• Arte publicada no Instagram por @obviousagency
    Comportamento, Textos

    As particularidades do autocuidado

    ver post
  • d0bf7cba72b4deb73d4861ea37e567e9
    Livros

    O que eu estou lendo? – Outubro

    ver post
  • Colagem por https://www.simplywhytedesign.co.nz/portfolio/digital-collages
    Blogs, Comportamento, Filmes, Música

    Ronda Virtual #2 – O que há de mais interessante na internet

    ver post
  • 2291f002dffe5a86eb3419ef5c2bb542
    Comportamento, Textos

    desculpe incomodar

    ver post
  • Setembro 1, 2019
    postado por
    Design sem nome

    No mês de Agosto eu tive o prazer de visitar, pela primeira vez, o Parque Gráfico, feira incrível de arte que acontece anualmente em Florianópolis, Santa Catarina. A idealização do evento, feito por Camila Petersen, e com o suporte de toda uma equipe técnica, chegou em sua quarta edição em 2019. O parque gráfico realizou a sua primeira edição em 2016.

    “A Parque Gráfico é uma feira de exposição, troca, venda e consumo de produções gráficas e publicações independentes, tais como zines, livros, livros de artista, HQs, catálogos, editoriais, postais, pôsteres, gravuras e toda uma infinidade de produtos impressos que carregam consigo as características desse tipo de produção: menor tiragem, alto valor artístico e conceito mais artesanal e menos industrial.” Fonte

    Arte para mim é algo essencial, e iniciativas como essa são um pontapé para incentivar artistas; o mais interessante é que no Parque podemos conhecê-los, conversar pessoalmente (principalmente com aqueles que você já acompanha na internet faz tempo, que foi o meu caso com a @camixvx, a Camila Rosa), e consumir produtos que são feitos por artistas independentes. Também é possível visualizar o ativismo no evento de diversas maneiras; seja nas artes representativas, nos artistas queer e nas frases de apoio ao movimento LGBTQI+, negro e feminista.

    IMG-4533

    Eu acompanho a Camila Rosa a um bom tempo no Instagram (se você segue o Insta do blog já deve ter visto as artes dela muitas vezes por lá nos stories). Camila é do mesmo estado que eu, Santa Catarina. Quando eu comecei a segui-la nas redes sociais ela estava morando em Nova York. A artista já fez vários trabalhos incríveis por lá (um dos mais recentes faz parte da campanha Keep Fighting). Suas artes falam sobre feminismo, veganismo, e sempre mostram mulheres de corpos e etnias diferentes; eu sou apaixonada pelo traço dela e de como suas ilustrações são poderosas e impactantes. Elas transmitem muita força. Foi muito legal poder conhecer a artista no Parque Gráfico!

    IMG-4534

    Letícia Moreno é a autora do Negapeta; eu ainda não conhecia o seu trabalho e tive a oportunidade de apreciar no Parque e também levar alguns stickers pra casa. Letícia é ilustradora, aquarelista e estuda História da Arte na UFRJ. Um detalhe muito legal é que todas as compras vinham em em envelopes com desenhos feitos por ela (cada um deles diferente!). Eu gostei muito das artes dela com aquarela. Seus desenhos trazem mulheres negras e muita representatividade. Acompanhe-a no Facebook também!

    IMG-4535

    A fotografia também tem um espaço enorme no Parque Gráfico. Joe Nicolay, de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, foi um dos meus artistas favoritos. Eu fiquei impressionada com os cartões postais que traziam fotografias conceituais, em preto & branco. O trabalho dele traz as pautas de diversidade e identidade; Joe é graduando em Artes Visuais pela UFRGS. Vale super a pena conferir o seu trabalho na internet (que é super extenso!).

    IMG-4537

    A Naomy Rosa, conhecida artisticamente como @Batnau, foi uma das pessoas que eu mais adorei ver no Parque Gráfico. O trabalho dela está sempre presente nas Feiras de Florianópolis, em especial a Feira Afro Artesanal, uma tradição no centro da cidade, da capital de Santa Catarina. Já presenteei algumas amigas com cadernos e adesivos; o sketchbook é um dos meus favoritos! Uma característica única de seu trabalho são os desenhos feitos com café. A designer de interiores atualmente mora em Criciúma.

     IMG-4538

    É difícil não amar as ilustrações delicadas e as personagens femininas da ilustradora e designer têxtil Caroline Bogo. O seu estande estava lotado de meninas olhando os prints, adesivos e demais trabalhos da artista. Estavam presentes desenhos com muitas cores – em especial o rosa -, cheios de detalhes e uma estética maravilhosa. Comprei de aniversário para um amigo um print lindo. Caroline também estava vendendo alguns originais na Feira.

    IMG-4532

    IMG-4539

    IMG-4536

    Apesar dos tempos complicados no nosso país, a arte está viva e bem, obrigada. Os artistas são inspiradores e trazem mensagens importantíssimas. Não consegui fotografar tudo, mas o Parque Gráfico traz um explícito tom político e de questionamento, principalmente no trabalho dos artistas negros e LGBTQ, que mostram suas vivências, percepções e experiências em zines, ilustrações e frases. Também houve espaço para livros que exploravam temas tabus – com estandes que traziam tiragens produzidas por editoras pequenas -.

    Apoiar eventos como esse é essencial. Precisamos ocupar esse espaço e fazer questionamentos, além de acompanhar as pessoas que produzem conteúdo e arte de diversas maneiras. Essas formas de expressão carregam em si um poderoso olhar crítico, uma outra maneira de enxergar a sociedade, as angústias e crises que estamos vivendo. Muitos cartazes de artistas jovens e mais velhos questionavam a democracia, o status quo, a maneira como a sociedade está estruturada. Eu sai de lá, naquele dia, energizada e com força para continuar contribuindo coletivamente, mesmo nesses dias difíceis de 2019.

    Novembro 19, 2018
    postado por

    Meu estilo de make sempre foi bem básico. Base, pó, blush, e no máximo um delineador. Mas em 2018 eu comecei a brincar mais com as makes e me inspirar em amigas (que sempre apareciam com sombras coloridas, ou substituiam a sombra clássica por batom nas pálpebras), e encarei a maquiagem mais como uma diversão, um statement, uma forma de me expressar mesmo. Tudo se iniciou com uma sombra verde da Sephora que eu roubei do estojo da minha mãe, e desde então, não parei mais (gosto de usar os batons da Natura Faces como sombra também).

    Se você ainda se sente insegura, confere a minha seleção de imagens: elas vão te dar vontade de se arriscar também!

    5109b9589e1ca3badd4134dc05e37533 d0900e42e785939488923cdfc38ccea9 db53939902e873e651d75f55bba3fa43 bd01bfaeb12667e8a7a4678235914e2a 9550294ec3789ce1529a69c99d8cc88a c068d4fdee50a586cfd139c8fcdf8700 d4cc93574266e7894fdb1b3892712b7c f5c5b0876cef6e4a7e41a358daa98fc6 dfadf5b3b4273f8d65124ca627092c47 975bad39412c3a247335ed8746c1d7ca
    Fevereiro 20, 2018
    postado por
    ULTRAVIOLET-2

    Todo ano a Pantone Color Institute, consultoria da Pantone que influencia as tendências da moda e do design, escolhe a cor que irá se destacar mais nos próximos 12 meses. Nós já tivemos o marsala, o greenery, e a minha favorita dos últimos tempos: serenity e rose quartz. Em 2018 a escolhida é ultra violet, uma cor roxa derivada do azul escuro, segundo a definição do próprio instituto.

    “Evocando a exploração de novas tecnologias e das grandes galáxias, com a sua expressão artística e reflexões espirituais, o intuitivo Ultra Violet ilumina o caminho do que ainda está por vir.”

    Eu confesso que gostei bastante da cor. Ela é chamativa, feminina, e me transmite força. Porém, meu primeiro pensamento foi: “como é possível adaptá-la para o dia-dia de maneira prática?”. O roxo é um dos tons que eu gosto muito, mas que raramente aparece nas minhas roupas. Não sei se com vocês ocorre o mesmo. Por isso, eu preparei esse post com inspirações e ideias de como colocar o ultra violent na sua (e na minha) rotina estética.

    ULTRAVIOLET-2

    O ultra violet com certeza destaca e chama a atenção em qualquer roupa, por isso é fácil de ser usado como o ponto X do look. Seja em detalhes, como nas flores da estampa da blusa no primeiro look, ou na meia-calça e na saia do segundo, ele não é tão difícil de usar quanto parece! Ah, e se você prefere roupas mais básicas, dá para apostar no tom em uma camiseta (o roxo e suas variações estarão em alta). Mas o meu favorito, sem dúvidas, é o maxi cardigã! Nada básico, certo?

    ULTRAVIOLET

    Outra maneira de usar é em blazers e calças (sociais e pant court estão ganhando cada vez mais espaço). O roxo pode variar para aquele rosa mais claro ou escuro: depende do que você preferir. As suas nuances são similares e apenas uma peça é suficiente para segurar um look (mas é claro que se você curte, a graça também é misturar!).

    ULTRAVIOLET

    Não é de hoje que os batons roxo foram alvo de coleções de marcas renomadas; nos últimos três anos, quando a febre dos batons matte surgiu, a cor e suas nuances apareceu em coleções da MAC (como o famoso Heroine, Punk Couture e Diva). Eu já falei aqui no blog sobre: o Diva é um dos meus batons queridinhos e o seu tom de roxo é bem escuro e gótico.

    No Brasil, tivemos coleções da Quem Disse Berenice?, Natura – principalmente com a linha Faces – e Avon, com tons de roxo mais dark e outros claros.

    Os meus favoritos da Natura Faces são o Marsala e Shock In. Tanto os cremosos quanto os matte possuem uma cobertura satisfatória, e as cores (principalmente as mais chamativas), são bem acesas. Indico muito para quem quer usar o roxo na make.

    Fevereiro 19, 2018
    postado por

    O horário de verão oficialmente acabou, mas na maioria das cidades as temperaturas quentes estão longe de terminar (tirando SP, que pelo que eu vejo a galera postando na internet, anda meio friozinho, certo?). Aqui no Sul os 30 graus continua firme e forte, e é preciso inspiração pra sair de casa e se arrumar (eu tenho mais preguiça nos dias quentes do que nos frios!). Já que agora as atividades e os compromissos estão voltando de vez, pós Carnaval, selecionei alguns looks pra te inspirar.

    Design sem nome-2 Design sem nome-3 Design sem nome-4 Design sem nome
    Dezembro 27, 2016
    postado por

    O verão oficialmente chegou, e todo mundo sabe que no país em que vivemos fica praticamente impossível não vestir looks confortáveis para essa época do ano. Claro que nem todas as cidades tem temperaturas extremas (aqui em Santa Catarina, algumas ainda passam um pouco de frio nessa época do ano, mas são poucas!), mas a grande maioria sabe como é se vestir em uma temperatura de 30 graus. Mas isso não dispensa o fato de que dá para acrescentar acessórios (o chapéu é um dos principais) para que a sua produção não perca o charme, e as estampas estão aí para deixar o visual mais criativo.

    Vestidos

    Kayla J, Carissa G, Diana Schneider e Elzara Muslimova

    Kayla J, Carissa G, Diana Schneider e Elzara Muslimova

    Cropped

    Daphne Blunt, Natalie Persson, Amanda Ikoma e Camila Damásio

    Daphne Blunt, Natalie Persson, Amanda Ikoma e Camila Damásio

    Jardineira

    Franziska Elea, Candy Thorne, Malinina-ek e Melody Jacob

    Franziska Elea, Candy Thorne, Malinina-ek e Melody Jacob

     Saia

    Luciana Vieira, Kimberly Kong, Melanie P e Marta Ucler Ucler

    Luciana Vieira, Kimberly Kong, Melanie P e Marta Ucler Ucler

    Short

    Diana Schneider, Carissa G, Ren Rong e Jacky

    Diana Schneider, Carissa G, Ren Rong e Jacky

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA