento de tristeza e término. Quando acabamos um capítulo da vida, quando enfrentamos uma desilução amorosa (alguém que mudou, de certa maneira, quem você era) e que deixou um buraco profundo e difícil de ser preenchido. É com maestria que Rupi Kaur reflete os sentimentos de amar e não ser correspondido, ou de ser amado e não poder corresponder da mesma maneira; e de ter que aprender a gostar de quem você é, antes de tudo.

    “eu sempre

    me enfio nessa confusão

    eu sempre deixo

    que ele diga que sou incrível

    e meio que acredito

    eu sempre pulo pensando que

    ele vai me segurar

    na queda

    irremediavelmente eu sou

    a amante

    a sonhadora e

    isso ainda acaba comigo”

    São poemas que refletem a insegurança, a dúvida, o questionamento sobre si mesmo. Algo que é presente em muitos de nós e também promove uma fácil identificação.

    “ele só susurra eu te amo 

    quando desliza a mão

    para abrir o botão da sua calça

    é aí que você tem

    que entender a diferença

    entre querer e precisar

    você pode querer esse menino

    mas você com toda a certeza

    não precisa dele”

    A cura

    O livro é finalizado com poemas que falam sobre reconstrução. Depois de toda a dor e a mágoa que a autora passa – e nos envolve também – desde o início da obra, é aqui que acompanhamos os seus passos em que ela se cura dos traumas e das experiências pelas quais passou. Rupi aborda também em diversos momentos o racismo que sofre, o machismo, e fala sobre o fato de encontrar a segurança em outras mulheres.

    “parece que é deselegante

    falar da minha menstruação em público

    porque a verdadeira biologia do meu corpo

    é real demais

    é legal vender o que

    uma mulher tem entre as pernas

    mas não é tão legal

    mencionar suas entranhas

    o uso recreativo deste

    corpo é considerado

    uma beleza mas

    sua natureza é

    considerada feia”

    170-acca00e7dd

    Os padrões de beleza são questionados, e todas as dores que as mulheres – como um coletivo – já tiveram que enfrentar durante a sua vida são detalhadas por meio dos seus poemas. O fato de sermos bombardeadas pela mídia com versões “perfeitas” de como deveríamos ser, ou o fato de sermos expostas como um objeto em diversos momentos. Fica claro, no poema acima, o quanto o nosso físico é importante: mas o nosso íntimo, aquilo que é real sobre o sexo feminino “deve” ser escondido e ignorado. Sim, mulheres mestruam. E sim, mulheres tem pelos. E ao contrário do que muitos pensam, nós não precisamos esconder isso.

    “quero pedir desculpa a todas as mulheres

    que descrevi como bonitas

    antes de dizer inteligentes ou corajosas

    fico triste por ter falado como se

    algo tão simples como aquilo que nasceu com você

    fosse seu maior orgulho quando seu

    espírito já despedaçou montanhas

    de agora em diante vou dizer coisas como

    você é forte ou você é incrível

    não porque eu não te ache bonita

    mas porque você é muito mais do que isso”

    O livro se tornou o meu favorito de 2017 (sem dúvidas), e é o tipo de leitura que eu indico para basicamente todo mundo que eu conheço. É importante valorizar o trabalho de Rupi Kaur, para que seja possível que as poetas contemporâneas ganhem mais espaço, e nós também ganhamos com isso, pois podemos ver realidades e dores de milhares de mulheres refletidas no papel.

    A obra já foi traduzida para várias línguas nos últimos dois anos. No momento, a autora finalizou o livro sucessor. Você pode acompanhá-la nas redes sociais, como o Instagram e o Twitter, em que ela é super ativa.

