• Arte publicada no Instagram por @obviousagency
    Comportamento, Textos

    As particularidades do autocuidado

    ver post
  • d0bf7cba72b4deb73d4861ea37e567e9
    Livros

    O que eu estou lendo? – Outubro

    ver post
  • Colagem por https://www.simplywhytedesign.co.nz/portfolio/digital-collages
    Blogs, Comportamento, Filmes, Música

    Ronda Virtual #2 – O que há de mais interessante na internet

    ver post
  • 2291f002dffe5a86eb3419ef5c2bb542
    Comportamento, Textos

    desculpe incomodar

    ver post
  • Março 5, 2019
    postado por
    MV5BNzZhNDlkYjUtNzRlMy00ZmYxLWE0ZWYtODVkYTFkZDU3NmUxXkEyXkFqcGdeQXVyNzY0MTMwMDk@._V1_SY1000_CR0,0,658,1000_AL_

    Título: Period. End of Sentence (Absorvendo o Tabu) – Disponível na NETFLIX

    Diretor (a): Rayka Zehtabchi

    Sinopse: Na Índia Rural, onde o estigma da menstruação persiste, mulheres produzem absorventes de baixo custo em uma nova máquina e caminham para a independência financeira.

    É raro uma mulher que não lembre onde ela estava ou como aconteceu a sua primeira menstruação. O que ela sentiu naquele momento, a primeira compra de um absorvente, a maneira de aprender a lidar com o sangramento todo mês. O primeiro ano é o mais curioso, mas depois de um tempo nós nos acostumamos: absorvente interno, externo, coletor, são diversas as formas que usamos para lidar com esses dias do mês. É claro, nem toda mulher necessariamente menstrua. Mas em 2019, nós sabemos muito sobre o assunto e lidamos com ele com mais naturalidade. “Nós”. O Ocidente carrega essa mania opressora de achar que nossos hábitos são universais; mas eles estão longe de ser.

    “Absorvendo o Tabu“, curta-metragem de apenas 26 minutos dirigido pela irano-americana Raya Zehtabchi, que possui outro curta consagrado, “Madaran” lançado em 2016 no seu currículo, coloca como protagonista as crianças e mulheres indianas de uma cidade do interior a 60km de Nova Deli. O curta se inicia com cenas que mostram a vergonha e o desconforto das garotas ao serem questionadas sobre o que é menstruação. Elas sabem, mas nunca expressaram a sua compreensão ou opinião sobre o assunto, que é tratado como um mito, algo que não deve nunca ser abordado. Logo depois a mesma pergunta é feita aos garotos: alguns acreditam que a menstruação seja até mesmo uma doença.

    Elas não usam absorventes, e o sangramento todo mês provoca muito mais que uma cólica ou uma ida cancelada à piscina: na Índia, mais de três milhões de meninas já deixaram de ir à escola por causa disso. No curta, conhecemos uma garota que interrompeu seus estudos pela vergonha e a inconveniência da menstruação. Sem estruturas, elas precisam enrolar toalhas, pedaços de pano ou outros objetos que não são limpos, para esconderem o sangramento, correndo o risco de ficarem doentes. Dessa maneira, muitas desistem de estudar.

    As coisas começaram a mudar aos poucos quando uma máquina que faz absorventes biodegradáveis é instalado na região. É uma novidade, algo surpreendente, e não demora muito para que as mulheres aprendam o processo e comecem a fazer os seus próprios absorventes. Para muitas delas, esse é o primeiro emprego de suas vidas: a independência financeira, a chance de não precisar mais do salário do marido, de poder sair de casa, e trabalhar. Coisas que para nós podem soar simples, mas para essas mulheres são um passo importante no seu empoderamento: foi assim que surgiu a linha de absorventes Fly’s, criada em Harpur, na Índia, originada pela máquina inventada por Murugananthem; o objetivo é que as mulheres possam alcançar diversos lugares.

    O curta também mostra como essas mulheres começaram a vender os primeiros absorventes. Elas possuem o sonho de vendê-los em Nova Deli. De se sustentar, se tornarem donas do próprio destino e de se tornarem parte da polícia Indiana.

    O projeto é apoiado pela ONG californiana The Pad Project, que busca arrecadar fundos para implementar máquinas em outros lugares em países em desenvolvimento, e trazer absorventes para meninas no mundo todo que não possuem acesso à eles.

    Fevereiro 16, 2019
    postado por
    39674606_723455701379941_4863327731393232896_n

    A playlist de Fevereiro trás algumas descobertas musicais que foram a trilha sonora do meu mês de Janeiro e que eu não consigo parar de ouvir nesse mês! O EP do trio boygenius, formado por três artistas antigas na cena do indie rock – Julien Baker, Lucy Davos e Phoebe Bridgers -, foi considerado um dos melhores discos do ano pela Pitchfork, importante site de crítica musical. Cada uma possui sua carreira individual, mas de maneira espontânea elas se uniram, trocaram ideias pela internet e gravaram o EP com seis faixas, em apenas quatro dias em Los Angeles. As mulheres, aliás, dominaram com força a música alternativa em 2018: Lindsey Jordan, do Snail Mail, foi um dos maiores destaques, tendo apenas 19 anos.

    Fevereiro 9, 2019
    postado por
    24410f3de250f2f5fb796def4cea383e

    Uma das minhas metas para 2019 é ler mais do que o ano passado. Em 2018 consegui ler em torno de 23 livros, mas a minha média costumava ser muito maior há alguns anos atrás. Porém o cursinho, a faculdade e o trabalho apareceram, deixando minha rotina de leituras mais complicadas. Mas acredito que comecei o ano com o pé direito, e Janeiro foi um mês cheio de boas leituras (principalmente com uma pegada mais política, algo que eu tenho focado desde o ano anterior).

    imagem.aspx

    Título: Razão e Sensibilidade

    Autora (a): Jane Austen

    Sinopse: “A vida das irmãs Marianne e Elinor Dashwood se transforma radicalmente com a morte do pai, cuja herança vai parar nas mãos do filho do primeiro casamento. A história se passa numa época em que, sem dotes, as jovens não tinham a menor chance de conseguir um bom marido. Mas isso não as impede de conhecer o amor. Impulsiva, Marianne se entrega sem pensar à paixão por um homem sem caráter. Já Elinor esconde seus sentimentos, o que não significa que sejam menos intensos. Ao longo da história, as duas enfrentam diferentes provocações numa sociedade movida por dinheiro. A cada reviravolta do destino, o leitor se pergunta: Qual o melhor caminho para a felicidade: razão ou emoção?

    Jane Austen é indispensável para quem é fã de romances e clássicos. Esta é a minha segunda leitura (a primeira foi Persuasão). As protagonistas interessantes e complexas da autora inglesa são sua marca registrada. Em Razão e Sensibilidade, as personagens principais são as irmãs Dashwood. Marianne e Elinor são bem diferentes. Enquanto uma carrega o coração nas mãos  e não tem medo de se apaixonar, Elinor – a mais responsável, paciente e madura da família – não sabe expressar bem os seus sentimentos. Elas tem relacionamentos diferentes com os mesmos familiares e amigos; o livro carrega uma contradição entre as irmãs, mas que apesar das diferenças, são extremamente unidas.

    Apesar dos romances ocuparem uma parte importante dos enredos de Austen – ela critica de diversas maneiras à pressão para as mulheres jovens se casarem com homens ricos na época, praticamente uma exigência -, o foco é as relações das irmãs Elinor e Marianne, que são aprofundadas. No século 19, Jane Austen já criticava os modelos burgueses e patriarcais.

    capa-ofeminismo

    Título: O feminismo é para todo mundo – Políticas arrebatadoras

    Autora (a): Bell Hooks

    Sinopse: O feminismo sob a visão de uma das mais importantes feministas negras da atualidade. Eleita uma das principais intelectuais norte-americanas, pela revista Atlantic Monthly, e uma das 100 Pessoas Visionárias que Podem Mudar Sua Vida, pela revista Utne Reader, a aclamada feminista negra bell hooks nos apresenta, nesta acessível cartilha, a natureza do feminismo e seu compromisso contra sexismo, exploração sexista e qualquer forma de opressão.

    Uma das ativistas e escritoras mais importantes do século 21, Bell Hooks lançou originalmente “Feminism is For Everybody” em 2000. O selo Rosa dos Tempos, criado nos anos 90 e reproduzido pela Galera Record, publicou a obra no Brasil pelo selo feminista. Referência nos estudos de gênero, a obra de Hooks retrata o feminismo pela sua visão original: a luta que envolve classes, o combate ao racismo, sexismo e opressão. As mais de 150 páginas discutem em capítulos diversos temas do movimento, muitos deles pouco debatidos, como o direito das mulheres negras, a necessidade de incluir homens no movimento, e os privilégios das mulheres brancas, que muitas vezes perpetuam maneiras de opressão dentro do feminismo.

    É uma leitura essencial, pois faz o recorte de raça e sexualidade dentre do movimento contra o sexismo. Bell Hooks também aponta como o capitalismo e diversas atitudes opressoras podem enfraquecer o feminismo, algumas destas praticadas por mulheres; ela detalha e explora temas como religião, movimento LGBT, feminismo radical, direitos reprodutivos e emancipação das mulheres negras e indígenas. Com certeza, a minha leitura favorita de Janeiro.

    61TtSIrBt+L

    Título: Sejamos Todos Feministas

    Autor (a): Chimamanda Ngozi Adichie

    Sinopse: O que significa ser feminista no século XXI? Por que o feminismo é essencial para libertar homens e mulheres? Eis as questões que estão no cerne de Sejamos todos feministas, ensaio da premiada autora de Americanah e Meio sol amarelo. “A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos criar nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos criar nossos filhos de uma maneira diferente.”

    Esse é um dos livros mais famosos da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, que despontou como uma das maiores autoras contemporâneas a falar sobre o sexismo nos últimos anos. Ela possui um currículo cheio de livros reconhecidos mundo afora, como “Hibisco Roxo”, “Americanah”, “Meio Sol Amarelo”, “No Seu Pescoço”, dentre outros títulos que chegaram no Brasil. Sejamos Todos Feministas é um livro curtinho, que transcreve uma palestra da autora para o TedX, falando sobre a sua experiência em como entrou no movimento, especialmente no contexto de uma mulher nigeriana.

    O mais incrível é que há algumas semanas o livro se tornou gratuito no Amazon pelo Kindle (você pode baixar o aplicativo pelo celular e acessá-lo sem custo). É uma ótima introdução para posteriormente conhecer as obras da autora de ficção, e também presentear pessoas que você conhece que sabem pouco sobre o feminismo.

    Janeiro 24, 2019
    postado por
    imagem.aspx

    Título: Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me By Your Name)

    Autor (a): André Aciman

    Editora: Intrínseca

    Sinopse: A casa onde Elio passa os verões é um verdadeiro paraíso na costa italiana, parada certa de amigos, vizinhos, artistas e intelectuais de todos os lugares. Filho de um importante professor universitário, o jovem está bastante acostumado à rotina de, a cada verão, hospedar por seis semanas na villa da família um novo escritor que, em troca da boa acolhida, ajuda seu pai com correspondências e papeladas. Uma cobiçada residência literária que já atraiu muitos nomes, mas nenhum deles como Oliver. Elio imediatamente, e sem perceber, se encanta pelo americano de vinte e quatro anos, espontâneo e atraente, que aproveita a temporada para trabalhar em seu manuscrito sobre Heráclito e, sobretudo, desfrutar do verão mediterrâneo. Da antipatia impaciente que parece atravessar o convívio inicial dos dois surge uma paixão que só aumenta à medida que o instável e desconhecido terreno que os separa vai sendo vencido. Uma experiência inesquecível, que os marcará para o resto da vida. Com rara sensibilidade, André Aciman constrói uma viva e sincera elegia à paixão, em um romance no qual se reconhecem as mais delicadas e brutais emoções da juventude. Uma narrativa magnética, inquieta e profundamente tocante.

    “Me Chame Pelo Seu Nome” conquistou milhares de pessoas no início de 2018. A estréia do filme – que recebeu indicações ao Oscar -, levou êxito também para o livro, publicado pelo egípcio André Aciman, que atualmente mora nos Estados Unidos e é professor universitário. Lançado originalmente em 2007 – dez anos antes de chegar às telas -, se tornou um fenômeno da literatura LGBTQ+ (inclusive ganhando prêmios importantes). Apesar de filme e livro serem muito parecidos, vale a pena embarcar na leitura profunda e emocionante que a versão literária nos trás do romance de Elio e Oliver.

    Narrado por Elio, um jovem de 17 anos que passa os verões em uma casa no Sul da Itália com a família todos os anos, o romance já começa direto ao ponto: o momento que o jovem conhece Oliver, um estudante norte-americano que está escrevendo sua tese de filosofia. Todos os anos, um graduando passa o verão na casa da família ajudando o pai de Oliver, professor reconhecido. O ambiente em que eles vivem ganha espaço na narração delicada e bem explorada de Aciman; não espere por diálogos rápidos ou capítulos instantâneos, como vemos muito nos romances atuais. O autor explora bem os cenários, os personagens no geral e o livro trás enormes referências à literatura, filosofia e sociologia, assuntos de importância para a família de Oliver.

    Elio é um personagem elaborado do início ao fim. Como ele é o narrador, entramos profundamente nos seus pensamentos, nas suas angústias e dúvidas, normais para um adolescente, mas que ganham uma pitada de intensidade. É possível se identificar, já que quando estamos nessa idade, tudo ganha uma dramaticidade ainda maior. E é assim que os sentimentos confusos de Elio sobre Oliver ganham as páginas: ele se interessa automaticamente pelo intelectual, – que é de Nova York -, pelas suas ideias e pensamentos. O desejo começa a nascer aos poucos, até ganhar plenitude e ele realmente se apaixonar pelo novo vizinho de quarto.

    Apesar de ganhar grande destaque, nós enxergamos Oliver apenas pela visão de Elio e dos outros moradores da casa. É fácil se afeiçoar por ele, que é charmoso e conquista diversos personagens ao longo da história. Mas Oliver também carrega uma aura de mistério, complexidade e dúvida, características que quase permeiam uma paixão platônica do protagonista por ele; o livro é repleto de momentos de romance, desejo e sexualidade entre os dois personagens. Em nenhum momento eles são rotulados; ambos se relacionam com homens e mulheres ao longo do enredo. Ao questionado, o autor afirmou que não colocou a palavra “gay” no livro e também não debateu sobre as violências que eles poderiam sofrer:

    Eu não queria aquelas típicas situações que sempre aparecem em livros sobre gays. Você sabe, a polícia atacando um casal gay, pessoas cruéis nas ruas batendo neles, alguém infectado com HIV. Eu não queria nada disso no meu romance. Eu queria imaginar: como seria a vida se um casal gay não tivesse de passar por nenhuma dessas coisas violentas e sem sentido?

    André Aciman em entrevista à Cult.

    É claro que podemos pensar a decisão do autor por outra ótica; Oliver e Elio são dois personagens brancos e de classe média alta que estão se descobrindo e vivendo o seu romance. Eles estão protegidos pela bolha em que vivem. A família de Oliver, além de de fazer parte de uma elite acadêmica, apoia a sexualidade do filho de diversas maneiras, sem questionamentos, inclusive o incentivando a aproveitar a vida e conhecer mais sobre si; sabemos que a realidade no Brasil e em diversas outras partes do mundo é muito diferente, ainda mais quando se fala de jovens negros da comunidade LGBTQ+.

    Não é também só o casal de protagonistas que ganha destaque. Marcia, amiga de infância de Oliver, também é um dos romances do jovem; o leitor também fica em dúvida se Oliver tem outros amores, o que de certa maneira quebra os padrões do amor romântico, tão presente nos livros de Young Adult (jovem adulto). A sensação é que eles estão apaixonados um pelo outro, mas também são livres.

    Como você vive a sua vida é da sua conta. Só se lembre: nossos corações e nossos corpos nos são dados uma única vez.

    Mais do que uma história sobre amor, paixão e primeiras vezesCall Me By Your Name nos relata o autoconhecimento de Oliver, sua história para descobrir quem ele realmente é, o que ele espera da vida. Conhecemos o personagem aos dezessete anos e quando o livro termina, ele já passou dos trinta; apesar da adaptação cinematográfica ser muito parecida, alguns capítulos não estão presentes. O ponto alto são as narrações, feitas com delicadeza. É um verdadeiro mergulho às sensações de se apaixonar por alguém.

    Janeiro 19, 2019
    postado por

    Já é metade de Janeiro, e parece que os dias quentes estão muito, mas muito longe de ainda se despedirem de nós aqui no Brasil. É difícil achar inspiração para usar looks diferentes quando os termômetros batem 30 graus (ou em algumas cidades, como aqui no Sul, quase 40!). Apesar do Pinterest ser um dos nossos amigos nessa hora, o Instagram tá cheio de musas brasileiras (e algumas internacionais) com roupas ideais para as nossas estações quentes!

    Design sem nome-4

    Cris Paladino, Luciana Brasil e Ali Santos

    Design sem nome-3

    Jeanne Damas, Marina Peixoto e Vic Hollo

    Design sem nome

    Yasmim StevanLarissa Cunegundes e Angelica Bucci

    Design sem nome-2

    Via Pinterest

    subir
    elas disseram TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2017 // DESIGN POR SARA SILVA