    July 5, 2017
    postado por
    large

    Ás vezes pequenas coisas abalam quem nós somos. Uma mensagem, uma briga, uma situação que não estamos acostumados, o comentário de alguma pessoa. E é nesses momentos que eu me sinto frágil: como se toda a minha construção ficasse pendendo para os lados. Como se o equílibrio – que eu luto tanto para conseguir – se quebrasse em alguns segundos. Eu sei que evoluir é algo que leva tempo. E que só porque caímos nos conceitos antigos de novo, não quer dizer que tenhamos voltado para à estaca zero novamente. Mas é difícil não pensar que partes de mim que eu achei que não existiam mais, ainda estão guardadas em algum lugar aqui dentro. Como se estivessem só esperando para renascerem de novo.

    A parte que se sente extremamente insegura, que fica ansiosa por coisas bobas e que acaba colocando os seus julgamentos e percepções na frente de outras coisas. O desconforto volta e eu me sinto fora do lugar e do eixo, coisas que eram comuns para mim quando eu tinha 16 e 17 anos. Parece que algumas tendências nos acompanham por muito tempo, e acabamos achando que elas são parte de nós. Mas não é verdade. Só que dói encará-las novamente.

    Se sentir sozinho, também traz o sentimento de se sentir perdido. Você sabe para onde ir, mas não tem certeza que aquele lugar que está chegando é o que você realmente quer. A minha vida tomou rumos inesperados: algumas vezes isso foi bom, e em outras, ruim. Por isso, tento seguir sem expectativas. Sem criar visões na minha cabeça, e tentando matar todas as borboletas que surgem, porque eu não quero me decepcionar. E é por isso que eu sempre encaro o que eu não conheço com um monte de armaduras no corpo. Sabe quando você está sempre na defensiva? Carregando o medo ao seu lado?

    Um dos meus maiores desejos é deixar de ser pessimista. E eu juro que vou tentando a cada dia ser mais positiva. Olhar para tudo de maneira mais gentil. Eu fiz um grande progresso nos últimos meses, quando finalmente entendi que não podemos controlar nada, mas ainda carrego comigo alguns traumas e sentimentos complicados que vez ou outra, reaparecem.

    E encará-los de frente, ver que eles ainda estão ali, como um desafio, é assustador. Mas eu quero ter coragem. Para mudar, para descobrir, para abraçar as novas experiências, estar aberta à elas. Mesmo que a minha personalidade insista em carregar a verdade absoluta de que as coisas devem ser imutáveis, eu sei que isso não é bom pra mim. Nem pra ninguém.

    Eu quero ter coragem. Eu quero enfrentar as coisas de peito aberto, e sem achar que estou regredindo, quando eu paro um pouco no caminho para simplesmente chorar, e expressar os meus sentimentos.

    June 30, 2017
    postado por
    lordemelodrama-2

    Lançado em 16 de Junho de 2017, o sucessor de “Pure Heroine”, primeiro álbum de Lorde, chegou após quatro anos de muita espera e hits da cantora que emplacaram nas rádios, saindo dos locais mais alternativos e entrando de vez no mainstream. O primeiro álbum da cantora foi escrito quando ela tinha apenas 16 anos. Os temas falavam sobre a adolescência, só que de uma maneira mais madura, sempre do ponto de vista do observador (que segundo Lorde, era ela mesma: ela sempre observava tudo e transformou situações que viu em letras de músicas).

    Atualmente com 20 anos, o álbum “Melodrama” saí da zona-de-conforto do mundo adolescente e embarca na vivência dos jovens adultos, que apesar de já estarem em outra fase da vida, ainda passam por muitas coisas semelhantes àqueles que tem 15, 16 e 17 anos. O novo disco, produzido por Lorde, Jack Antonoff (que também produziu o 1989 de Taylor Swift) e Frank Dules, tem como tema principal a superação do final de um relacionamento. Com esse tema também estão ligados o autoconhecimento, o coração partido, a frustração e a ilusão de sair à noite, dançar e fingir que está tudo bem (e em alguns momentos, as coisas realmente estão!) e repetir o ciclo novamente. Lorde revelou que essa foi a primeira grande desilução amorosa de sua vida, que deu vida ao primeiro single, “Greenlight”. 

    Greenlight aborda o final de uma relação, em que a pessoa que Lorde gosta já está em outro relacionamento, mas ela ainda não consegue deixar o sentimento que sente ir embora. A letra pode ser melancólica, mas as batidas da música a transformam em um hino de balada. Em entrevista, a cantora disse que essa música representa o momento que uma garota sofre na balada pelo (a) ex, mas que no dia seguinte, ela está pronta para se construir novamente.

    v-x2j1jJbNQ

    Em “Sober nós temos mais referências sobre festas e ácool, um tema muito presente no álbum. Mas não se engane, eles não aparecem de maneira superflúa: nessa canção, Lorde questiona o que acontecerá com todas aquelas pessoas (ela incluída) depois que a festa acabar e todas aquelas sensações chegarem ao fim. O trecho “We pretend that we just don’t care, but we care”, afirma que todos ali estão apenas fingindo. Segundo a cantora, o álbum é justamente sobre se importar“Homemade Dynamite”, co-escrita por Tove Lo, segue o mesmo estilo de batida, porém fazendo menção as noites em que a cantora se sentiu livre. É uma música que traz um sentimento de otimisto sobre o lugar que ela está: um local que ela se sente confortável.

    “The Louvre” – na minha opinião uma das mais originais do disco -, é sobre aquele momento do relacionamento que você está feliz ao lado da pessoa e acha bonito absolutamente tudo que ela faz; mesmo que sejam coisas bobas. Lorde descreve isso: “é como estar usando drogas, é como ‘Eu quero estar com você o tempo todo'”. Ela se descreve como obsessiva por essa pessoa, reparando em cada detalhe no outro. “Liability”, uma música também muito diferente das já feitas pela cantora, é o seu momento mais honesto e cru da carreira. Como citado nesta análise da música feito pelo Valkírias, a letra aborda o fato de Lorde achar que em algum ponto da sua vida, as pessoas sempre vão deixá-la. Seja por causa da falta de privacidade, da sua personalidade, ou da fama. Mas ela sempre vai ter ela mesma.

    18527627_1670119949672385_5162470904735679999_n

    “Hard Feelings/Loveless” é sobre o doloroso momento do término. O casal não pode mais adiar aquela situação, e o eu lírico deseja que as coisas terminem bem, de uma maneira amigável, mas ela sabe que provavelmente não vai ser assim. Ela confessa que amou aquela pessoa durante três anos, e que mesmo que não esteja bem, vai fingir estar feliz. A segunda parte, em Loveless, descreve a maioria dos relacionamentos da nossa geração, que são baseados em relações de poder e experiências que duram apenas uma noite.

    “Sober II (Melodrama)” é a continuação da segunda música do álbum. A manhã chegou, a fantasia acabou e agora ela tem que lidar com tudo o que vem em seguida, e arrumar toda a bagunça que foi feita (“how fast the evening passes, cleaning up the champagne glasses”). É nesta faixa que encontramos o sentido principal do nome do disco. Melodrama é descrito como uma forma artística em que tudo é mais exagerado“Writer In The Dark”, uma das melhores músicas escritas pela cantora, é profunda e fala sobre a mesma pessoa de Liability. Ou seja: o amado rejeita a fama de Lorde, e ela diz que ele provavelmente está arrependido de ter se aproximado dela (“bet you rue the day you kissed a writer in the dark”). O escritor citado na letra é ela mesma.

    “Supercut” é sobre lembrar apenas dos bons momentos de algo que já terminou. Lorde cria em sua cabeça imagens de todos os momentos felizes daquela relação; mas ela sabe que está escondendo também os lados ruins. Nessa visão idealizada tudo muda, as situações tem outros rumos e o final não é o mesmo. É algo que explícita aquele sentimento que muitas pessoas passam no fim de um namoro, quando querem que aquela pessoa volte, mas esquecem de ver tudo de negativo que também fez parte do relacionamento. “Liability (reprise)” é onde toda a festa e os momentos gloriosos são questionados. “Mas você não é o que eu achava que você seria”: apesar dos momentos de alegrias, nada é perfeito.

    “Perfect Places”, canção que fecha o álbum, me lembrou o tema da faixa “New Romantics”, da Taylor. É sobre se sentir confuso, sobre saber que o ambiente da festa, do círculo social, está longe de ser o ideal: mas de um jeito ou de outro, Lorde acaba voltando para ele. Apesar de saber que é só apenas mais uma noite, igual à outras (“it’s just another graceless night”) ela tem apenas 19 anos e quer se divertir. Ela revelou que o trecho em que diz não aguentar ficar sozinha, também é um dos motivos pelo qual ela festejou tanto no último ano: ficar sozinha em casa ouvindo seus pensamentos era difícil. A conclusão final é que não existem lugares ideais; mesmo que as influências externas te façam acreditar nisso.

    June 25, 2017
    postado por
    large-2

    A série norueguesa Skam, que estreou na Escandinávia em 2015, virou um fenômeno nas redes sociais rapidamente (ela é exibida na internet), e ganhou milhares de fãs no mundo todo e no Brasil também. Nós já vimos diversas séries adolescentes ganhando popularidade, mas o diferencial do seriado, criado por Julie Andem, é que os dramas da série são relatados de maneira honesta e o mais próximo possível da vivência dos jovens, pelo menos os da Noruega (que foram a inspiração principal da criadora).

    Outro detalhe é que os atores são todos iniciantes e bem novos. Ou seja, os personagens de 17 e 18 anos são interpretados por pessoas desta idade, dando um tom bem mais verdadeiro aos episódios (eles tem espinhas e repetem roupas, assim como na vida real, sem ilusões). Além da trama bem executada, os personagens também são bem trabalhados. O destaque do post de hoje fica para a representação feminina na série, que tenta ao máximo fugir dos clichês, nos mostrando garotas fortes, mas humanas, que falham e cometem erros como nós. Como a produção da série é chefiada por uma mulher, essa representação é mais verdadeira do que as das séries que conhecemos, que retratam a vida dos adolescentes.

    large-3

    A primeira protagonista da série é Eva Mohn (Lisa Teige). Acompanhamos a entrada dela no ensino médio (no tão turbulento primeiro ano), o relacionamento dela com o seu namorado Jonas e o término da amizade com as suas duas melhores amigas, que eram muito próximas de Eva no ano anterior. Eva é insegura, tem poucos amigos e tem que enfrentar mudanças não apenas no ambiente em que vive, ao mudar de colégio, mas em si mesma. Ela se sente perdida: sua vida gira praticamente em torno do namorado, já que ela perdeu as amigas, e ainda não conseguiu se enturmar na escola nova.

    É uma personagem bem realista, que podia ser você, a sua amiga, ou alguém que você conhece. O único relacionamento que ela tem em sua vida não é estável: o ciúmes permeia o seu relacionamento com Jonas, apesar dos dois gostarem um do outro. Eva tem medo de que o namorado esteja a traindo, e eles ficam nesse jogo de brigas e desconfianças, quase que interminável. Fica claro que a personagem ainda está descobrindo quem ela é, mas não possui espaço para fazer isso no namoro.

    Eva também enfrenta slut shaming no colégio, quando ela fica com um cara mais velho do terceiro ano que tinha namorada, sem saber. Skam aborda de maneira bem real o fato das garotas sempre receberem o título de “vadias” ou “vagabundas”, enquanto os homens normalmente saem ílesos. É nesse momento difícil que Eva recebe o apoio de amigas que ela conheceu recentemente: Sana e Noora, que a defendem sem pensar duas vezes.

    Um dos temas abordados na temporada é como relacionamentos adolescentes – e namoros no geral – podem limitar algumas pessoas, quando o casal não possui o próprio espaço ou não conhece a si mesmo de verdade. É aquele clichê tão real: “como amar ao outro, se você nem ama a si mesmo?”.

    large

    A evolução da personagens é nítida ao longo das outras temporadas. Apesar do seu destaque ter diminuído, é possível observar outras fases pelas quais Eva passa: a de fim do namoro, quando ela se liberta e vai para todas as festas possíveis, ou decidindo que não quer se envolver de maneira séria com mais ninguém, e focando apenas nas suas amizades. O interessante é o paralelo com a Eva do primeiro ano e a do segundo: ela era insegura, e agora, Eva encontra confiança em si mesma para fazer o que tiver vontade, sem medo de julgamentos sobre a sua vida sexual.

    Essa tornou-se uma das características mais legais da representação da personagem: Eva fica com quem quiser, quando quiser, e tem diversas ficadas ao longo dos episódios, sempre sentindo-se livre para dizer quando ficou com alguém ou quando não quer um relacionamento sério. Ela torna-se feliz com as suas decisões. Quer character development maior que esse?

    large-2

    A segunda temporada é protagonizada por Noora Saetre (Josephine Frida Pettersen), uma das personagens mais querida pelos fãs da série. A primeira imagem que temos de Noora – vista na primeira temporada pelos olhos de Eva – é de uma garota independente, corajosa, confiante, bem resolvida, feminista e obcecada por batom vermelho. Em todas as cenas ela aparece com esse batom: um dos fatores que só incentiva aquela imagem de garota poderosa – e sem grandes problemas na vida, pelo que as cenas nos mostram – que temos de Noora.

    Mas conforme vamos conhecendo quem Noora realmente é, é que a autora da série só confirma o fato de que a imagem de que temos que alguém, pode não ter muito a ver com o que ela é de verdade. Não que Noora não seja todas as características que citamos: ela é, mas também tem grandes doses de insegurança e dúvidas, como qualquer outra pessoa. Ela também é extremamente sentimental, característica que só percebemos mais tarde. O lema da segunda temporada é: “Todo mundo que você conhece está lutando uma batalha da qual você não sabe nada sobre. Seja gentil. Sempre.”

    Na minha visão, a Julie Andem tentou quebrar aquele estigma de que as mulheres feministas são intocáveis. Que nós não podemos demonstrar nossos sentimentos, nos apaixonar ou mostrar vulnerabilidade, algo muito presente nos episódios de Noora, principalmente quando ela se envolve com William, um garoto que, segundo ela própria, “é o maior clichê de todos”, mas que de alguma forma consegue conquistá-la.

    large-3

    O relacionamento dos dois divide opiniões entre os fãs da série. Alguns odeiam, e outros amam. O fato é que a personagem, muitas vezes, parecia anular-se ao lado de William. Mas a criadora da série – pelos dialógos, por exemplo – deixa claro que isso não seria o ocorrido. Entre uma conversa de Noora Sana, em que a primeira questiona a amiga dizendo que ela não queria mudar suas opiniões por causa de William, Sana argumenta que não havia nada de errado em alterar suas opiniões – se ela não se sentisse obrigada a fazer isso -, não importasse o gênero da pessoa.

    Para mim, o lado mais especial da personagem é a sua relação com as amigas, principalmente com a Vilde. Noora é observadora, e quando percebeu que a amiga tinha problemas alimentares, tentou ajudá-la, mesmo não a confrontando diretamente sobre o assunto. Durante todas as temporadas, ela é atenta ao que acontece com as pessoas que ama: quando ajuda Sana a revelar os seus sentimentos para o garoto que ela gosta, por exemplo.

    large-5

    A última temporada é construída a partir dos olhos de Sana Bakkoush (Iman Meskini). Logo nos primeiros episódios da série, a personagem já diz uma das suas frases mais famosas, ao explicitar na frente das novas amigas que ela “é a maior perdedora de todas, pois é uma muçulmana em um país sem fé”. Tudo isso é dito em um tom irônico e debochado, características da personagem que não tem papas na língua. Durante as três temporadas, Sana dá alfinetadas na cultura norueguesa e na sociedade machista em que vive. Ao se tornar amiga de Eva, Noora, Vilde e Chris, ela começa a interagir mais com a cultura do seu país, mas sem nunca abandonar os preceitos islâmicos, como não ingerir bebida alcóolica.

    Na terceira temporada, vemos a aproximação inusitada da personagem com Isak, que se torna seu parceiro na aula de biologia. Os dois, tão diferentes, acham coisas em comum, mas se aproximam de verdade porque vivem debatendo sobre religião, homossexualismo, islamismo e até mesmo a teoria da evolução. São cenas em que mostram dois contrapontos: um garoto ateu e uma menina muçulmana, que apesar de começarem uma amizade aos tropeços, se tornam melhores amigos, porque passam a compreender as dificuldades um do outro.

    Isak é um garoto que se descobriu gay e tem medo de sofrer preconceito, e Sana, uma muçulmana que é julgada constantemente na escola, nas ruas, e às vezes até no próprio grupo de amigos.

    large-4

    Mas é na quarta temporada que conhecemos Sana a fundo: seus hábitos, suas relações famíliares – como a amizade com o irmão Elias -, os seus questionamentos sobre a sua própria religião, e como é difícil ser fiel aos seus costumes, quando todos os seus amigos e o ambiente que vivem caminham de maneira completamente contrária. Ao mesmo tempo que suas amigas mantém relacionamentos e vão a festas, Sana quer acompanhá-las, mas sem perder a sua essência, as suas raízes e a sua fé. As cenas mais importantes são as que a personagem se silencia em um quarto e reza: ela faz isso no primeiro episódio desta temporada, quando procura um quarto vazio em uma festa lotada, para realizar a sua oração. Ela é interrompida, porém, por um casal que entra no quarto de maneira abrupta. E então fica claro a grande dúvida da personagem: como conciliar a sua fé com o ambiente que ela está?

    Sana sempre demonstrou uma imagem de garota forte e que aguenta tudo: ela não tinha medo de ninguém, sempre falava a sua opinião e parecia conseguir enfrentar qualquer dificuldade. Mas quando passamos a ver tudo pelos olhos dela, é que enxergamos que Sana usa a sua personalidade dura para se proteger do preconceito e das críticas da sociedade perante ela e a sua família, que são constantes no seu dia-dia. É interessante também ver o interesse amoroso dela com Yousef, um garoto ex-muçulmano. Porém, a relação deles é construída apenas na base de diálogos, trocas de reflexões e em alguns momentos a falta de comunicação (tão comum entre os adolescentes) que gera desentendimentos entre os dois. Mas o mais legal é ver que a autora construiu um “ship” de maneira bem diferente, respeitando ambas as religiões dos atores, que também são muçulmanos na vida real. Ou seja: ela mostra que dá sim, para dois adolescentes gostarem um do outro, sem ter contatos sexuais.

    June 20, 2017
    postado por

    lorde

    Junho está sendo um mês cheio de novidades no mundo da música pop e da indie também. Assim como quase todos os meses de 2017, nós temos música boa saindo do forno praticamente todos os dias. O grande destaque fica, é claro, para a Lorde, que lançou o Melodrama – seu segundo álbum, 4 anos após o seu debut -, em 16 de Junho (em breve vai ter resenha aqui no site). A Halsey também nos presenteou com o sucessor de Badlands em 2 de junho, intitulado de Hopeless Fountain of Kingdom. E o The Killers lançou a primeira música desde 2012. Será que vem disco novo por aí?

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA